Jantar da Energisa para imprensa

Energisa

A Energisa anuncia: Vem reajuste aí! Saiba o porquê.

Riberto José Barbanera, Diretor-presidente da Energisa Mato Grosso, anunciou ontem, 28 de março, que a partir do dia 8 de abril, haverá um reajuste na tarifa da conta de energia. Mais um aumento na ‘conta de luz’, dirão muitos consumidores. O Blog da Bárbara Fontes acompanhou o anuncio, fez algumas perguntas, e abaixo segue alguns pontos importantes:

* Por que reajustar a tarifa?  

Riberto José Barbanera, diretor-presidente da Energisa Mato Grosso
Foto: Bárbara Fontes

Segundo Riberto Barbanera, o reajuste é, na verdade, uma revisão tarifária, isto é, ocorre a cada cinco anos. Não é uma decisão da Energisa, e sim, por força da Legislação do setor elétrico, que estabelece que o poder concedente (a Federação que reúne o setor) vai olhar para todos os investimentos realizados pela empresa (no caso de Mato Grosso, é a Energia que tem a concessão para distribuir energia elétrica), no período (5 anos) e remunerá-la. Essa revisão tarifária, permite a empresa atender novos clientes (sim, há muitas famílias sem energia elétrica em Mato Grosso e no Brasil!), e melhorar a qualidade dos serviços prestados. As distribuidoras/concessionárias são a ponte entre os produtores/geradores de energia com a sociedade, possibilitando que todos nós possamos acender as luzes de nossas casas; as indústrias operarem máquinas, enfim, tudo que precisa de energia elétrica para o conforto, necessidade e desenvolvimento de nossa vida cotidiana.

 

* Como é composta essa revisão tarifária?

Para remunerar as distribuidoras/concessionárias que investiram no período de cinco anos, são considerados: valores de compra de energia; ações de combate à perdas que estão associadas dentro da distribuidora; os investimentos realizados; e todos os encargos setoriais que a empresa têm de arcar todos os anos.

 

* O que são ações de combate à perdas?

'Gatos' na eletricidade
Foto: Robson Fernandjes/AE

Sabe aquele ‘gato’ que muita gente faz para obter energia sem pagar? Além de ser crime, o gato traz prejuízos a todos brasileiros e brasileiras de bem, e que dão duro na vida honestamente. As concessionárias, também, são prejudicadas porque compraram a energia de um produtor/gerador, e precisam repassar ao consumidor (que todo mês, recebe a conta). A pessoa que faz o ‘gato’ está roubando energia que poderia estar sendo usada nas indústrias que empregam milhares de trabalhadores; nos hospitais, nas escolas, e nos lares. Já pensou, você chegar em casa, depois de um dia cansativo, querer tomar um banho gostoso, esquentar a comida no micro-ondas e ver TV, na santa paz, e descobrir que está sem energia porque algum vizinho fez um ‘gato’ ou outra gambiarra que deu errado e comprometeu todo fornecimento da vizinhança. Então, tenhamos a consciência de que fazer ou apoiar o ‘gato’ não é legal (em todos os sentidos da palavra).

A inadimplência, até um determinado limite de valor, também, faz parte dessas perdas que a distribuidora de energia terá ressarcimento com a revisão tarifária. A inadimplência de alguns, onera todos os consumidores, por isso, é importante quitar as dívidas. A dica é: chegou a conta e está muito cara, procure imediatamente a concessionária de energia de seu Estado. Negocie! Outra forma de não levar susto com a conta do mês, é economizar! Se o ventilador e a geladeira não podem ser desligados, poupe em outras coisas, como o chuveiro elétrico, o ferro de passar e nas lâmpadas acessas. Utilize o essencial! Em Mato Grosso, o uso de ar-condicionado é essencial, mantenha o filtro sempre limpo e o ligue somente quando for necessário.

 

* Qual é a porcentagem dessa revisão tarifária?

O reajuste previsto (será anunciado no dia 3 de abril), é em média de 8,4%. Para clientes industriais, está em torno de 2,5%, e para clientes residenciais e pequenos comércios, é de 10%. Por que essa diferença de valores? O investimento que a concessionária faz para que as indústrias possam ter energia, é menor do que o investimento para o fornecimento para as residências e comércios menores (ambas unidades consumidoras). Mais um motivo para ninguém aceitar o ‘gato’ na vizinhança!

 

* Como virá esse reajuste na conta?

Será a partir do dia 8 de abril, porém, como todos os dias têm faturas chegando aos consumidores – pode variar o período dela. As faturas de 1 de abril até o dia 30 de abril: os sete primeiros dias serão com a tarifa antiga e os 23 dias serão pela tarifa nova. É proporcional, a partir do dia 8 de abril.

 

* Por que a data de 8 de abril?

O reajuste  não é um presente de aniversário para Cuiabá. Esse data se refere à compra da antiga Rede Cemat pelo grupo Energisa. E segundo a legislação, a cada cinco anos, a revisão tarifária deve ser efetivada na mesma data da aquisição da concessionária.

 

* E os reajustes que acontecem nesse intervalo de cinco anos?

O que existe é o reajuste anual de tarifa, baseado na inflação. Por isso que a conta de energia, em todo Brasil, sobe.   

 

* Por que a energia é tão cara em Mato Grosso?

Segundo o ranking das tarifas de energia, da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a tarifa (sem impostos e outros encargos) cobrada pela Energisa, é a 43º mais cara do país. Ao contrário do que muitos imaginam, a energia de Mato Grosso não é a mais cara do Brasil. O que encarece, são os quase 40% de tributos (impostos federal, estadual e municipal). Atualmente, não há nenhum interesse dos governos em diminuir o valor dos tributos, se isso ocorresse, diminuiria consideravelmente o valor apresentado na conta de energia.

Apresentação EnergisaMT/Foto: Bárbara Fontes

Para melhor compreender como funciona esses repasses (em porcentagem), vamos supor que você recebeu a sua conta de energia no valor de R$ 100,00. Veja como é distribuído esse valor:

– 21,58% do valor arrecadado na conta de energia, vai para a distribuidora (Energisa MT), para pagar folha de pagamento; contratação de serviço; comprar material; investir no setor elétrico; melhorar a qualidade do serviço prestado; fazer o atendimento ao cliente; e realizar todas as operações da empresa.

  – 39,19% do valor, a concessionária compra energia dos produtores/geradores (via leilão), pagam aos transmissores (os linhões) para a energia chegar até Cuiabá.

– 39,23 % do valor, são tributos: PIS e Confins (Federal); ICMS (Estadual); CIP (Municipal). A respeito da Contribuição de Iluminação Pública (CIP), a rua que vive escura ou com o poste sem lâmpada, não é da responsabilidade da concessionária de energia, e sim, da prefeitura!!

Diante do que foi exposto, fica claro que os tributos encarecem a conta de energia e, é um dinheiro certo na conta dos governos que deveriam ser investidos, imediatamente, para a melhoria de vida população.

Acesse o ranking da ANEEL aqui.

Anúncios

Publicado por

barbarafontes

Bárbara Fontes é formada em Comunicação Social pela UFMT. Especialista em Educação (Cinema e Educação). É cineasta, jornalista, roteirista, fotógrafa e poetisa. Seu primeiro trabalho em Assessoria de Comunicação foi em 1995. Iniciou no Cinema/Audiovisual/TV em 1994. Passou temporadas em vários países como Uruguai, Argentina, Bolívia, Panamá. Morou em Estocolmo, capital da Suécia, entre os anos de 2000 a 2002. Sua primeira entrevista para a televisão foi aos 12 anos, no programa de variedades, Vitrine, da TV Centro América. Aos 13 anos, escreveu seu primeiro artigo, publicado no jornal impresso, Correio Várzea-grandense. Desde que se conhece por gente, escreveu histórias, composições musicais, roteiros e poemas.

2 comentários em “Energisa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s