série: Habemos Artes!

Embarque numa viagem pela história da arte. Parte I – ARTE RUPESTRE

SETE FATOS SOBRE A ARTE QUE NASCEU NAS CAVERNAS

1- O que é arte rupestre?

CarvernaElCastilho1
Reprodução/Site: Cuevas Préhistóricas de Cantábria

É um conjunto de inscrições, desenhos, esculturas e pinturas produzidas pelo homem pré-histórico dentro de cavernas, paredes rochosas externas e em grandes pedras espalhadas nas florestas. Segundo pesquisa realizada pela Universidade de Bristol, na Inglaterra, a arte rupestre começou há pelo menos 40 mil anos e indícios apontaram que a espécie Neandertal tenha sido os primeiros “artistas”.

2- O que o humano pré-histórico retratava?

CarvernaElCastilho2
Desenho de um bisão. Reprodução/Site: Cuevas Préhistóricas de Cantábria

Os acervos encontrados em diversas cavernas são de pinturas que “contam” o cotidiano do grupo de vivia ali: cenas de caças, animais de várias espécies (parados e simulando movimentos). Também foram encontrados desenhos relacionados à danças/festas, ritos cerimoniais, partos entre outros. Para melhor compreender esse período da história da humanidade (cuja classificação é: ordem primata e família Hominidae), segue os tipos de espécies humanas que viveram antes do Homo Sapiens (nossa espécie):

Australopithecus: O primeiro Homem-símio (bípede e tinha postura ereta). Viveu no período Paleolítico/Pedra Lascada (aproximadamente, 3 milhões de anos).

Homo Habilis: possuía características do humano atual e habilidades como fabricação de pequenos machados e sabia que embaixo da terra havia raízes comestíveis.

Homo Erectus: Essa espécie de humano possuía o cérebro maior do que os outros antes dele, e já vivia em grupos e morava em cavernas. Sabia manusear armas, talhar pedras e usar utensílios feitos de madeira e ossos.

Homem de Neanderthal: descoberto no Vale Neander, Alemanha. Viveu há 100 mil anos. Segundo pesquisas, essa espécie era a  mais evoluída de todas pela capacidade de pensamento e fala (sem muita complexidade), realizava rituais em grupos e fabricava instrumentos. Faz parte do primeiro ramo de Homo Sapiens.

Homem de Cro-magnon:  Surgiu há 70 mil anos (Oceania e América) e pertencia ao segundo ramo de Homo Sapiens. Possuía habilidade de manufatura de armas e instrumentos (pedra e ossos), cozinhava alguns alimentos e produzia pinturas rupestres e esculturas. Essa espécie deu origem ao homem atual.

3- Arte rupestre é arte?

CavernaLaPasiega_Espanha_Neandertal_65milanos
Pinturas atribuídas ao Homem Neandertal há 65 mil anos. Caverna La Pasiega, Espanha. Reprodução/P.Saura

Até hoje, especialistas de várias partes do mundo discutem se as inscrições, esculturas, desenhos e pinturas produzidas pelos seres humanos que viviam nas cavernas podem ser consideradas arte, sendo que o conceito de arte naquela época não existia, isto é, quando desenhavam coisas nas paredes rochosas não o faziam “pensando em arte” – até porque a intenção era a de sobreviver no ambiente hostil.  Por outro lado, há quem considera arte por haver provas encontradas em algumas cavernas da Espanha, de que os  neandertais misturavam pigmentos para pintar e talhavam contas de conchas.

Independente se é arte ou não, o fato é que foi por meio de desenhos que eles conseguiam se comunicar, o que estimulou o surgimento da linguagem, da compreensão das coisas e futuramente, da escrita. Observando esses primeiros seres humanos, percebemos que a “arte” nasceu com eles e que havia uma sensibilidade (surgida da intuição) da vida cotidiana e na apreensão de informações que eram desenhadas nas paredes das cavernas. Eles também foram os primeiros “cronistas” do mundo ao relatar em forma de inscrições, as descobertas do mundo exterior e do próprio grupo.

3- Quais são as principais cavernas com acervos de artes rupestres?

São inúmeras cavernas espalhadas por todo planeta com ricos e raros acervos. Na Espanha há cavernas com vestígios de 65 mil anos e as mais conhecidas são as de Altamira, Cueva de los Aviones, Cueva de la Pasiega. Na França tem a Caverna de Lascaux. Na América Latina, um dos maiores acervos está na Cueva de Las Manos (Caverna das Mãos), na Argentina.

4- O que encontraram nessas cavernas?

CuevaManos_ProvinciaSantaCruz_Argentina
A Caverna das Mãos está localizada na província de Santa Cruz, na Argentina. Crédito: Mariano Cecowiski.

CavernaLascaux_França_CreditoProfSaxx
Pinturas encontradas na Caverna de Lascaux, na França. Crédito: Prof. Saxx.

5 – No Brasil há vestígios de Arte Rupestre?

Sim e muitas! Nosso país se situa num continente muito antigo e há provas concretas que milênios atrás o território abrigou muitos grupos de seres humanos pré-históricos. Os locais mais conhecidos são:

Serra da Capivara, no Piauí; Pedra Pintada (Pará); Cariris Velho e Pedra do Ingá, na Paraíba. O estado de Minas Gerais abriga locais importantes com vestígios pré-históricos em Lagoa Santa e Peruaçu.

cranio pre historia_Luzia
Era uma vez Luzia! Reprodução/Site Brasil Escola

 

Em Minas Gerais (gruta de Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo) foi encontrado um fóssil considerado o mais antigo da América! E era de uma mulher que viveu aproximadamente há 11 mil anos. Ela foi batizada de Luzia. Onde está Luíza hoje? Desapareceu durante o incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro. Lamentável…

6 – Há vestígios pré-históricos em Mato Grosso?

Sim e há possibilidade de encontrar mais locais! Até o momento foram encontrados vestígios em Rondonópolis, na Chapada do Guimarães e Apiacás.

sitio-arqueologico_Apiacas_creditoSauloAugustodeMorais
Vestígio de pintura rupestre encontra numa caverna em Apiacás. Crédito: Saulo Augusto de Moraes.

 

 

 

No município de Apiacás foram encontradas seis cavernas com pinturas rupestres.

 

 

7- O que se sabe do sítio arqueológico de Santa Elina (MT)?

Em 2014, eu realizava uma pesquisa para a produção de um documentário sobre a cidade de Jangada quando soube da existência do Santa Elina (quase ninguém da cidade sabia!). Situado a 60 km de Jangada, é considerado o segundo sítio arqueológico mais antigo do Brasil. O local ficou conhecido por meio de pesquisa realizada por um casal de arqueólogos franceses, do Museu Nacional de História Natural da França, que viveu na região por anos. Foram encontrados vestígios de 27 mil anos atrás, sendo que mil representações rupestres em formas de figuras humanas e animais, além de indícios de fogueiras e inscrições em pedra. Arqueólogos e pesquisadores também encontraram 800 fragmentos de ossos, entre eles a de uma preguiça de cinco metros que viveu na região em torno de 10 mil anos atrás. O lugar é extraordinário né? Mas não é o que pensam as autoridades, os raros os vestígios pré-históricos correm o risco de desaparecer! Segundo uma matéria publicada no site O Livre, a fazenda tem plantações de soja e a boa parte de sua vegetação virou pasto para gado. E não possui um trabalho de preservação histórica e nem de sensibilização junto aos proprietários e trabalhadores da fazenda.  Depois do que aconteceu no Museu da Língua Portuguesa (SP) e no Museu Nacional, ambos locais famosos e muito visitados e que sofreram incêndios e perdas incalculáveis; o que será de um sítio arqueológico, situado na região central do Brasil, que abriga a pré-história do continente americano, e que quase ninguém conhece?

 

Gostou da primeira parte da série sobre a história da arte? Terá mais por aí, aguarde! O Blog da Bárbara Fontes é um site independente, com recursos próprios e precisa da sua ajuda. Seja um apoiador do blog! Saiba mais aqui.

 

 

Anúncios

Publicado por

barbarafontes

Bárbara Fontes é formada em Comunicação Social pela UFMT. Especialista em Educação (Cinema e Educação). É cineasta, jornalista, roteirista, fotógrafa e poetisa. Seu primeiro trabalho em Assessoria de Comunicação foi em 1995. Iniciou no Cinema/Audiovisual/TV em 1994. Passou temporadas em vários países como Uruguai, Argentina, Bolívia, Panamá. Morou em Estocolmo, capital da Suécia, entre os anos de 2000 a 2002. Sua primeira entrevista para a televisão foi aos 12 anos, no programa de variedades, Vitrine, da TV Centro América. Aos 13 anos, escreveu seu primeiro artigo, publicado no jornal impresso, Correio Várzea-grandense. Desde que se conhece por gente, escreveu histórias, composições musicais, roteiros e poemas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s