Sesc na Estrada

Já começou o primeiro circuito do Sesc na Estrada!

 

Matéria publicada em 12/03:

Entre os meses de março a abril, 27 municípios do interior de Mato Grosso receberão orientações de saúde, oficinas de Cultura e Arte, Atividades Recreativas e Esportivas, Apresentações Artísticas e Exibições de Filmes. No total serão 300 atrações e a estimatva é atingir um público de cerca de 30 mil pessoas.

 

É uma ótima iniciativa do Sesc Mato Grosso e parceiros para levar uma programação diversificada para a população que vive distante de Cuiabá ou das unidades do Sesc.

 

Cidades contempladas 

Confira as datas em que o Sesc na Estrada estará nos municípios (por ordem alfabética):

  • Alta Floresta – 16 de abril

  • Alto Garças – 10 de abril

  • Barão de Melgaço – 13 de abril

  • Campo Verde – 07 de abril

  • Chapada dos Guimarães – 08 de abril

  • Colíder – 19 de abril

  • Diamantino – 15 de março

  • Distrito da Guia – 12 de março

  • Guarantã do Norte – 22 de abril

  • Jaciara – 27 de março

  • Juscimeira – 26 de março

  • Lucas do Rio Verde – 27 de março

  • Matupá – 21 de abril

  • Nobres – 14 de março

  • Nortelândia – 16 de março

  • Nossa Senhora do Livramento – 11 de abril

  • Nova Canaã do Norte – 18 de abril

  • Nova Mutum – 26 de março

  • Paranaíta – 17 de abril

  • Pedra Preta – 09 de abril

  • Peixoto de Azevedo – 20 de abril

  • Poxoréu – 19 de março

  • Primavera do Leste – 20 de março

  • Rosário Oeste – 13 de março

  • Santo Antônio do Leverger – 12 de abril

  • Sinop – 29 de março

  • Sorriso – 28 de março

 

Programação de MARÇO:

53528451_2061330770582785_8021856555001446400_o.jpg

 

Saiba mais:

Acesse a programação completa em cada cidade que receberá o Sesc na Estrada aqui.

Anúncios

Olhar de Cinema

Segue até o dia 8 de março, as inscrições para o Festival Internacional de Cinema de Curitiba.

 

Que o ano de 2019 traga bons ventos para realizadores de todo o Brasil por meio de editais e programas de fomento e capacitação, e também muitos festivais de cinema. Afinal, de que adianta produzir e não ter como exibir os filmes para a população que também precisa de entretenimento e não apenas viver para trabalhar e pagar impostos.

 

O Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba – é uma importante vitrine para o cinema nacional. Desde 2012, quando estreou a sua primeira edição, o evento já levou mais de 100 mil pessoas para as salas de cinema, e exibiu mais de 500 filmes nacionais e estrangeiros. O festival acontece entre os dias 5 à 13 de junho, em Curitiba, capital do Paraná.

 

Segundo a organização, o festival

tem como objetivo destacar e celebrar o cinema independente realizado em todo mundo por meio da seleção oficial de filmes com propostas estéticas inventivas, envolventes e com comprometimento temático, que abrange desde a abordagem de inquietações contemporâneas acerca do micro universo cotidiano de relacionamentos, até interpretações e posicionamentos sobre política e economia mundial. Filmes que se arriscam em novas formas de linguagem cinematográfica, que estão abertos ao experimentalismo e que, não obstante, possuem um grande potencial de comunicação com o público. Em meio a esses quesitos, é possível compor uma programação de grande diversidade temática e estética, que não rejeita gêneros, formatos e durações. Universo composto por aproximadamente 120 filmes anuais, o Olhar de Cinema sempre procura valorizar o cinema brasileiro e também paranaense, ao garimpar o que há de mais precioso e urgente nessas cinematografias, garantindo cuidado especial ao programar tais obras.

 

50442344_2480122702001859_6872200608519028736_n

Os filmes exibidos são divididos nas seguintes Mostras:

*Olhar Retrospectivo

*Olhares Clássicos

*Foco

*Exibições Especiais

*Competitiva

*Novos Olhares

*Outros Olhares

*Mirada Paranaense

*Pequenos Olhares

 

Além dos filmes, o festival internacional também promove:

*Seminário de Cinema de Curitiba

*Curitiba_Lab

*Oficinas de capacitação

 

As inscrições estão abertas até o dia 8 de março.

Mais informações aqui.

Site do Olhar de Cinema aqui.

E o Oscar foi para…

Matéria publicada em 25/02/19

Confira os vencedores da maior festa do cinema mundial que também lembrou do cineasta brasileiro Nelson Pereira dos Santos.

O Blog da Bárbara Fontes acompanhou pelo canal por assinatura, TNT, a noite glamourosa do Oscar que ocorreu neste domingo, 24. Uma coisa é fato: precisa gostar muito de cinema ou fazer parte deste universo para aguentar as três horas de premiação (mas valeu a pena!), que neste ano não teve um apresentador fixo – o que deixou o evento mais leve e descontraído.

Um momento especial para nós brasileiros foi durante o “In Memorian”, que lembrou o cineasta brasileiro Nelson Pereira dos Santos, um dos mais geniais do mundo. Em 2014, Eduardo Coutinho, cineasta brasileiro falecido em fevereiro do mesmo ano, também foi homenageado. Nelson e Eduardo foram meus professores de Cinema, em momentos e lugares distintos, e eu tenho imensa gratidão pela generosidade deles em compartilhar saberes e conselhos.

O Oscar deste ano teve grandes filmes e momento épicos como o discurso do diretor Spike Lee, que pregou “o amor vence o ódio”. Foi maravilhoso também ver o filme Pantera Negra ganhando prêmios importantes.

A performance da música Shallow, do filme “Nasce uma estrela”, com Lady Gaga e Bradley Cooper foi um dos momentos mais bonitos de se ver.

Justiça seja feita, a Netflix foi a grande vencedora da noite, que acreditou na história de infância do cineasta mexicano Alfonso Cuarón. Roma (nome do bairro onde Cuarón viveu) é um filme falado em espanhol e feito em preto e branco. Nenhuma grande indústria cinematográfica quis bancar o filme. Roma ganhou três Oscar, inclusive de Melhor Diretor para Alfonso que foi recebido no palco pelo grande amigo, o cineasta Guilhermo Del Toro.

Confira abaixo, por ordem de premiação, os vencedores do Oscar 2019:

1- Atriz Coadjuvante = Regina King (Se a rua Beale falasse).

2- Melhor Documentário (longa-metragem) = Free Solo

3- Melhor Maquiagem/Penteado = Vice

4- Melhor Figurino = Pantera Negra

5- Direção de Arte = Pantera Negra

6- Direção de Fotografia = Roma

7- Melhor Edição de Som = Bohemian Rhapsody

8- Melhor Som/Mixagem =  Bohemian Rhapsody

9- Melhor Filme Estrangeiro = Roma

10 – Melhor Edição = Bohemian Rhapsody

11- Ator Coadjuvante = Mahershala Ali (Green Book)

12- Animação (longa-metragem) = Aranhaverso

13 – Animação (curta-metragem) = Bao

14 – Melhor Documentário (curta-metragem) = Absorvendo o tabu

15 – Efeitos visuais = Primeiro Homem

16 – Filme Curta-metragem = Skin

17 – Melhor Roteiro = Green Book

18 – Melhor Roteiro Adaptado = Spike Lee

19 – Trilha Sonora Original = Pantera Negra

20 – Melhor Canção Original = Lady Gaga (Nasce uma Estrela)

21 – Melhor Ator = Rami Malek (Bohemian Rhapsody)

22 – Melhor Atriz = Olivia Colman (A Favorita)

23- Melhor Diretor = Alfonso Cuarón (Roma)

24- Melhor Filme = Green Book

Memória Afetiva

Babi_Oscar
Eu, Bárbara Fontes, na casa de Arne Sucksdorff, em Estocolmo/Suécia (2000). Acervo Pessoal

No ano 2000, eu tive a honra de segurar um Oscar! Foi emocionante olhar aquele cara sem expressão mas que tocou o meu coração. É uma estatueta linda, grande e pesada – feita de cobre e banhado a ouro. Atualmente é mais leve e menor.

A estatueta do Oscar que eu segurei pertenceu ao cineasta sueco Arne Sucksdorff. Ele ganhou de Melhor Filme Estrangeiro (com o belíssimo Ritmos de uma Cidade), no final da década de 1040. Arne foi o meu mestre que ensinou sobre a Fotografia e o Cinema. Em 2014, eu lancei mundialmente, o filme documentário “Arne Sucksdorff: Uma Vida Documentando a Vida”.

Oscar 2019

Nesta terça, 22, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood anunciou os indicados ao Oscar 2019, com duas novidades que podem mudar de uma vez por todas a forma rígida de julgamento realizado pela entidade: as indicações de Pantera Negra, um blockbuster dos quadrinhos da Marvel (produzido pela Disney), e Roma, feito em preto e branco, e em espanhol, dirigido pelo magistral cineasta mexicano Alfonso Cuarón, e produzida pelo canal de streaming, Netflix.

 

Ou a Academia entra finalmente para o século XXI, ou corre o sério risco de perder os refletores para outros festivais de cinema que já entenderam que o público não é mais aquele que vivia só nos cinemas. A glamorosa festa acontece no dia 24 de fevereiro, ao vivo do Dolby Theatre, no Hollywood & Highland Center. Ainda não está definido se haverá um mestre de cerimônias, ou se pela primeira vez em sua história não terá apresentador (a).

 

Festa ultrapassada?

oscars_90th_stage
Cerimônia do Oscar ( 90ª edição), em 2018.

“Deixe que digam, que pensem e que falem…”, o Oscar sempre será um evento que mexe com a opinião pública mundial – e nem precisa ser um cinéfilo para acompanhar. Há três momentos importantes que envolvem a curiosidade de milhões de pessoas sobre o evento que comemora este ano, 91 edições: a divulgação dos candidatos que ainda passarão pela seleção (sempre no final de ano); o anúncio dos indicados ao prêmio máximo do cinema mundial (em janeiro), e a grande cerimônia transmitida ao vivo para centenas de países (ocorre entre os mês de fevereiro ou março).

 

osc-banner_voting
apuração dos votos dos membros da Academia /Divulgação

 

 

 

 

 

Os indicados e os vencedores passaram pelo crivo do júri (cerca de nove mil membros que precisam atender as regras de votação) da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. A votação é cercada de mistérios, e os envelopes com os vencedores são lacrados e ficam dentro de uma maleta com senha. A revelação acontece no dia da cerimônia, antes disso, pouquíssimas pessoas têm acesso aos resultados e tudo é mantido no mais rigoroso sigilo.

 

 

Confira abaixo as principais categorias e os indicados*:

 

Melhor Filme (prêmio dado aos produtores executivos)

BLACK PANTHER (Pantera Negra)

Kevin Feige, Produtor

 

BLACKKKLANSMAN (Infiltrado na Klan)

Sean McKittrick, Jason Blum, Raymond Mansfield, Jordan Peele, e Spike Lee, Produtores

 

BOHEMIAN RHAPSODY

Graham King, Produtor

 

THE FAVOURITE (A Favorita)

Ceci Dempsey, Ed Guiney, Lee Magiday, e Yorgos Lanthimos, Produtores

 

GREEN BOOK – O guia

Jim Burke, Charles B. Wessler, Brian Currie, Peter Farrelly, e Nick Vallelonga, Produtores

 

ROMA

Gabriela Rodríguez e Alfonso Cuarón, Produtores

 

A STAR IS BORN (Nasce uma Estrela)

Bill Gerber, Bradley Cooper, e Lynette Howell Taylor, Produtores

 

VICE

Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Adam McKay, e Kevin Messick, Produtores

 

 

Melhor Filme Estrangeiro

CAPERNAUM

Líbano

 

COLD WAR

Polônia

 

NEVER LOOK AWAY

Alemanha

 

ROMA

México

 

SHOPLIFTERS

Japão

 

 

Melhor Diretor

BLACKKKLANSMAN (Infiltrado na Klan))

Spike Lee

 

COLD WAR (Guerra Fria)

Paweł Pawlikowski

 

THE FAVOURITE (A Favorita)

Yorgos Lanthimos

ROMA

Alfonso Cuarón

VICE

Adam McKay

 

 

Melhor ator

CHRISTIAN BALE

Vice

 

BRADLEY COOPER

Nasce uma Estrela

 

WILLEM DAFOE

No portal da Eternidade

RAMI MALEK

Bohemian Rhapsody

VIGGO MORTENSEN

Green Book – O Guia

 

 

Melhor atriz

YALITZA APARICIO

Roma

 

GLENN CLOSE

A Esposa

 

OLIVIA COLMAN

A Favorita

 

LADY GAGA

Nasce uma Estrela

 

MELISSA MCCARTHY

Poderia me perdoar?

 

 

Melhor Animação

INCREDIBLES 2 (Os Incríveis 2)

Brad Bird, John Walker e Nicole Paradis Grindle

 

ISLE OF DOGS (Ilha dos cães)

Wes Anderson, Scott Rudin, Steven Rales e Jeremy Dawson

 

MIRAI

Mamoru Hosoda e Yuichiro Saito

 

RALPH BREAKS THE INTERNET (Wi-fi Ralph: Quebrando a Internet)

Rich Moore, Phil Johnston e Clark Spencer

 

SPIDER-MAN: INTO THE SPIDER-VERSE (Homem-Aranha no Aranhaverso)

Bob Persichetti, Peter Ramsey, Rodney Rothman, Phil Lord, e Christopher Miller

 

 

Melhor Roteiro (original)

THE FAVOURITE

Roteiristas: Deborah Davis e Tony McNamara

 

FIRST REFORMED

Roteirista: Paul Schrader

GREEN BOOK

Roteiristas: Nick Vallelonga, Brian Currie, Peter Farrelly

ROMA

Roteirista: Alfonso Cuarón

VICE

Roteirista: Adam McKay

 

 

Roteiro Adaptado

(o prêmio vai para o roteirista ou escritor)

THE BALLAD OF BUSTER SCRUGGS (A Balada de Buster Scruggs)

Joel Coen & Ethan Coen

 

BLACKKKLANSMAN

Charlie Wachtel & David Rabinowitz, e Kevin Willmott & Spike Lee

 

CAN YOU EVER FORGIVE ME? (Poderia me perdoar?)

Nicole Holofcener e Jeff Whitty

 

IF BEALE STREET COULD TALK (Se a rua Beale falasse)

Barry Jenkins

 

A STAR IS BORN (Nasce uma Estrela)

Eric Roth e Bradley Cooper & Will Fetters

 

 

Melhor Documentário Longa-metragem

(cada país que exibiu os filmes adotou uma tradução para os títulos. O Blog irá manter o nome original).

FREE SOLO

Elizabeth Chai Vasarhelyi, Jimmy Chin, Evan Hayes, e Shannon Dill

 

HALE COUNTY THIS MORNING, THIS EVENING

RaMell Ross, Joslyn Barnes e Su Kim

 

MINDING THE GAP

Bing Liu e Diane Quon

 

OF FATHERS AND SONS

Talal Derki, Ansgar Frerich, Eva Kemme, e Tobias N. Siebert

RBG

Betsy West and Julie Cohen

 

 

*Fonte: as informações desta matéria foram obtidas no site oficial do Oscar (língua inglesa).

Lista completa (em inglês) aqui.

Bienal Curitiba/25

O maior evento de arte contemporânea da América Latina completa 25 anos.

Segue até o dia 10 de março, no Museu Oscar Niemeyer (MON), uma edição comemorativa (ocorre em um período entre bienais) da Bienal de Curitiba que traz um recorte dos 25 anos de história. O evento é uma importante referência na arte contemporânea no circuito mundial, e está com uma programação especial com espaços, mostras de exposições e exibições multimídias nacionais e internacionais. A primeira edição ocorreu em 1993.

 

Convidados renomados

A Bienal de Curitiba recebe obras de artistas renomados como o fotógrafo paulista Leonardo Kossoy e o artista Christus Nóbrega.  Em 2015, Christus passou dois meses na China, por meio do Programa de Residência Artística do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, na universidade chinesa Central Academy of Fine Arts (CAFA). A cineasta paraguaia Paz Encina também participa da Bienal com a exibição de seu filme Hamaca Paraguaia, que recebeu o aclamado (e desejado) “Prêmio da Crítica” do Festival de Cannes, em 2006. Um dos maiores nomes da arquitetura latino-americana, o paraguaio Solano Benítez, participa da Mostra “Aura Latente – Arte Contemporânea no Paraguai”, com a curadoria de Tício Escobar. Em 2016, Benítez recebeu um Leão de Ouro na 15º Mostra Internacional de Arquitetura: Bienal de Veneza, onde expôs (em parceria com os sócios Gloria Cabral e Solanito Benítez) um arco em tijolos (sua marca) na entrada do pavilhão.

 

Programação

Exposição “Leonardo Kossoy”: são expostas as fotografias dos projetos “Waterscapes” (2007); “Only You” (2014); e as séries inéditas “Inventário do Mundo”, e “Caindo no Inferno da Imagem”.

Exposição “Acordos Tácitos”: apresenta artistas renomados que já passaram por edições anteriores. As obras estão em diferentes espaços do MON. A exposição tem a curadoria de Tício Escobar e Brugnera.

Exposição “Dragão Floresta Abundante – A aventura de Christus Nóbrega na China”: é uma mostra multimídia que traz o olhar do artista brasileiro sobre a cultura chinesa. A curadoria é da historiadora da arte Renata Azambuja. Também, Christus convida o público para produzir pipas na instalação Fábrica de Pipas (até vestem uniformes como se fossem operários de uma fábrica de pipas chinesa).

 

christus_obrapasseiocontrolado_divulgação
As pipas chinesas de Christus Nóbrega

“Rayuelarte”: é uma obra da escritora argentina Patrícia Pellegrini, que se inspirou na obra de Marta Minuín. A obra convida o público para que “jogue amarelinha” em espaços públicos. Na Bienal foi lançado do livro “História para crianças”, de Pellegrini.

 

 

Programação ‘off MON’

A Bienal de Curitiba/25 anos, tem uma programação variada e que ocupa todos os espaços (interno/externo) do MON, e também acontece em outros espaços da capital paranaense: Museu Paranaense; Biblioteca Pública do Paraná; Secretaria de Estado de Cultura; Espaço Cultural do Consulado do Paraguai; Museu Municipal de Arte; Associação Profissional de Artistas Plásticos do Paraná (APAP/PR).

Programação em Santa Catarina: a Bienal de Curitiba fez uma parceria com o Museu de Arte de Joinville, com a exposição “No espaço da memória”, da artista Guita Soifer. São obras de gravura, pintura, escultura, livros, instalações e objetos, disponíveis para visitação até 31 de março de 2019, no Museu de Arte de Joinville.

Programação nos países do Mercosul

A edição de 25 anos da Bienal de Curitiba rompeu fronteiras e está com mostras na Argentina e no Paraguai. No país argentino, o MuseoCaraffa em Córdoba, recebeu as com obras de André Nacli; e no Espaço Cultural da Embaixada do Brasil há obras de Guita Soifer e Lucinda Simas Magalhães. Em Assunção, capital do Paraguai, a Fundación Texo, o Museo del Barro e o Museo Nacional de Bellas Artes recebem a exposição de Paz Encina.

 

filme_hamacaparaguaia_pazencina_bienalcuritiba
Cena do filme Hamaca Paraguaia, de Paz Encina.

 

Acesse a programação completa da Bienal de Curitiba/25 anos, no final desta matéria.

 

 

Bienal de Curitiba

A cada dois anos, a Bienal de Curitiba traz para o Brasil, espaços e mostras com exposições renomadas e com a presença de vários artistas brasileiros e estrangeiros. Para este ano o tema escolhido pela curadoria é “Fronteiras em Aberto”. A abertura ocorre em setembro.

 

 

Catálogos em um clique

Os catálogos das edições da Bienal de Curitiba – ao longo de 25 anos de existência estão disponíveis gratuitamente online por meio da plataforma ISSUU. Também é possível acessar os materiais do Festival Internacional de Cinema da Bienal de Curitiba (FICBIC) e da Curitiba Literária. Esses eventos acontecem na Bienal como programações paralelas.

 

 

O MON

Eu sei que há museus importantes ao redor do mundo, porém, é inegável que o nosso país possui museus que unem a beleza e história arquitetônica com as riquezas de seus acervos (e também as Mostras, Bienais etc). Eu gosto tanto de museus que fica difícil escolher o preferido – até seria injusto!

Um dos meus preferidos é o MON – Museu Oscar Niemeyer – o qual tive o prazer de ir e passar horas e horas e só fui embora no fechamento. É neste prédio contemporâneo, em forma de olho, projetado pelo icônico arquiteto Oscar Niemeyer, que acontece até o dia 10 de março, a edição especial da Bienal de Curitiba – 25 anos, e também vai abrigar a Bienal de Curitiba 2019, que abre em setembro.

 

babi_exposiçãofridakhalo_curitiba2014

 

Em 2014, eu estive no MON para ver a exposição “Frida Khalo – as suas fotografias”. Foi uma experiência que mexeu muito comigo. Era possível sentir o quanto Frida se entregava em todos os aspectos de sua vida, e como ela também se entregou à uma dor profunda. Há uma melancolia em suas fotos – mesmo nos momentos alegres.

 

 

Serviço

Bienal de Curitiba 2018 | 25 Anos

Período: até 10 de março

Local: Museu Oscar Niemeyer – Rua Marechal Hermes, 999, Centro Cívico, Curitiba.

Horário de Funcionamento: Terça à domingo, das 10h às 18h

Ingressos: R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (meia-entrada para professores e estudantes com identificação; doadores de sangue; pessoas com deficiência; titulares da ID Jovem; portadores de câncer com documento comprovatório).

Realização: Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura Municipal de Curitiba, Museu Oscar Niemeyer, Secretaria de Estado da Cultura do Governo do Paraná, Ministério da Cultura do Governo Federal.

Apoio: URBS.

Patrocínio: Copel, Sanepar, PG Mais, Itaipu Binacional, Furnas, Rumo, Arterial, Sunew, Centro Cultural Banco do Brasil. Construtora da Bienal: Cima Engenharia.

*Esta matéria foi produzida com informações da Assessoria de Comunicação da Bienal de Curitiba/25anos.

 

Saiba mais:

Site da Bienal de Curitiba (edição comemorativa) aqui.

Acesso aos catálogos da Bienal – Plataforma ISSUU aqui.

Luto no Cinema

Missa de sétimo dia.

 

Nesta quinta-feira (10/01), acontece a missa de sétimo dia do cineasta e escritor mato-grossense Anthónio Alvez, na Catedral Metropolitana de Cuiabá, às 18h30.

 

***********

O cineasta mato-grossense, Anthónio Alvez, morre em São Paulo.

Eu estava encerrando o expediente do Blog, quando meu amigo Enio Oliveira me avisou da triste notícia do falecimento do querido talentoso cineasta e escritor Anthónio Alvez, nascido em Guiratinga (MT). Ele vivia em São Paulo e se destacava no Cinema Brasileiro. Ele estava internado num hospital paulistano desde o dia 27 de dezembro. Anthónio tinha 34 anos e faleceu ontem, 04/01, devido a uma infecção cerebral (provocada por fungos de pombos).

 

anthônio alvez2
Anthônio Alvez (de cachecol) trabalhando no longa ‘Às Escuras’ – O Filme/Acervo Pessoal

 

anthônio alvez3
Além de cineasta talentoso, também era escritor! (Divulgação)

 

Ênio está em Guiratinga com o ator Ataíde Arcoverde (também é de Guiratinga, era amigo e sócio de Anthónio) aguardando a chegada do carro funeral que se encontra em Cuiabá. Ano passado, Antonio e Arcoverde estiveram em Cuiabá, no Sesc Arsenal, lançando “Primeiros Passos”.

 

 

 

Sobre a amizade com o ator Ataíde Arcoverde, Anthónio Alvez escreveu numa rede social: “Porque estamos JUNTOS sempre. E hoje é glorioso estar contigo”

 

Eu sempre vi Ataíde Arcoverde feliz (como ele sempre diz “sou um arauto da felicidade”), e me doeu o coração ver o seu vídeo comunicando o falecimento do grande amigo. Apesar da profunda tristeza, o ator conversou com Blog (direto de Guiratinga):

 

Bárbara, bom dia. Anthónio Alvez é filho de Guiratinga e fez escola de Cinema em São Paulo, e tinha lançado (em SP) um vídeo sobre o hospital Santa Maria Bertila, em Guiratinga. Ele fez um curta-metragem “Primeiros Passos”, que apresentou, inclusive, em Cuiabá, no Sesc. Ele estava com três curtas-metragens a serem lançados, um já está realizado. É um perda irreparável! E acabou de lançar um livro também, “Segredos da Primavera”. É uma tristeza, uma perda muito grande para Guiratinga, para Mato Grosso, para o Brasil. Era o novo talento que estava despontando como Diretor. A gente está aqui em Guiratinga inconsolável com esta perda. Lastimável.”

 

Em tempo: O velório do cineasta Anthónio Alvez iniciou às 21h, na igreja católica São Sebastião, onde o cineasta foi coroinha. Uma missa ocorre pela manhã.

Jingle Bell Rock

Conheça a história da música natalina mais famosa do mundo!

 

“Jingle bell, jingle bell, jingle bell rock

Jingle bells swing and jingle bells ring

Snowing and blowing up bushels of fun

Now the jingle hop has begun”

 

Não precisa saber inglês para sentir que Jingle Bell Rock é uma linda canção que nos faz sentir o espírito natalino – em qualquer época do ano.

A música é tão a cara do Natal que é compreensível que esteja nas trilhas sonoras de muitos filmes – principalmente aqueles que têm como cenário Nova York.

A música foi composta pela dupla Joe Carleton Beal (falecido em 1967) e James Rosse Boothe (conhecido como Jim Boothe, falecido em 1976), na primeira metade da década de 1950.

 

Um canção bem ‘cantada’

BobbyHelms_disco
Reprodução

 

Com mais de 40 versões produzidas, sendo a primeira e mais famosa é a do cantor Bobby Helms, gravada em 1957 – bateu recordes de vendas e de pedidos nos  programas de rádios líderes de audiência mundo afora.

 

 

 

 

Até o roqueiro Billy Idol cantou a canção em 2006. A mais atual é a da cantora Lindsey Stirling, de 2017. No Brasil, a canção ganhou uma versão em português na voz da cantora Celly Campello.

 

Minhas versões preferidas!

Eu gosto tanto desta canção, que já devo ter ouvido quase todas as versões existentes! As  minhas preferidas são a de Bobby Helms, e da Brenda Lee (lançada em 1964, e relançada em 1966). Delícia é ouvir também as versões da Laura Pausini e a do elenco da série Glee!

 

Confira abaixo algumas versões da música:

1966 – Wayne Newton

1983 – Hall & Oates

1992 – Randy Travis

2002 – Hilary Duff

2004 – Aly & Aj

2005 – Girls Aloud

2010 – Jake Zyrus

2012 – Blake Shelton

2013 – Laura Marano

 

Uma canção feita para o Cinema

jinglebellrock_MeninasMalvadas
Cena de “Jingle Bell Rock” – Meninas Malvadas. Reprodução

 

 

 

 

 

 

Jingle Bell Rock ganhou novos fãs em 2004, ao ganhar uma homenagem na cena icônica do filme Meninas Malvadas (Mean Girls), quando a terrível Regina George ao lado de suas “comandadas”, vestidas de mamãe Noel se apresentam num evento natalino da escola. A versão escolhida foi a de Brenda Lee. Até hoje, essa cena é lembrada por fãs do filme em todo mundo!

 

E por falar em Cinema, a música também fez parte da trilha sonora dos filmes Esqueceram de Mim, Meu Presente de Natal 2, Máquina Mortífera (com Mel Gibson). Muitas séries de TV também fazem referência nos episódios natalinos, como aconteceu em Glee.