Cinema

Cineasta participa da “Sessão Realizadores de Mato Grosso”, no Cine Teatro Cuiabá

 

Os fãs de “Cinema Documentário” têm a oportunidade de assistir no Cine Teatro Cuiabá, no dia 21 de maio, às 19h30, duas obras cinematográficas da cineasta premiada e jornalista Bárbara Fontes: o curta “Sayonara” e o longa “Vila Bela: Terra de Colores”. Após as exibições, a cineasta que iniciou na carreira em 1994, vai conversar com o público.  As exibições fazem parte da programação do evento “Sessão Realizadores de Mato Grosso”, do Cine Clube Coxiponés, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

 

“Sayonara”:

Sayonara_doc
Bastidores do documentário “Sayonara”. Acervo Pessoal de Bárbara Fontes

Fruto do curso Cinema Documentário: da teoria à prática, ministrado por Bárbara Fontes em parceria com a UFMT, por meio da Escola de Artes, do Cine Clube Coxiponés e da TV Universidade. A obra cinematográfica resgata as memórias da lendária casa de shows ‘Sayonara’, em Cuiabá. A direção geral é de Bárbara Fontes com a participação dos alunos do curso. O documentário participou de Festivais, Mostras de Cinemas e de Sessões Especiais no Brasil e no exterior.

 

 

“Vila Bela: Terra de Colores”:

Babi_VilaBela
Bárbara Fonte filma em Vila Bela da Santíssima Trindade (MT).

Premiado pelo programa nacional de fomento ao Cinema Documentário, o DOCTV (2º Edição), e tornou Bárbara Fontes, a primeira cineasta mulher de Mato Grosso a vencer o concurso. O documentário conta quatro histórias que se entrelaçam sobre a primeira capital de Mato Grosso, Vila Bela da Santíssima Trindade – da sua idealização em Portugal até os dias atuais. A obra cinematográfica é resultado de anos de pesquisa histórica realizada em Mato Grosso, no Rio de Janeiro e acervos em Portugal.

 

 

Bárbara Fontes:

Babi_arne_doc
Bárbara Fontes nas filmagens com o cineasta Arne Sucksdorff, em Estocolmo/Suécia (2001).

 

Bárbara Fontes é jornalista, cineasta documentarista, roteirista, produtora, fotógrafa e poetisa. Em 25 anos de carreira, trabalhou em mais de 60 obras audiovisuais, seja como diretora, roteirista, produtora, co-produtora ou como consultora. Entre as principais estão “Arne Sucksdorff: uma vida documentando a vida”; “Canção Mato-Grossense (Hino de Mato Grosso)”. Em 2017, dirigiu o vídeo-poema “A Mangueira”, que fez parte da exposição de arte “Natureza: Substantivo Feminino”. Atualmente trabalha na pré-produção (Pesquisa e elaboração do Roteiro Cinematográfico) do documentário “Pantaneiras” (as pesquisas se iniciaram em 1999) e na pesquisa histórica sobre as origens indígenas da sua bisavó, que pertenceu à etnia Puri, do Rio de Janeiro. Bárbara Fontes é editora do blogdabarbarafontes.com.

 

Babi_Nambikwara
Bárbara filma com os Nambiquaras (MT), em 2006.

 

Serviço

Babi_CineTeatroCuiaba_cinema_Capa

Sessão Realizadores de Mato Grosso: Bárbara Fontes

Filmes exibidos:

Sayonara (Bárbara Fontes, 2008, 20’)

Vila Bela: terra de colores (Bárbara Fontes, 2005, 55’)

Dia: 21 de maio (terça-feira)

Horário: 19h30

Duração do evento: 01h30

Local: Cine Teatro Cuiabá

Ingressos: Será cobrada uma taxa de manutenção do Cine Teatro Cuiabá.

R$ 4,00

R$ 2,00

 

 

Saiba mais:

Programação completa do mês de maio, do Cine Teatro Cuiabá aqui.

Anúncios

Audiovisual

Inscrições abertas até 3 de junho para a 18° Mostra de Audiovisual Universitário e Independente da Latino Americana do Cineclube Coxiponés da UFMT.

 

A MAUAL já faz parte do calendário das importantes Mostras Audiovisuais do país. O evento incentiva, exibe produções independentes latino-americanas de curtas durações e promove diálogos salutares entre os realizadores convidados e o público que cresce a cada edição.

 

Mostra Competitiva

Há duas categorias para a Mostra Competitiva da MAUAL 2019:

1º – realizadores universitários (estudantes, professores e técnicos administrativos);

2º – realizadores  independentes (autônomos ou ligados a produtoras independentes)

 

Desde que tenham lançado curtas audiovisuais entre os anos de 2018 e 2019, e que não tenham sido inscritos ou exibidos em edições anteriores da MAUAL.

Podem concorrer na Mostra Competitiva curtas de até 26 minutos de duração nas seguintes modalidades:

*Universitária (categorias Documentário, Ficção e Experimental)

*Independente (categorias Documentário, Ficção e Experimental)

IMPORTANTE:

Cada realizador poderá se inscrever em uma única modalidade (Universitária ou Independente) e participar do processo de seleção da MAUAL com até dois curtas.

 

18º MAUAL

As exibições da MAUAL deste ano acontecem no Teatro da UFMT, entre os dias 30 de setembro e 04 de outubro. A 18º edição conta com uma novidade: nas categorias de votação pelo Júri Popular está a de Melhor Curta Curtíssimo (de até 5 minutos de duração), e o Melhor Curta Estrangeiro. O voto popular continua a eleger o melhor curta nas três categorias das modalidades Universitária e Independente.

 

Inscrições

De 25 de abril a 03 de junho de 2019.

Uma comissão de seleção avaliará os curtas inscritos a partir de critérios relacionados à adequação às normas do edital, à originalidade e criatividade das produções.

 

Divulgação

Os selecionados para a Mostra Competitiva serão divulgados a partir de 29 de agosto.

 

Realização

Cineclube Coxiponés da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) por meio da Pró-Reitoria de Cultura, Extensão e Vivência da UFMT.

Parceiros: a 18ª MAUAL conta com a parceria dos cursos de Radialismo e de Cinema & Audiovisual da UFMT, do Projeto ComunicArte UFMT, da Associação Mato-grossense de Audiovisual (MTCINE) e da Rede Cineclubista de Mato Grosso (REC-MT). As atividades relacionadas à MAUAL integram a Temporada Cultural e Artística UFMT 2019 e a Agenda Itinerante da PROCEV/UFMT.

 

Memória afetiva

Eu tive a oportunidade de participar de muitas edições da Mostra Audiovisual do Cineclube Coxiponés, seja como voluntária na organização, como concorrente, como juri ou como público. Foram experiências gratificantes. Eu perdi a conta de quantos trabalhos audiovisuais foram exibidos (são 25 anos de carreira e muitos trabalhos em parcerias!), mas seguem alguns links de trabalhos meus (a obra cinematográfica ‘Canção Mato-grossense foi premiada) que já participaram em edições passadas:

*Arne Sucksdorff: Uma Vida Documentando a Vida (2004), acesse aqui.

*Canção Mato-grossense (2007), acesse aqui.

*Sayonara (2008), acesse aqui.

 

Saiba mais:

Edital 18º MAUAL aqui.

*Esta matéria tem informações da Assessoria de Comunicação da UFMT.

Cinema II

Inscrições para a 26º edição do Festival de Cinema de Vitória seguem até o dia 20 de maio

Os filmes selecionados serão exibidos entre os dias 24 a 29 de setembro, no Centro Cultural Sesc Glória, no Cineclube Metrópolis e no Hotel Senac Ilha do Boi. Segundo a organização do evento, “o público assiste a uma vasta seleção de obras de diversos formatos e gêneros, que formam um panorama das mais representativas obras em longa e curta-metragem do cinema nacional contemporâneo. A estimativa de público é de 30 mil pessoas ao longo dos seis dias de evento. Debates entre pesquisadores de cinema, realizadores e público também fazem parte das atividades, além de lançamentos de DVDs, livros e outras publicações”.

Está prevista 11 mostras competitivas:

*23ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas;

*9ª Mostra Competitiva de Longas;

*8ª Mostra Foco Capixaba;

*8ª Mostra Corsária;

*9ª Mostra Quatro Estações;

*20º Festivalzinho de Cinema de Vitória – Sessão ArcelorMittal;

*6ª Mostra Outros Olhares;

*4ª Mostra Mulheres no Cinema;

*4ª Mostra Cinema e Negritude;

*3ª Mostra Nacional de Videoclipes

*2ª Mostra Nacional de Cinema Ambiental.

4º Mostra Mulheres no Cinema

FestivalCinemaVitória_Mulheres.png

Em sua 4º edição, a Mostra Mulheres no Cinema exibirá produções que abordem questões de gênero, empoderamento e igualdade de direitos. Também é uma importante oportunidade para o debate a respeito da atuação da mulher no mercado audiovisual. Segundo a organização, a comissão de seleção da mostra é composta por três mulheres realizadoras e formadoras de opinião no cinema capixaba, Sáskia Sá, Bárbara Casé e Hegli Lotério. A Mostra acontece no dia 28 de Setembro (sábado), no Centro Cultural Sesc Glória.

Nas últimas três edições, o Festival de Cinema de Vitória recebeu 572 inscrições. Foram selecionados 117 filmes e 29 foram premiados. Com o passar dos anos, as mulheres têm conquistados mais espaços no setor, porém, ainda é um universo dominado pelos homens, principalmente nas funções de direção de cena, direção de fotografia e roteiro cinematográfico.

Festival de Cinema de Vitória

O evento tem o patrocínio do Ministério da Cidadania, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, da ArcelorMittal, do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, do Fundo Setorial do Audiovisual – FSA e da Ancine. Apoio da Rede Gazeta e da Prefeitura Municipal de Vitória. A realização é da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA). As inscrições estão abertas até 20 de maio de 2019.

Saiba mais:

Regulamento do Festival aqui.

Inscrições aqui.

Site oficial aqui.

Sesc na Estrada

Já começou o primeiro circuito do Sesc na Estrada!

 

Matéria publicada em 12/03:

Entre os meses de março a abril, 27 municípios do interior de Mato Grosso receberão orientações de saúde, oficinas de Cultura e Arte, Atividades Recreativas e Esportivas, Apresentações Artísticas e Exibições de Filmes. No total serão 300 atrações e a estimatva é atingir um público de cerca de 30 mil pessoas.

 

É uma ótima iniciativa do Sesc Mato Grosso e parceiros para levar uma programação diversificada para a população que vive distante de Cuiabá ou das unidades do Sesc.

 

Cidades contempladas 

Confira as datas em que o Sesc na Estrada estará nos municípios (por ordem alfabética):

  • Alta Floresta – 16 de abril

  • Alto Garças – 10 de abril

  • Barão de Melgaço – 13 de abril

  • Campo Verde – 07 de abril

  • Chapada dos Guimarães – 08 de abril

  • Colíder – 19 de abril

  • Diamantino – 15 de março

  • Distrito da Guia – 12 de março

  • Guarantã do Norte – 22 de abril

  • Jaciara – 27 de março

  • Juscimeira – 26 de março

  • Lucas do Rio Verde – 27 de março

  • Matupá – 21 de abril

  • Nobres – 14 de março

  • Nortelândia – 16 de março

  • Nossa Senhora do Livramento – 11 de abril

  • Nova Canaã do Norte – 18 de abril

  • Nova Mutum – 26 de março

  • Paranaíta – 17 de abril

  • Pedra Preta – 09 de abril

  • Peixoto de Azevedo – 20 de abril

  • Poxoréu – 19 de março

  • Primavera do Leste – 20 de março

  • Rosário Oeste – 13 de março

  • Santo Antônio do Leverger – 12 de abril

  • Sinop – 29 de março

  • Sorriso – 28 de março

 

Programação de MARÇO:

53528451_2061330770582785_8021856555001446400_o.jpg

 

Saiba mais:

Acesse a programação completa em cada cidade que receberá o Sesc na Estrada aqui.

Olhar de Cinema

Segue até o dia 8 de março, as inscrições para o Festival Internacional de Cinema de Curitiba.

 

Que o ano de 2019 traga bons ventos para realizadores de todo o Brasil por meio de editais e programas de fomento e capacitação, e também muitos festivais de cinema. Afinal, de que adianta produzir e não ter como exibir os filmes para a população que também precisa de entretenimento e não apenas viver para trabalhar e pagar impostos.

 

O Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba – é uma importante vitrine para o cinema nacional. Desde 2012, quando estreou a sua primeira edição, o evento já levou mais de 100 mil pessoas para as salas de cinema, e exibiu mais de 500 filmes nacionais e estrangeiros. O festival acontece entre os dias 5 à 13 de junho, em Curitiba, capital do Paraná.

 

Segundo a organização, o festival

tem como objetivo destacar e celebrar o cinema independente realizado em todo mundo por meio da seleção oficial de filmes com propostas estéticas inventivas, envolventes e com comprometimento temático, que abrange desde a abordagem de inquietações contemporâneas acerca do micro universo cotidiano de relacionamentos, até interpretações e posicionamentos sobre política e economia mundial. Filmes que se arriscam em novas formas de linguagem cinematográfica, que estão abertos ao experimentalismo e que, não obstante, possuem um grande potencial de comunicação com o público. Em meio a esses quesitos, é possível compor uma programação de grande diversidade temática e estética, que não rejeita gêneros, formatos e durações. Universo composto por aproximadamente 120 filmes anuais, o Olhar de Cinema sempre procura valorizar o cinema brasileiro e também paranaense, ao garimpar o que há de mais precioso e urgente nessas cinematografias, garantindo cuidado especial ao programar tais obras.

 

50442344_2480122702001859_6872200608519028736_n

Os filmes exibidos são divididos nas seguintes Mostras:

*Olhar Retrospectivo

*Olhares Clássicos

*Foco

*Exibições Especiais

*Competitiva

*Novos Olhares

*Outros Olhares

*Mirada Paranaense

*Pequenos Olhares

 

Além dos filmes, o festival internacional também promove:

*Seminário de Cinema de Curitiba

*Curitiba_Lab

*Oficinas de capacitação

 

As inscrições estão abertas até o dia 8 de março.

Mais informações aqui.

Site do Olhar de Cinema aqui.

E o Oscar foi para…

Matéria publicada em 25/02/19

Confira os vencedores da maior festa do cinema mundial que também lembrou do cineasta brasileiro Nelson Pereira dos Santos.

O Blog da Bárbara Fontes acompanhou pelo canal por assinatura, TNT, a noite glamourosa do Oscar que ocorreu neste domingo, 24. Uma coisa é fato: precisa gostar muito de cinema ou fazer parte deste universo para aguentar as três horas de premiação (mas valeu a pena!), que neste ano não teve um apresentador fixo – o que deixou o evento mais leve e descontraído.

Um momento especial para nós brasileiros foi durante o “In Memorian”, que lembrou o cineasta brasileiro Nelson Pereira dos Santos, um dos mais geniais do mundo. Em 2014, Eduardo Coutinho, cineasta brasileiro falecido em fevereiro do mesmo ano, também foi homenageado. Nelson e Eduardo foram meus professores de Cinema, em momentos e lugares distintos, e eu tenho imensa gratidão pela generosidade deles em compartilhar saberes e conselhos.

O Oscar deste ano teve grandes filmes e momento épicos como o discurso do diretor Spike Lee, que pregou “o amor vence o ódio”. Foi maravilhoso também ver o filme Pantera Negra ganhando prêmios importantes.

A performance da música Shallow, do filme “Nasce uma estrela”, com Lady Gaga e Bradley Cooper foi um dos momentos mais bonitos de se ver.

Justiça seja feita, a Netflix foi a grande vencedora da noite, que acreditou na história de infância do cineasta mexicano Alfonso Cuarón. Roma (nome do bairro onde Cuarón viveu) é um filme falado em espanhol e feito em preto e branco. Nenhuma grande indústria cinematográfica quis bancar o filme. Roma ganhou três Oscar, inclusive de Melhor Diretor para Alfonso que foi recebido no palco pelo grande amigo, o cineasta Guilhermo Del Toro.

Confira abaixo, por ordem de premiação, os vencedores do Oscar 2019:

1- Atriz Coadjuvante = Regina King (Se a rua Beale falasse).

2- Melhor Documentário (longa-metragem) = Free Solo

3- Melhor Maquiagem/Penteado = Vice

4- Melhor Figurino = Pantera Negra

5- Direção de Arte = Pantera Negra

6- Direção de Fotografia = Roma

7- Melhor Edição de Som = Bohemian Rhapsody

8- Melhor Som/Mixagem =  Bohemian Rhapsody

9- Melhor Filme Estrangeiro = Roma

10 – Melhor Edição = Bohemian Rhapsody

11- Ator Coadjuvante = Mahershala Ali (Green Book)

12- Animação (longa-metragem) = Aranhaverso

13 – Animação (curta-metragem) = Bao

14 – Melhor Documentário (curta-metragem) = Absorvendo o tabu

15 – Efeitos visuais = Primeiro Homem

16 – Filme Curta-metragem = Skin

17 – Melhor Roteiro = Green Book

18 – Melhor Roteiro Adaptado = Spike Lee

19 – Trilha Sonora Original = Pantera Negra

20 – Melhor Canção Original = Lady Gaga (Nasce uma Estrela)

21 – Melhor Ator = Rami Malek (Bohemian Rhapsody)

22 – Melhor Atriz = Olivia Colman (A Favorita)

23- Melhor Diretor = Alfonso Cuarón (Roma)

24- Melhor Filme = Green Book

Memória Afetiva

Babi_Oscar
Eu, Bárbara Fontes, na casa de Arne Sucksdorff, em Estocolmo/Suécia (2000). Acervo Pessoal

No ano 2000, eu tive a honra de segurar um Oscar! Foi emocionante olhar aquele cara sem expressão mas que tocou o meu coração. É uma estatueta linda, grande e pesada – feita de cobre e banhado a ouro. Atualmente é mais leve e menor.

A estatueta do Oscar que eu segurei pertenceu ao cineasta sueco Arne Sucksdorff. Ele ganhou de Melhor Filme Estrangeiro (com o belíssimo Ritmos de uma Cidade), no final da década de 1040. Arne foi o meu mestre que ensinou sobre a Fotografia e o Cinema. Em 2014, eu lancei mundialmente, o filme documentário “Arne Sucksdorff: Uma Vida Documentando a Vida”.