Literatura Científica

Professor da IFMT lança o primeiro Glossário de Química Orgânica do Brasil.

 

Resultado de 26 anos de pesquisa, o livro Glossário de Química Orgânica foi escrito pelo professor Mestre Luiz Both, docente no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia (IFMT). É uma obra atualizada, a nomenclatura das substâncias orgânicas está de acordo com as recomendações da IUPAC (International Union of Pure and Applied Chemistry. Em português, União Internacional de Química Pura e Aplicada) de 2002 e 2010, pela Editora Lidel, de Lisboa. É um marco para a literatura científica brasileira por se tratar de um trabalho inédito no país. O lançamento é nesta quinta-feira (13.06), às 19h, no auditório do IFMT, campus Bela Vista.

 

WhatsApp Image 2019-06-12 at 1.17.26 PM

 

 

Luiz Both

WhatsApp Image 2019-06-12 at 1.17.26 PM (1)

Nascido em 27 de abril de 1953, em Campina das Missões, Rio Grande do Sul. Neste Estado, cursou Licenciatura Curta em Ciências na FIDENE (hoje UNIJUÍ). Em Mato Grosso, cursou Licenciatura Plena em Química pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). É professor desde 1974, e tornou-se docente da Escola Técnica Federal de Mato Grosso (antiga ETF, hoje IFMT) desde outubro de 1991. É Especialista em Metodologia de Ensino Tecnológica pela UFMT/IFMT e Mestre em Educação pela UFMT. Sempre atuou na Educação e trabalhou em escolas de Cuiabá e outros municípios mato-grossenses. Foi Diretor da Escola Estadual Pascoal Moreira Cabral, em Cuiabá (biênio 1990/91); foi Coordenador de Química no IFMT durante dois mandatos. É Dirigente da ABQ-MT e Coordenador Estadual das Olimpíadas de Química desde 2003. É Membro da Comissão Nacional para elaboração das Provas das Olimpíadas de Química Nacionais – representando a Região Centro-Oeste. Luiz Both é membro do Conselho Técnico-Científico do Congresso Brasileiro de Química e atua como professor convidado na UNEMAT e UFMT. É grande Incentivador da participação dos alunos de IFMT Bela Vista (e outros campi) no Congresso Brasileiro de Química e nas Olimpíadas de Química. Outra contribuição do professor foi a participação efetiva na implementação e construção do IFMT – Campus Cuiabá Bela Vista. (texto escrito com informações da Assessoria de Imprensa)

 

 

 

Bate-papo com o Blog

O Blog da Bárbara Fontes conversou com o professor Luiz Both:

Blog da Bárbara Fontes: Por que o senhor decidiu escrever um Glossário de Química Orgânica?

Luiz Both: Durante as aulas de Química Orgânica, a gente estava praticamente repetindo o que era apresentado nos livros didáticos, havia pouca contextualização. Resolvi preparar fichinhas com as informações, listando substâncias e conceitos, aplicações e propriedades destas substâncias, encontradas nos livros didáticos disponíveis. Em seguida, estendi as pesquisas em outras fontes, até em bulas de remédios, componentes de materiais de limpeza, agrotóxicos, defensivos agrícolas, aditivos alimentares e muitas outras. Resolvi organizar estas informações para escrever um glossário de Química Orgânica.

 

BBF: Por se tratar de um tema bem específico, o livro pode interessar às pessoas de outras áreas? Por quê? Quais seriam essas áreas?

LB: Sim. São muitas áreas do conhecimento que usam os conceitos da Química Orgânica. São muitas as aplicações das substâncias orgânicas em praticamente todas as atividades produtivas, nas diversas profissões. Além da Química, as áreas como Petroquímica, Biologia, Farmácia, Bioquímica, Medicina, Odontologia, Botânica, Agronomia, Engenharia Sanitária, Engenharia Civil, Gestão Ambiental, Alimentos etc. necessitam dos conhecimentos químicos, em especial da Química Orgânica. Lembrando que a grande maioria dos combustíveis, alimentos, organismos animais e vegetais, princípios ativos de plantas medicinais e medicamentos diversos, drogas, antibióticos, tecidos sintéticos, componentes eletroeletrônicos, carros, tintas, corantes etc. são formados de substâncias orgânicas. Tanto que das 20 milhões de substâncias conhecidas, mais de 19 milhões são orgânicas.

 

BBF: Nesses 26 anos de pesquisas, o que mais chamou atenção do senhor?

LB: Quando iniciamos este trabalho, tínhamos conhecimento das antigas regras de nomenclatura das substâncias orgânicas, como eram apresentadas nos livros didáticos. Foi a partir da participação nos Congressos de Química (2002) e outros eventos da área que tivemos acesso às publicações mais recentes e contato com renomados professores e pesquisadores na área de Química e afins, que tomamos conhecimento das regras atualizadas em 1993 e posteriores. A partir de então comparamos os livros didáticos e procuramos corrigir estas recomendações da IUPAC em nossas atividades didáticas. Assim, este Glossário passou por várias revisões e atualizações, por exemplo, de “2-propanol” para “propanol-2” e o atual “propan-2-ol”. Outro desafio foi construir as fórmulas estruturais. Desde os antigos desenhos do Paintbrush para caixas de textos e barra de desenhos do Word até os modernos programas como o Isis Draw.

 

BBF: Poderia citar um verbete do glossário que o senhor acha mais curioso ou que mais deu trabalho para pesquisar?

LB: Os princípios ativos de plantas apresentam bastante dificuldade para pesquisa. Uma, porque a maioria tem fórmulas estruturais bastante complexas. Muitas, além das fórmulas complexas, têm muita semelhança entre si, diferindo em uma ou outra ligação. Outra, porque a cada pouco são descobertas novas substâncias. Como exemplo podemos citar Fraxinelona e Fraxinelonona, substâncias inseticidas existentes nos frutos da azedeira (Melia azedarach)

~BBF~

 

 

Serviço

Lançamento do Glossário de Química Orgânica, do autor Luiz Both.

Data: 13 de junho de 2019 (quinta-feira)

Horário: 19h

Local: Auditório da IFMT, campus Cuiabá Bela Vista

 

 

Saiba mais:

GLOSSÁRIO DE QUÍMICA ORGÂNICA

Site da editora CRV, acesse aqui.

Redes Sociais:

Facebook: http://bit.ly/2YDB0kP

LinkedIn: http://bit.ly/2JPad0S

Twitter: http://bit.ly/2VQu5Yw

Instagram: http://bit.ly/2JwlQu7

Anúncios

Prouni 2019

As inscrições para o processo seletivo do Programa Universidade para Todos (Prouni), referente ao segundo semestre de 2019, vão até o dia 14 de junho.

Quem pode se candidatar?

– Quem não possui diploma em curso superior;

– Ter alcançado, no mínimo, 450 pontos na média das notas do Enem de 2018;

– Ter obtido nota acima de zero na Redação;

– Deve possuir renda familiar mensal por pessoa de até três salários mínimos;

– Ter cursado o Ensino Médio completo em escola da rede pública;

– Ou ter cursado o Ensino Médio completo em escola da rede particular como bolsista integral da própria escola;

– Ou ter cursado o Ensino Médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em escola da rede particular, na condição de bolsista integral da respectiva instituição;

– Ser pessoa com deficiência;

– Ou ser professor permanente da Educação Básica da rede pública de ensino e pretender concorrer à bolsa de estudo em curso de Licenciatura (não é necessária a comprovação de renda).

 

 

Inscrições

Para se inscrever é necessário digitar o número de inscrição e a senha mais recente cadastrada na página do Enem 2018. Acesse o site do Prouni aqui.

Esqueceu o número de inscrição ou a senha? Acesse o site do Enem para recuperá-los, aqui.

Bárbara Pergunta

O Blog da Bárbara Fontes conversa com João Carlos Sborchia, presidente da Amad, sobre a Expo-Ecos MT 2019.

 

Faltavam poucas horas para o encerramento da feira de negócios do Encontro Centro-Oeste dos Supermercadistas, Atacadistas, Distribuidores, Indústria e Food Service (Expo-Ecos MT 2019), quando o presidente da Associação Mato-grossense de Atacadistas e Distribuidores (AMAD), João Carlos Sborchia conversou com o Blog da Bárbara Fontes. Momentos antes, ele havia recepcionado o governador Mauro Mendes, o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, e comitiva por toda a feira.

 

Blog da Bárbara Fontes: Presidente, qual é o balanço que o senhor faz destes três dias da Expo-Ecos MT 2019?

João Carlos Sborchia: Nós fizemos uma programação bastante voltada para treinamentos e que foi um sucesso. Vimos aqui todas as oficinas cheias e palestras bastante animadas. Com relação aos expositores, são 80 empresas, 70 estandes e 60 expositores. Fizemos agora uma pesquisa junto a esses expositores e constatamos que mais de 90%, querem voltar no ano que vem. Nós que organizamos o evento estávamos muito preocupados porque é uma responsabilidade muito grande e estamos, de certa forma, aliviados, empolgados, motivados a fazer outra Expo-Ecos MT no ano que vem. Essa é a função das entidades, das associações AMAD, SINCAD, SINCOVAG e da ASMAT como entidades representativas de uma categoria de classe, promovendo essas feiras e essas realizações de negócios. Temos a expectativa de ter atingido mais de 10 mil visitantes e temos a expectativa de ultrapassar a marca de R$ 35 milhões, que nós prevíamos inicialmente. Foi um sucesso total!

BBF: Qual é o maior ensinamento que este evento trouxe para o senhor?

JCS: Como representante de entidade, nós temos uma responsabilidade muito grande perante ao nosso associado e uma feira dessa aqui o que a gente faz? A gente faz um movimento, uma motivação com o intuito de aproximar os varejistas com os atacadistas e a gente aumenta o volume de vendas. Eu estou muito feliz como presidente da AMAD poder proporcionar isso para os nossos atacadistas. Então, eu estou muito feliz como presidente em poder proporcionar essa feira para os nossos associados.

JCS_presAmad_cafemanhajornalistasExpoEcoslançamento
João Carlos Sborchia, fala ao microfone durante o lançamento para a imprensa da Expo-Ecos MT 2019. Foto: Cafeína Conteúdos Inteligentes.

BBF: Em relação à alta carga tributária que atinge o setor, há alguma conversa com o governo estadual?

JCS: A nossa pauta com o governo é com a questão das bebidas quentes (uísque, vinho, vodca, pinga, cachaça etc) onde os impostos de Mato Grosso são muito altos e o setor atacadista não está vendendo mais, e a gente não sabe como estas bebidas estão entrando no Estado.

BBF: O secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, disse na abertura da Expo-Ecos MT 2019 que as lideranças do setor devem levar reivindicações para o governo. O que já foi pensado a respeito disso?  

JCS: Nós teremos uma reunião nesta quarta-feira (12/06), no palácio Paiaguás, com o governador Mauro Mendes, e com Mauro Carvalho.

~BBF~

 

Expo-Ecos MT 2019

O Encontro Centro-Oeste dos Supermercadistas, Atacadistas, Distribuidores, Indústria e Food Service (Expo-Ecos MT 2019) aconteceu entre os dias 04 a 06 de junho, no Centro de Eventos do Pantanal, em Cuiabá-MT. É considerada a maior feira de negócios da região central do país. Na abertura do evento estiveram presentes, o presidente da Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), João Tarcício Falqueto; o vice-presidente da Associação Paulista de Supermercados (Apas), Omar Abdul Assaf; os representantes da Associação Sul-Mato-Grossense de Supermercados (Asmad e Amas), além do secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, representando o governador Mauro Mendes; da secretária Extraordinária dos 300 anos de Cuiabá, Celly Almeida, representando o prefeito Emanuel Pinheiro; o deputado estadual Dilmar Dal Bosco; o presidente do Sincad/MT, Sebastião dos Reis Gonçalves, o Tião da Zaeli; o presidente do Sincovaga, Kassio Catena; e o presidente da Fecomércio, José Wenceslau Jr.

Na ocasião, os organizadores do evento homenagearam o empresário Antônio Domingos, sócio fundador da Casa Domingos – empresa atacadista que possui o CNPJ mais antigo de Mato Grosso. Na noite do último dia de evento (06/06), o governador Mauro Mendes e o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho conheceram a feira, degustaram alguns alimentos e bebidas, e conversaram com expositores e visitantes.

O evento reuniu mais de 60 expositores que além de trazerem os seus produtos já conhecidos, também lançaram novos e apresentaram tendências do atacado, varejo, distribuição, indústria, food service e mercado consumidor, englobando toda a cadeia de abastecimento, com a geração de 1500 empregos diretos e indiretos. A programação foi extensa e produtiva com palestras, talk show, oficinas, distribuição de brindes, kits promocionais, sorteios e degustações de alimentos, sorvetes e bebidas. A feira de negócios funcionou das 14h às 22h e com entrada gratuita.

 

Realização e Patrocínios

A Expo-Ecos MT 2019 é uma parceria de quatro entidades: Associação Matogrossense de Atacadistas e Distribuidores (Amad), Associação de Supermercados de Mato Grosso (Asmat), Sindicato do Comércio Atacadista Distribuidor de Mato Grosso (Sincad-MT) e Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de Mato Grosso (Sincovaga).

 

O evento é patrocinado pela SE Distribuidora, DAC Distribuidora, DM Card, Senac Mato Grosso – Fecomércio, GS1 Brasil e Aurora, e conta com o apoio da Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

 

 Saiba mais no Blog da Bárbara Fontes:

*Bárbara Pergunta: Dilmar Dal Bosco, acesse aqui.

*Bárbara Pergunta: Mauro Carvalho, acesse aqui.

*Abertura da Expo-Ecos MT 2019, acesse aqui.

*Expo-Ecos MT 2019 (divulgação da abertura), acesse aqui.

*Expo-Ecos MT 2019 (café da manhã para imprensa), acesse aqui.

**Esta matéria também possui informações da Assessoria de Imprensa da Expo-Ecos MT 2019: Cafeína Conteúdos Inteligentes.

***Fotos da matéria: Cafeína Conteúdos Inteligentes

Sisu 2019

Nesta terça-feira, 04 de junho, começam as inscrições para a 2º edição deste ano do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para vagas em universidades e institutos públicos. As inscrições se encerram na sexta-feira, 07 de junho.

 

 

Atenção: somente os estudantes que realizaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018, e que tenham obtido nota acima de zero na redação podem realizar as inscrições.

 

 

Saiba mais:

Inscrições aqui.

Esqueceu o número de inscrição e/ou a senha, acesse aqui (entre na página do participante, no site do Enem).

Somos todos COS

Jornalista Celly Silva promove noite de autógrafos de livro-reportagem sobre a história movimento estudantil do Curso de Comunicação Social da UFMT. Evento será realizado nesta sexta-feira (31), a partir das 19h, na sede do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT).

Somos Todos COS, publicado pela EdUFMT, é fruto do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da jornalista Celly Alves Silva, e deveria ser leitura obrigatória para todos as pessoas que passaram pelo curso de Comunicação Social (COS) e suas habilitações, entre os anos de 1991 (entrada da primeira turma) até os dias atuais. Se hoje, o curso da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) é reconhecido pelo MEC, possui um prédio próprio (de arquitetura moderna) com salas de aulas climatizadas, laboratórios, equipamentos, auditório entre outros, é graças a uma geração de alunos que não cansavam de cobrar melhorias, ao ponto de acampar em frente à Reitoria por um longo período. Parece exagero? Por muitos anos, as aulas do COS eram ministradas no antigo prédio da Faculdade de Direito, as salas eram emprestadas e não havia estrutura adequada para os alunos de Jornalismo, Rádio e TV (RTV) e Publicidade Propaganda (PP) realizarem as suas atividades práticas. Os alunos do curso de RTV precisavam se descolar quase todos os dias, sob sol escaldante, até o bloco de Ciências Exatas, ao lado do zoológico. É uma distância relativamente longe, a UFMT é uma das maiores do Brasil – seria algo como ir de uma ponta à outra ponta da universidade. Apesar de todas as dificuldades, o COS foi o início de boa parte dos profissionais que atuam no mercado mato-grossense. Este ano, o Curso de Comunicação Social Completou 26 anos de existência, uma história cheia de sonhos, lutas, suor, lágrimas e muitas conquistas.

 

O Livro-reportagem

Composto por duas partes, o registro histórico e os depoimentos de ex-alunos, o livro-reportagem é “uma homenagem aos ex-alunos que deixaram sua marca na construção de uma educação de qualidade,  por meio de suas atuações no Centro Acadêmico de Comunicação Social (Cacos) e na Executiva Nacional de Estudantes de Comunicação Social (Enecos), além de lembrar professores e jornalistas do mercado local, que,  ainda nos anos 80, fomentaram a criação da faculdade em Mato Grosso”, explica Celly.

 

Livrocapa_celly_Easy-Resize.com

 

De acordo com a jornalista, o livro-reportagem é  fruto de um projeto experimental, dividido em duas partes: a primeira, contando a cronologia do curso, perpassando as gestões do centro acadêmico desde sua fundação,  em 1991, por comunicadores hoje consagrados, como Aline Cubas, Ademar Adams, Luzimar Collares e Justin Fiori, até meados dos anos 2000, época que encerrou um ciclo de luta em prol da construção  do prédio próprio da faculdade. A segunda parte da obra traz uma série de perfis  escritos a partir de entrevistas com os ex-militantes: Ademar Adams, Jonas da Silva, Lairce Campos, Yuri Kopcak, Janaina Pedrotti , Carol Araújo,  Evandro Birello  e Carlos Augusto dos Santos.

 

Noite de Autógrafos

Por se tratar de um registro importante para a história da Comunicação Social no Estado, e que contou com depoimentos valorosos de antigos alunos do COS, hoje, professores e  profissionais atuantes – inclusive alguns fazem parte do Sindjor-MT, a jornalista Celly Alves Silva promove uma noite de autógrafos na sede do sindicato.

 

Celly_lançamento livro1_assinaturaBlog_Easy-Resize.com
Celly autografa o meu livro.

 

O lançamento do livro-reportagem Somos Todos COS – História do Movimento Estudantil de Comunicação Social da UFMT, ocorreu em maio, no Centro Cultural da UFMT. O Blog da Bárbara Fontes esteve presente no evento e bateu um papo bacana e emocionante com a autora:

 

 

Blog da Bárbara Fontes: Celly, como surgiu a ideia de conta a história do movimento estudantil da Comunicação Social da UFMT?

Celly Alves Silva: Eu fui do Centro Acadêmico (C.A.) por duas gestões, de 2009 a 2011. Eu militei na ENECOS, a Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social, e fui em vários ENECOMs que são os Encontros de Estudantes de Comunicação, e me apaixonei. Eu sou até hoje apaixonada pela militância estudantil. Eu vejo o quanto é importante para a existência do nosso curso e da manutenção da educação pública. Quando chegou na época do TCC na faculdade, a gente não sabe direito o que vai fazer e eu ficava com essa dúvida, porém, um dia veio um estalo: o que eu mais sei e o que eu mais gosto de fazer é o movimento estudantil e eu quero escrever sobre isso. Daí veio a ideia de fazer um livro-reportagem, que foi o meu TCC em 2013.

 

BBF: Então primeiro surgiu o TCC e como ficou bacana, surgiu a ideia do livro?

CAS: Sim. Foi a própria banca, que teve a professora Mariângela, minha orientadora; o professor Tinho Costa Marques; e o professor Yuji Gushiken. Eles sugeriram para submeter à editora da universidade.

 

BBF: O curso ainda era dividido em Habilitações?

CAS: Sim, era. A minha habilitação é Jornalismo.

 

BBF: Durante a sua pesquisa, quais foram as descobertas que chamaram a sua atenção?

CAS: Eu pesquisei vários documentos encaixotados no Centro Acadêmico, antes de procurar as pessoas para fazer as entrevistas. O que me chamou muita atenção nesses documentos foi encontrar fanzines que os alunos produziam, contando o dia-a-dia do curso, a falta de equipamentos, de professor, as histórias dos encontros estudantis e fotos antigas sobre a paralisação dos estudantes que ficaram acampados no Bloco IL (Instituto de Linguagens) e depois na Reitoria. E isso encheu os meus olhos de lágrimas. Eu já participei de várias ocupações de reitoria, mas não de ficar tanto tempo acampado. Então, isso me chamou muito a atenção porque foi fundamental para a melhoria do curso, o salto que o curso deu quando ganhou um bloco próprio e quando foi reconhecido pelo MEC.

 

BBF: Eu fiz parte da primeira geração do COS, entrei em 1993, e o seu livro-reportagem é um importante registro para todos os que passaram pelo curso, principalmente, para homenagear os alunos que militaram com muita garra. Eu também sei que não é fácil escrever um livro. Valeu a pena tantos anos de trabalho?

CAS:Valeu a pena sim, com certeza! E tem de surgir novos livros porque esse vai até o início dos anos 2.000, e de lá para cá aconteceram muitas coisas.

 

BBF: Como foi a parceria com a Editora da UFMT?

CAS: Se não me engano, eu fiz o protocolo na editora em 2014, submetendo o livro para publicação. Foi um processo bem demorado porque depende de pareceres de professores doutores de outras universidades. Também tem o processo de revisão. Mas valeu à pena!

 

BBF: O livro teve algum custo para você?

CAS: Sim, o custo da impressão. O edital da editora era para lançar o e-book. Eu consegui imprimir o livro com recursos próprios e via uma vaquinha que eu fiz.

BBF: Celly, qual mensagem você pode passar para essa nova geração que estuda no Curso de Comunicação Social da UFMT?

CAS: Eu quero que eles tenham curiosidade de ler o livro e conhecer um pouco da história do curso. É importante saber de tantos outros alunos tiveram de passar para que hoje, para eles terem acesso à educação pública. Por mais que o curso ainda tenha alguns problemas até hoje, é necessário que tenha sempre gente ali cobrando, exigindo, reivindicando pelo menos para manter o que a gente tem, que é a educação pública.

 

 

BBF: Na sua trajetória como militante estudantil, qual foi o seu maior ensinamento?

Celly Alves Silva (muito emocionada): Desculpe pela a minha emoção. O que eu mais aprendi foi que a gente não consegue nada sozinho. A militância é uma coisa de amor ao próximo porque você luta e nem sempre colhe os frutos naquele momento, outras pessoas vão colher depois o que você plantou. A gente aprende tanto a lutar e a não aceitar as coisas de maneira passiva. Alunos e professores precisam continuar a resistir e a lutar para continuar a existir a universidade pública.

 

Blog da Bárbara Fontes: Última pergunta, como foi conciliar a produção do livro-reportagem com a maternidade?

Celly Alves Silva: Quando eu escrevi o livro nem sonhava que seria mãe. Eu fiz na época da faculdade. Eu apresentei o TCC em 2013, só agora é publicado como livro. Antes de lançar o livro, eu fiz revisões, adequações e diagramação junto com a editora da UFMT. Nesse processo de revisão e finalização eu estava grávida. A minha filha Laura é a minha companheira. Nos últimos preparativos do livro, quando eu tinha de estar na editora, ela ficava comigo o tempo todo. Ela é sempre tão quietinha, tranquila. Esse livro me deu mais trabalho! (risos).

 

Celly_familia_acervopessoalfacebook
Foto: acervo pessoal.

 

Celly com o marido Jonison Silva e a pequena Laura.

OBS: Hoje, 30 de maio, Laura completa 4 meses.

 

 

SERVIÇO

Lançamento do livro-reportagem Somos Todos COS, da jornalista Celly Alves Silva

Data: 31 de maio

Horário: a partir das 19h

Local: Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor)

Endereço: Rua Do Carmo, 55, Baú. Cuiabá/MT

Valor do livro: R$ 35,00

IFPR – Concursos Públicos

O Instituto Federal do Paraná (IFPR) abriu dois concursos para docentes (Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, e Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico – Educação Especial). O prazo para as inscrições termina em 07 de julho.

 

 

O Instituto Federal do Paraná (IFPR) é uma instituição pública federal de ensino vinculada ao Ministério da Educação (MEC) por meio da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec).

 

O IFPR possui 25 campi espalhados pelo estado do Paraná e continua em expansão. Foram implantados Campus Avançados: unidades que prioritariamente ofertam ensino técnico, cursos de formação inicial e continuada e de Educação a Distância, atendendo as ações que integram o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Cinco unidades estão em funcionamento.

 

A instituição contempla mais de 26 mil estudantes nos cursos de modalidade presencial e a distância. O IFPR oferece 43 cursos técnicos presenciais, 11 cursos técnicos na modalidade a distância, 20 cursos superiores presenciais, três cursos de especialização na modalidade presencial e um curso de especialização na modalidade a distância. (Site IFPR)

 

 

Edital nº 9/2019

O que é: Professor da carreira de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico.

 

Inscrições até 01 de julho de 2019.

 

Saiba mais aqui.

 

 

 

 

Edital nº 8/2019

O que é: Professor da carreira de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico – Educação Especial.

 

Inscrições até 01 de julho de 2019.

 

Saiba mais aqui.

 

 

 

 

6º Semana ENEF

Acontece entre os dias 20 a 26 de maio, a 6º Semana de Educação Financeira.

O evento concentra as principais ações de educação financeira de entidades públicas e privadas. Em 2018, aconteceram quase 7.000 ações, de 280 instituições, alcançando mais de 4 milhões de pessoas em 1.134 cidades, em 26 estados e o Distrito Federal.

A Semana Nacional de Educação Financeira (Semana ENEF) é uma iniciativa do Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef) para promover a ações de educação financeira no país.

 

Concurso Cultural Quem Sonha, Poupa!

A programação da 6ª Semana Nacional de Educação Financeira (Semana ENEF) também conta com a ação educacional “Quem sonha poupa”, da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN) integrada com Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú, Santander e Votorantim, que irá premiar cinco jovens entre 18 e 24 anos com cursos de inglês no exterior, no valor total de R$ 100 mil.

 

Segundo a FEBRABAN, o objetivo, que tem o apoio do Banco Central, é reforçar o conceito de educação financeira com foco no ato de poupar, para ampliar a compreensão sobre os produtos de investimento e ressaltar a importância da reserva financeira de médio e longo prazos como forma de realizar sonhos e metas. A ação também tem o apoio do CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola).

 

Serão 5 bolsas, uma para cada região do país, no valor de R$ 20 mil cada. Para isso, o participante terá de responder a um questionário de 20 questões, com respostas múltiplas. O material didático no site (link no final da matéria) servirá de base para a formulação das perguntas do questionário.

 

No dia 27 de maio, os organizadores divulgarão o ranking com os 50 mais bem colocados, divididos em grupos de 10 pessoas por região do Brasil. O resultado levará em conta o maior número de respostas corretas no menor tempo.  Até 31 de maio, os selecionados deverão enviar um vídeo inédito com depoimento pessoal, de, no máximo, dois minutos, onde relatarão o aprendizado com a ação educacional e como pretendem colocar em prática os conhecimentos adquiridos. A divulgação dos resultados ocorrerá em 1º de julho. Os cinco ganhadores terão 18 meses para agendar a viagem e o curso de um mês, que deverá ser feito em países de língua inglesa.

 

Saiba mais:

Site “Quem sonha poupa” acesse aqui.

Agenda oficial da 6º Semana ENEF acesse aqui.

*Matéria produzida com informações da Assessoria de Comunicação da FEBRABAN.