Agosto Dourado

Durante todo o mês de agosto vai acontecer uma série de atividades que incentiva a amamentação em todo país. Em Mato Grosso, o Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá (HG) em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde e a Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso também se uniram para celebrar o Agosto Dourado e repassar à população conhecimentos e práticas sobre os benefícios do leite materno para a mãe e bebê. A primeira semana deste mês é sempre dedicada à Semana Mundial Amamentação (SMAM).

apoio_amamentação_minisSaude
Campanha do Ministério da Saúde

 

Atividades  

A programação contempla exposição de artes, palestras, café da manhã com gestantes e bebês, mamaço, entre outros.  Confira:

cronograma

 

Amamentar é um ato de amor

WhatsApp Image 2019-08-02 at 10.52.17 AM
Mãe amamenta no Banco de Leite do Hospital Geral de Cuiabá. Foto: Soraya Medeiros.

 

Segundo o Ministério da Saúde a amamentação é capaz de reduzir em 13% a mortalidade infantil por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos. No Brasil, nascem aproximadamente 3 milhões de bebês por ano, e 14% deles são prematuros ou têm baixo peso (menos que 2,5 quilos). Por isso, é necessário ter os bancos de leites humanos e as mulheres que tenham excesso de leite sejam doadoras.

 

 

 

O nutricionista do Banco de Leite Humano (BLH) do HG, Marcus Vinicius explica que o objetivo da campanha é incentivar o aleitamento materno porque é o alimento mais completo para o desenvolvimento do bebê. “Até os seis meses de vida, a criança só deve se alimentar por meio do leite materno e, depois, junto com outros alimentos, ele deve continuar consumindo o leite até pelo menos os dois anos de idade”.

 

Marcos destaca que além dos benefícios orgânicos, como a transmissão de anticorpos da mãe para o bebê, a amamentação pode evitar problemas fonoaudiológicos, de respiração, audição, deglutição e psicomotoras. “A sustentação da cabeça, que a criança acaba fazendo naturalmente na hora de mamar, é o que vai ajudar a promover o equilíbrio e sustentação para sentar, engatinhar e andar. Além disso, os vínculos estabelecidos com a mãe durante essa fase de aleitamento as deixam mais autoconfiantes para se desenvolverem no período escolar”.

 

Na questão auditiva, as mamadas estimulam o canal do ouvido e, assim, ajudam a evitar as infecções desta região que também é favorecida pela deglutição. “Todo o esforço para sugar o leite ajuda a posicionar ainda a arcada dentária, a mastigação e consequentemente a deglutição também se tornam mais fáceis”, completa o nutricionista.

 

 

 

 Banco de Leite Humano salva vidas!

 

BancodeLeite_HGCba_04

 

O Banco de Leite Humano do Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá é referência estadual de Mato Grosso para a Rede Global de Bancos de Leite Humano sendo, também, o pioneiro. Além de realizar o armazenamento, pasteurização, controle de qualidade e distribuição do leite materno doado para os bebês internados na UTI Neonatal, também acolhe as mulheres mães no processo da amamentação, aconselhando sobre os benefícios do aleitamento materno, a melhor forma de posicionar o bebê para ele mamar confortavelmente e, se houver algum problema na amamentação ou em suas mamas, os técnicos estão capacitados para cooperar na solução, informou a diretora Assistencial do HG, Caroline de Moura.

 

Galeria de Fotos (crédito: Soraya Medeiros)

 

 

 

 

Doação de Leite Humano

Segundo informações do Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Geral, mulheres saudáveis que estiverem amamentando podem doar leite, porém, alguns cuidados devem ser tomados:

  • Armazenamento do leite: utilize frascos de vidro com tampa plástica, (tipo café solúvel ou maionese.). Lave os vidros com água e sabão, retire os rótulos, os resíduos de cola e a proteção interna das tampas. Ferva os vidros com as tampas por 15 minutos. Deixe escorrer em pano limpo. Após secar, feche o vidro sem tocar na parte interna da tampa.

 

BancodeLeite_HGCba_01
Reprodução: HG

 

  • Cuidados para as mamães: Prenda os cabelos de modo evitar o contato com as mamas. Lave as mãos e os braços até o cotovelo, com água e sabão em abundância. Lave as mamas em água corrente antes de cada ordenha. Secar as mamas e mãos com toalha limpa. Retire o leite depois da mamada ou quando as mamas estiverem muito cheias. Evite conversar durante a retirada de leite; se estiver gripada, coloque uma fralda ou máscara sobre o nariz.
  • Técnica para retirada do leite: Antes de iniciar a retirada do leite, massageie a mama com a ponta dos dedos em movimentos circulares, iniciando pela aréola até atingir toda a mama. Alise a parte superior da mama, até o mamilo, com movimento suave e delicado, como cócegas. Para retirar o leite, coloque o polegar e os dois primeiros dedos em torno da aréola, movimentando-os para frente e para trás, sem deixar deslizar. Despreze os primeiros jatos, abra o vidro e coloque a tampa sobre a mesa, com a abertura para cima. Colha o leite no frasco, apoiando-o no seio abaixo da aréola.
BancodeLeite_HGCba_03
Reprodução: HG

 

Após a retirada do leite (ordenha): feche bem o vidro e identifique-o com o nome da mãe, data do nascimento, dia e hora da 1º coleta.

 

 

 

  • Para frasco que já contém um pouco de leite: Utilizar um copo de vidro previamente esterilizado (ferver por 15 minutos) e escorra em pano limpo. Coloque o leite recém-coletado sobre aquele que já está armazenado no freezer ou congelador. Guarde novamente. Repita este procedimento até faltar 2 dedos para encher o frasco.
  • Como guardar o leite: Na geladeira por até 12 horas, e no congelador por até 15 dias.
  • Amamentar o bebê com o leite ordenhado: Deixe que o leite descongele em temperatura ambiente ou aqueça-o em banho-maria (água morna com fogo apagado). Dê o leite em copinho ou na colher. Não utilize chucas, mamadeiras ou chupetas, porque eles interferem na forma de mamar, confundindo o bebê.

 

Saiba mais:

Informações sobre como doar leite humano, orientações sobre amamentação e problemas nas mamas no período de amamentação, entre em contato com o Banco de Leite do Hospital Geral de Cuiabá:
Endereço: Rua 13 de Junho, 2101 – 2º andar – Centro – Cuiabá – MT
Telefone: (65) 3363-7035
E-mail: blhgu@gmail.com
Horário de funcionamento: Segunda a Sexta – 07:00 às 19:00; Sábado – 07:00 às 13:00.

 

 

*Esta matéria do Blog da Bárbara Fontes também contém informações da assessoria de imprensa do HG (Soraya Medeiros) e site do HG.

**Foto de capa: Soraya Medeiros

 

Campanha “AMIGOS DO BLOG”, acesse aqui e colabore

Anúncios

Stonewall 50 anos – Agenda Mato Grosso

A comunidade LGBTI mato-grossense também tem programação para celebrar os 50 anos de Stonewall – nome de um famoso bar, situado em Nova Iorque, que foi invadido por policiais que atacaram covardemente os frequentadores, na madrugada de 28 de junho de 1969. No dia seguinte, ocorreram uma série de protestos e rebeliões. O evento é considerado o marco histórico do ativismo do movimento gay e a luta pelos direitos LGBTI em todo mundo.

Um século se passou e a luta continua por igualdade de direitos. A comunidade LGBTI já venceu muitas batalhas como a liberação do casamento e a extinção da pena de morte em países conservadores. Há poucos dias no Brasil, o STF criminalizou a homofobia, como ainda não há uma lei específica, ficou enquadrada como crime de racismo. O país que também foi pioneiro na América Latina em permitir o casamento entre iguais, é recordista de assassinatos contra gays, lésbicas, travestis e transexuais. É uma luta diária pela vida, pelo direito de ser quem quiser e ser respeitado por isso. Por incrível que pareça, há pessoas tão infelizes com a sua identidade sexual que só lhes restam perturbar e perseguir as pessoas que, corajosamente, decidiram não viver “armário”. A hipocrisia reina no Brasil e no mundo, infelizmente.

Confira agenda que celebra os 50 anos de Stonewall em Cuiabá:

1ª Audiência Pública “50 anos de luta pelos Direitos Humanos LGBTI+, celebrando Stonewall”

Data: 27 de junho 2019

Horário: 14:00 horas

Local: auditório Milton Figueiredo – Assembleia Legislativa de Mato Grosso – Cuiabá/MT

“I Encontro de Promoção da Saúde da População LGBTI: 50 anos de luta por visibilidade”

Professores, profissionais da saúde e ativistas da causa LGBTI estarão debatendo com os participantes temas pertinentes a implementação da Política Nacional de Saúde Integral LGBT em Mato Grosso.

Público-alvo: profissionais e acadêmicos da saúde e ativistas LGBTI

Data: 28 de junho

Horário: 8h

Local: auditório da Escola de Saúde Pública de MT

Realização: Coordenadoria de Promoção e Humanização da Saúde da SES/MT e o Núcleo de Antropologia e Saberes Plurais da UFMT

As inscrições, acesse aqui.

As vagas são limitadas!

PROGRAMAÇÃO

08h – Acolhimento dos participantes
08h30 – Abertura do evento
09h – 12h30 – Narrativas e experiências na atenção primária de sujeitos LGBTIs
14h às 18h – A população LGBTI: das produções de subjetividade às políticas públicas

*foto de capa: vigília em Stonewall. Crédito: Gettyimages

Rede Feminina MT

 Entidade filantrópica realiza evento em Cuiabá.

 

 

O Outlet Solidário acontece neste sábado, 08 de junho, das 12h às 19h, no Foyer do Cuiabá Lar Shopping (3º Piso). A ação conta com mais de 10 lojistas participantes que oferecem produtos diversos para toda família e com descontos imperdíveis. O local possui ambiente climatizado, área de alimentação e estacionamento gratuito. O objetivo do evento beneficente é arrecadar recursos financeiros para Rede Feminina Estadual de Combate ao Câncer de Mato Grosso (Rede Feminina MT). A entrada ao Outlet Solidário é gratuita.

 

 

 

Rede Feminina MT

É uma entidade sem fins lucrativos que atua há 30 anos na assistência ao paciente oncológico carente por meio da doação de alimentos, auxílio com exames, diagnóstico, internação, custeio de próteses dentárias, mamárias e bucomaxilofacial entre outros. A entidade é responsável pela construção da Casa de Apoio, anexo ao Hospital de Câncer de Mato Grosso. O local terá 20 leitos e acolherá pacientes e acompanhantes do interior que não tem onde ficar. O aterro e a terraplanagem do terreno já foram construídos.

 

 

RedeFemininaMT_logo

 

A luta também é nossa!

No Brasil, mais de 60 mil mulheres já foram diagnosticadas com a doença. Com o tratamento no início da doença, as chances de cura são de 99%. O câncer está aí, todos os dias nos lares e hospitais brasileiros. O paciente precisa de amor e cuidados de seus familiares, médicos e de entidades como a Rede Feminina. Ajudar essas entidades que salvam vidas diariamente é um ato de amor ao próximo. Ajude!

 

 

SERVIÇO

Outlet Solidário da Rede Feminina Estadual de Combate ao Câncer de Mato Grosso

Data: 08/06

Horário: das 12h às 19h

Local: Foyer do Cuiabá Lar Shopping – 3º Piso (Referência: Todimo Lar Center – Av. Miguel Sutil) – Cuiabá-MT

Mais informações: 65 9.8412.9090

http://www.redefemininamt.com.br

Release para imprensa: Bárbara Fontes

HCanMT e MTCap – parceria que salva vidas

O Hospital de Câncer de Mato Grosso gentilmente atendeu uma solicitação do Blog da Bárbara Fontes, a respeito de informações sobre a destinação dos recursos doados pelo MTCap (título de capitalização).

 

O Hospital de Câncer de Mato Grosso (HCanMT) possui uma parceria com o MT Cap no qual recebe um repasse financeiro referente a 10% do faturamento deste. A doação é feita toda segunda-feira e é destinada, conforme portaria interna, para: pagamento de Tributos Federais; compra de medicamentos; custeio parcial do Departamento de Mama; ampliação e manutenção do Projeto Aconchego, que oferece mais conforto para as enfermarias adultas do HCanMT. Em 2018 o Hospital recebeu uma média de R$ 169 mil mensais advindos da parceria.                       (Direção do HCanMT)

 

 

Você também pode ajudar a maior instituição especializada em oncologia de Mato Grosso que salva milhares de vidas todos os anos. A caridade é um ato de amor ao próximo e se cada um ajudar, mais vidas serão salvas.

O Blog da Bárbara Fontes publicou uma matéria sobre a necessidade de doações de fraldas e alimentos (link no final).

 

 

Saiba mais: 

Demonstrativo Financeiro do Hospital de Câncer de Mato Grosso – Período de Janeiro/Dezembro de 2018, acesse aqui.

Matéria sobre doações para o Hospital de Câncer de Mato Grosso, acesse aqui.

Tratamento Odontológico

Sesc Poconé está com vagas abertas para tratamento odontológico a baixo custo

 

 

Por um valor mais em conta, a população de Poconé (todas as idades) pode realizar um tratamento odontológico na unidade do Sesc. Os serviços prestados pela clínica odontológica são restaurações, prevenção (aplicação de flúor), exodontia (extração), endodontia (tratamento de canal), raspagem (limpeza) e radiografia. Segundo a Assessoria, o benefício do desconto é concedido aos que possuem o Cartão Sesc (categoria trabalhador do comércio e dependente).

 

Renata Dichoff, dentista do Sesc Poconé, a saúde bucal é essencial para a prevenção de diversas doenças. E complementa:

A boca é uma das principais portas de entrada de bactérias e outros microrganismos prejudiciais à saúde. Por isso, manter uma boa higiene e ir ao dentista regularmente diminui o risco de doenças bucais e também das decorrentes delas”.

A Assessoria de Comunicação do Sesc Poconé confirmou para o Blog da Bárbara Fontes que não há prazo para o término das inscrições e “fica aberto conforme o preenchimento das vagas. E ainda temos”.

 

Inscrições

As inscrições podem ser feitas na unidade, localizada na Avenida Generoso Ponce, na entrada da Rodovia Transpantaneira, Centro de Poconé, de segunda a sexta, das 6h às 21h. Mais informações sobre o serviço podem ser obtidas pelo WhatsApp (65) 99674-9043.

 

SESC POCONÉ

A unidade, que faz parte do polo socioambiental Sesc Pantanal, tem como objetivo a promoção da valorização da cultura, da qualidade de vida e fortalecimento da cidadania junto à comunidade local.

 

 

Seja voluntário!

Hospital de Câncer de Mato Grosso realiza neste sábado (23), às 9h, o Treinamento de Voluntários.

Há várias formas de ajudar o próximo, como ser voluntário de uma instituição beneficente hospitalar, mas para isso não basta apenas ter boa vontade é preciso se preparar para ser o mais útil possível à quem está numa situação de fragilidade e lutando pela vida todos os dias. Ser voluntários é uma das causas mais bonitas que uma pessoa pode fazer: durante a vida: muito mais do que ajudar o próximo, também se ajuda a ser um ser humano melhor.

 

voluntario
Divulgação/Assessoria

Para quem sempre teve o desejo de trabalhar voluntariamente mas ainda não teve a oportunidade, acontece neste sábado, 23 de fevereiro, o Treinamento de Voluntários, organizado pelo Hospital de Câncer de Mato Grosso. O evento começa às 9h e termina às 10h30, no auditório da instituição e é destinado para maiores de idade e que tenha disponibilidade de tempo. Não precisa fazer inscrição, basta comparecer no local.

Segundo a assessoria de imprensa do HCMT, os participantes receberão orientações da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH). da Capelania e do setor de Voluntariado, que é coordenado por Cleuza Pereira. Para mais informações: (65) 99259.3002 // 3648.7560.

 

Hospital de Câncer de Mato Grosso

Fachada-atual-do-Hospital
Divulgação/Assessoria

 

O maior hospital especializado em tratamento oncológico do estado, fundado há 20 anos, conta com cerca de 458 funcionários diretos, um corpo clínico de 133 médicos e mais de 350 voluntários. Em 2018, cerca de 88 mil pacientes foram atendidos na instituição que também realiza trabalhos preventivos por meio da Campanha de Prevenção com atendimentos em 87 municípios do interior de Mato Grosso.

 

Saiba mais

Confira algumas matérias sobre o Hospital de Câncer de Mato no Blog da Bárbara Fontes:
Leilão do Bem aqui.
A fábrica de confetes coloridos aqui.

Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência

O Brasil só perde para a África em números de casos.

A Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência foi instituída por meio da Lei 13.798/2019, publicada no Diário Oficial da União (DOU) em 04 de janeiro deste ano. A iniciativa foi proposta pela então senadora Marisa Serrano em 2010, que acrescenta o artigo 8º à Lei 8.069 (Estatuto da Criança e do Adolescente/ECA). O evento será anual, sempre na semana que incluir o dia 1º de fevereiro.

O objetivo é “disseminar informações sobre medidas preventivas e educativas que contribuam para a redução da incidência da gravides na adolescência”. As ações da Semana Nacional de Prevenção da Gravidez da Adolescência estão a cargo do poder público, em conjunto com organizações da sociedade civil, e dirigidas prioritariamente ao público adolescente.

CRM_ Fachada_créditoBárbaraFontes_assinatura
Fachada do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso – CRM-MT. Crédito: Bárbara Fontes.

Para celebrar a importante iniciativa em Mato Grosso, acontece no dia 8 de fevereiro (sexta-feira), às 19h, no auditório do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT), a mesa redonda “Gravidez na Adolescência: Compreendendo e Acolhendo para prevenir”.

A programação conta com as seguintes palestras: “Visão epidemiológica atual da gravidez na adolescência”, com o Dr. Luis Menechino, da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT); “O papel da pediatria na prevenção da gravidez”, com a Dra. Alda Elizabeth Azevedo, presidente do Departamento Científico de Adolescência, da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP); “Aspectos Obstétricos e contracepção da gravidez”, com a Dra. Zuleide Cabral, da SOGIA-BR, SOMAGO E FEBRASGO; e “Aspectos Legais da contracepção na adolescência”, conduzida pela advogada Helen Rezende, da assessoria jurídica da CRM-MT. O evento é gratuito e aberto ao público.

Segundo dados da Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde (COVEPI-SES/MT), o estado registrou nos últimos cinco anos cerca de 50 mil casos de gravidez da adolescência (10 a 19 anos). Em 2018, Cuiabá teve o maior índice, com 2.143 nascidos vivos; e a cidade com o menor índice foi São Félix do Araguaia, com 73 casos.

O evento é realizado pelo CRM-MT e conta com o apoio da Sociedade Mato-grossense de Pediatria (SOMAPE), Sociedade Mato-grossense de Ginecologia e Obstetrícia (SOMAGO), Academia de Medicina de Mato Grosso, Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), e a Associação Brasileira de Obstetrícia e Ginecologia da Infância e Adolescência (SOGIA-BR). Para mais informações: (65) 3612.5400).

 

 

Café da Manhã no CRM-MT

O Blog da Bárbara Fontes participou de um café da manhã no Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso, que contou com as presenças das doutoras Hildenete Monteiro Fortes (presidente do CRM-MT), Alda Elizabeth Azevedo, Lúcia Helena Barbosa (Conselheira do CRM-MT), e Zuleide Cabral . Além da Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência em Mato Grosso, as doutoras também falaram com a imprensa sobre a situação no país e em Mato Grosso.

A Dra. Alda, que ajudou na elaboração do documento “Prevenção da Gravidez na Adolescência” (da SBP) disse para o Blog que o tema gravidez na adolescência é estudado e debatido há 30 anos, porém, é necessário políticas públicas para Atenção na Saúde Integral ao Adolescente (com pediatras, ginecologistas obstetras, profissionais da Enfermagem e técnicos qualificados), e a instituição de programas específicos para crianças e adolescentes, onde se prevaleça o “protagonismo juvenil”, isto é, “o adolescente falando com o outro adolescente” no que se refere a tudo que envolva a questão sexual (cuidados com o corpo, responsabilidades que surgem com as atividades sexuais e a Educação Sexual nas escolas que vá além do ensino sobre os aparelhos reprodutores e reprodução humana).

A Dra Zuleide Cabral disse que em Mato Grosso “Setenta por cento das adolescentes fazem o parto normal” (humanizado). Entre as idades de 10 a 14, onde o risco gestacional é maior, houve um aumento de 15%, de parto normal. Em Cuiabá, os hospitais públicos Júlio Muller, Santa Helena e o Geral atendem as mães adolescentes e fazem partos humanizados.

 

Brasil “jovem e grávido”

Segundo dados da Unicef e da Organização Mundial de Saúde (OMS), o maior país da América Latina está em 7º lugar entre as maiores taxas de gravidez na adolescência, os seis países abaixo do Brasil estão na África.

O Departamento Científico de Adolescência, da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que tem com presidente, a Dra. Alda Elizabeth Boehler Iglesias Azevedo, do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso, elaborou o documento “Prevenção da Gravidez na Adolescência” para a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, onde constata que:

os adolescentes – indivíduos entre 10 e 20 anos incompletos – representam entre 20% e 30% da população mundial, estimando-se que no Brasil essa proporção alcance 23%. Dentre os problemas de saúde nessa faixa etária, a gravidez sobressai em quase todos os países e em especial, nos países em desenvolvimento”.

 

adorable baby baby feet beautiful
Foto por Pixabay.

 

São 400 mil casos de gestação na adolescência no país, taxa considerada alta para a América Latina. Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2014 nasceram 28.244 filhos de meninas entre 10 e 14 anos, e 534.364 crianças de mães com idades entre 15 e 19 anos. Em 2015, 18% dos nascidos vivos eram filhos de mães adolescentes. Em relação à distribuição demográfica neste período, o Nordeste é a região com maior índice de casos de gravidez na adolescência (32% do total). A região Centro-Oeste teve o menor índice, 8%. Segundo o Departamento Científico de Adolescência os dados são significativos e necessitam de medidas urgentes de planejamento e ações.

 

Principais Fatores

Segundo o documento, há diversos fatores que contribuem para a gestação na adolescência, porém, o principal motivo é “a desinformação sobre sexualidade e sobre direitos sexuais e reprodutivos. Os médicos também apontam que questões emocionais, psicossociais e contextuais também concorrem para a falta de acesso à proteção social e ao sistema de saúde”, além do uso inadequado de contraceptivos. Também há outros fatores como “a falta de um projeto de vida e expectativas de futuro, educação, pobreza, famílias disfuncionais e vulneráveis, abuso de álcool e outras drogas, além de situações de abandono, abuso/violência e a falta de proteção efetiva às crianças e aos adolescentes”.

Estudos comprovam que ficar grávida é o desejo de muitas adolescentes, porém, a gestação nesta fase da vida eleva os riscos de complicações maternas, fetais e neonatais, e também pode acarretar problemas socioeconômicos da nova família que se forma – ainda mais se o pai também for adolescente. Nos casos em que a mãe fica sem amparo do pai da criança (ou da família paterna), as condições psicológicas e financeiras tendem a piorar. O maior índice de casos de gravidez na adolescência no Brasil é entre afrodescendentes, que moram nas periferias e com baixa escolaridade. Também foi constatado o alto índice de mães com menos de 19 anos e que já estão na segunda, terceira ou mais gravidez (geralmente de pais diferentes). Isso é um reflexo da desigualdade social que assola o país há séculos.

 

Prevenir é o melhor caminho

Ainda segundo o documento publicado pela SBP, “um dos mais importantes fatores de prevenção é a educação. Nesse sentido é importante considerar a educação abordando sexualidade e saúde reprodutiva, tanto no meio familiar quanto na escola, com abordagem científica, e nos programas de promoção à saúde. Não apenas quanto aos eventos biológicos, mas em relação ao convívio de respeito entre meninos e meninas, atividades sexuais com responsabilidade e proteção – métodos contraceptivos – principalmente durante a adolescência.

adult affection baby belly
Foto por Pixabay.

 

A gravidez na adolescência é uma realidade que não pode ficar escondida ou deixada de lado, o país por meio de seus poderes executivo, legislativo e judiciário deve implementar políticas públicas e programas que visam à prevenção e também para os casos confirmados, a manutenção da vida escolar (nos casos onde não há o risco gestacional), ajuda assistencial e financeira para os de baixa renda. Os adolescentes que passam pela gravidez precisam do apoio familiar, do Estado e da sociedade, e sentir que uma criança não é um ponto final em suas vidas, e sim um novo começo cheio de esperanças e oportunidades.

 

*Foto de capa: da esquerda para a direita, as doutoras Zuleide Cabral, Hildenete Monteiro Fortes, Alda Elizabeth Azevedo e Lúcia Helena Barbosa. Crédito: Bárbara Fontes.