Pagamentos dos servidores

A primeira folha de pagamento, o governo nunca esquece.

 

Em fevereiro, o governo do Estado de Mato Grosso paga a sua primeira folha de pagamento para os servidores ativos, inativos e pensionistas. Como já é de conhecimento geral, a administração pública vai de mal a pior, e após o mês de janeiro – que pagou a folha do mês de dezembro (o último pagamento do governo Taques), fica a dúvida de como será feito os repasses. Boa parte dos servidores estão endividados e com contas atrasadas – e como é de praxe, as contas do mês de janeiro são cruéis com os brasileiros trabalhadores. O mês de fevereiro vem na cola dando despesas com a volta da garotada às salas de aula.

 

 

Servidores inativos e pensionistas

Em relação aos servidores inativos e pensionistas, o governo não vai mexer na data de pagamento, isto é, continuam a receber todo o dia 10 de cada mês. Os que ganham acima de R$ 4 mil, o governo analisa junto à Sefaz se pagará integralmente ou escalonado. O Blog da Bárbara Fontes apurou que há intenção do governo pagar o valor integral, porém, tudo dependerá do fluxo de caixa para o mês de fevereiro.

 

 

Servidores ativos

O governo pagará os servidores ativos, que recebem acima de R$ 4 mil reais de forma escalonada. A Sefaz, por meio de uma projeção de fluxo de caixa (isso é detectado perto do dia 10 de cada mês), definirá como serão realizados os pagamentos mensalmente. Esses servidores podem receber mais do que esse valor na folha de janeiro, desde que haja fluxo de caixa para isso. Se o governo detectar que é possível pagar mais, a Sefaz comunicará com antecedência.

 

O governo entende que esse valor mínimo de quatro mil reais, que pode ser pago até o dia 10 de cada mês, pode ajudar sanar as despesas fixas mensais como água, luz, telefone, internet, cheque pré-datado e cartão de crédito. Isso é na visão do governo, cada servidor ativo sabe de suas contas mensais fixas. A questão é que a partir do escalonamento dos salários, um novo hábito de se gastar, parcelar ou financiar terá de ser adotado para que a saúde financeira do servidor (a) não acabe na ‘UTI’.

 

 

Estado de calamidade financeira

O governo está prestes a decretar o estado de calamidade financeira, e neste momento,  uma comitiva composta pelo governador, alguns secretários e deputados federais estão reunidos em Brasília, onde buscam soluções imediatas para a crise no estado. Se haverá ou não o decreto, tudo dependerá das negociações de hoje. Não havendo a necessidade de decreto, o governo segue com o plano de escalonamento das dívidas. Com o decreto assinado e publicado no Diário Oficial do Estado, uma série de medidas econômicas urgentes serão tomadas, independente se essas decisões ultrapassem os valores permitidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

A prioridade do governo é pagar os seus servidores, e o decreto de estado de calamidade financeira é para facilitar o acesso a créditos e não para moratória. No governo não se fala em mexer na questão dos salários.

 

A palavra CALAMIDADE é pesada e assusta quem lê – ainda mais quanto é associada a um decreto. Mas não é bem assim. A população precisa e deve se informar por meio de fontes de informações seguras – e não aquelas com notícias especulatórias que querem espalhar o medo. Quanto mais a população se informar, mais segura ela fica. Não espalhe Fake News!

 

Mais informações sobre o o possível estado de calamidade financeira aqui.

Matrículas Abertas!

Hoje,16, é o último dia para acessar o portal da Seduc e efetuar matrículas nas escolas da rede estadual de ensino fundamental de Várzea Grande e cidades do interior de Mato Grosso.

 

O Blog da Bárbara Fontes preparou um TIRA-DÚVIDAS sobre as matrículas online e presencial. O Blog entrou em contato com a Assessoria de Comunicação da Seduc, que prontamente ajudou nesta matéria.

 

Matrículas – CUIABÁ

As matrículas online estão encerradas.

 

 

Matrículas – VÁRZEA GRANDE E INTERIOR

Na terça (15) e quarta-feira (16), os alunos da rede pública de Várzea Grande e de todos os municípios do Estado podem entrar no portal da Seduc para realizar as matrículas. As escolas dos municípios que não estiverem na Matrícula Web, têm matrícula presencial.

 

 

Não consegui a vaga, e agora?

Não se preocupe! Se não conseguiu a vaga numa escola, procure por outra unidade. Todos os alunos do ensino fundamental têm vaga garantida! É Lei! Uma dica para quem quer estudar numa determinada escola: acorde cedo e entre no site da Seduc – não deixe para última hora.

 

 

Matrículas não-presenciais

Em Cuiabá e Várzea Grande NÃO é possível realizar as matrículas para alunos novos ou transferências de forma presencial. As matrículas são realizadas somente pela internet. Não adianta chegar de madrugada no portão da escola. Viva a tecnologia que libertou os pais e responsáveis das longas filas, sob sol quente, nas portas das escolas no período de matrícula!! Ninguém merece!

 

 

Matrículas presencias

As escolas que não aparecem na Matrícula Web é porque têm matrículas presenciais, isto é, são realizadas nas escolas nos mesmos dias em que acontecem as matrículas via internet, conforme o cronograma da Seduc.

 

 

Quais tipos de escolas que não estão na Matrícula Web?

As escolas indígenas, quilombolas, especiais e EJA possuem matrículas específicas. Entre em contato com essas unidades para mais informações.

As escolas militares e a Escola Arena possuem processo seletivo.

 

 

Como fazer a matrícula online?

Entre no site da Seduc e clique no banner da Matrícula Web – que dará acesso à uma lista das escolas com matrículas pela internet. Se a sua escola não aparecer é porque a matrícula é realizada presencialmente.

 

matrículaweb_seduc

 

Cadastro: precisa ser feito!

As matrículas online serão permitidas aos pais ou responsáveis que realizaram o cadastrado no período de 4 de dezembro à 16 de janeiro. Quem já tem cadastro no portal, basta usar o login e  senha escolhidas.

 

Matrícula online efetivada, e agora?

Se a sua vaga na matrícula web for confirmada, os pais ou responsáveis devem procurar, no dia seguinte, a escola para confirmar a matrícula.

 

 

  Não tenho internet, e agora?

Para os pais ou responsáveis de Cuiabá e Várzea Grande que não têm acesso à internet, a Seduc disponibilizou em sua sede, no Centro Político Administrativo, uma equipe de técnicos com computadores para auxiliar no cadastro e na matrícula. Não é possível fazer o cadastro pelo smartphone – somente por notebook ou computador de mesa.

 

 

Mais dúvidas?

Para mais esclarecimentos, a Seduc possui uma linha telefônica gratuita: 0800-65-1717.

 

 

Saiba mais:

Acesse o site da Seduc aqui.

*Foto de capa: fachada da Seduc/Divulgação

Estado de Calamidade Financeira

O que pode acontecer em Mato Grosso a partir desta quarta-feira.

Pouco antes das 21h, horário local, o Gabinete de Comunicação do Estado de Mato Grosso (GCom) divulgou uma nota sobre um possível decreto de estado de calamidade financeira. Se alguém tinha desconfianças de que o governador Mauro Mendes agia com exageros ou de forma dramática a respeito da situação econômica do Estado, sinto informar que Mato Grosso aguarda a ‘extrema-unção’. Milagres existem? Eu creio, mas não há tempo para a crença ou o misticismo. O governo já entende de que não é capaz de heroísmos de última hora. Os quatro projetos de lei se encontram na Assembleia Legislativa onde aguardam um desfecho – mas isso leva um bom tempo. E a última coisa que Mauro Mendes tem é tempo! Mato Grosso está muito mal.

Apesar de tudo estar difícil, ainda resta uma saída: do aeroporto rumo à Brasília. O governador e uma comitiva composta pela bancada federal e pelos secretários de Estado Rogério Gallo, da Fazenda; Gilberto Figueiredo, da Saúde; Mauro Carvalho, da Casa Civil; e César Miranda Lima, do Desenvolvimento Econômico, viajam nesta quarta-feira, 16, no comecinho da manhã.

A comitiva terá audiências nos ministérios da Saúde, Governo e Agricultura, onde será apresentado a situação financeira do Estado. Também acontecerá uma reunião na sede do Banco do Brasil para tratar do escalonamento de dívidas do Estado.

R$ 400 milhões a receber

Outra questão delicada que será tratada em Brasília é o recebimento do Fundo de Auxílio à Exportação (FEX), referente ao ano de 2018. Estima-se que o Estado de Mato Grosso tem a receber mais de R$ 400 milhões, fluxo de caixa e parcerias em projetos de desenvolvimento com a União. É uma quantia significativa que pode ajudar o estado neste momento de crise no âmbito da administração pública. Está claro que dinheiro há, porém, a União precisa se sensibilizar e autorizar esse repasse em caráter de urgência.

E se não liberar o dinheiro?

Caso não aconteça uma negociação em Brasília que permita o Estado ‘sair do buraco’, como ressaltou o governador Mauro Mendes dias atrás, não restará outra decisão do que decretar o estado de calamidade financeira. É importante ressaltar que essa decisão amarga vai acontecer se todas as possibilidades de resolver o problema não der me nada.

Estado de calamidade financeira

Um dos receios de um possível decreto do governo de Mato Grosso é de que tudo vai parar, e que servidores e fornecedores fiquem sem receber por pelo menos três meses – o que pode comprometer a circulação de dinheiro na economia regional. Para melhor compreensão da situação, o Blog transcreve a informação do GCom:

o decreto de calamidade financeira serve para formalizar uma situação de crise. Um dos efeitos mais importantes do decreto é a flexibilização de regras contidas na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), situação que facilita a tomada de medidas de urgência que visam reverter e/ou minimizar a crise financeira.

Com a necessidade de haver o estado de calamidade financeira, o governador assina um decreto e o publica no Diário Oficial.

*foto de capa: GCom-MT.

Edital “Mais Médicos” – Atualizado

Cadê os médicos?

Mais uma chamada do edital do Programa Mais Médicos (encerrada no dia 10/01) foi realizada e, mais uma vez, poucos profissionais com registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) se apresentaram nos municípios.  Segundo informações do Ministério da Saúde, a exigência da permanência dos médicos no locais mais distantes do país pode ter desestimulado o interesse.O governo federal estuda formas mais flexíveis para incentivar a ida de médicos para os rincões do Brasil, onde há populações carentes de assistência médica.

O programa de saúde básica oferece 8.517 vagas em 2.824 municípios e 34 distritos sanitários especiais indígenas. O salário bruto é de R$ 11.865,60 (e há muitos benefícios).

Em Mato Grosso, segundo informações da Secretaria Estadual de Saúde (SES), 65 vagas foram disponibilizadas, e somente 10 foram preenchidas, isto é homologadas pelo Ministério da Saúde. Confira abaixo, a relação dos municípios que receberam médicos do programa federal:

*Água Boa
*Nova Brasilândia
*Nortelandia
*Pontes e Lacerda
*Canarana
*DSEI (Distritos Sanitários Especiais Indígenas) Cuiabá                                                      *DSEI Xingu
*Nova Canãa do Norte
*Vila Bela da Santíssima Trindade
*Tangará da Serra

Próxima chamada 

Está previsto uma nova chamada para profissionais brasileiros formados no exterior, entre os dias 23 e 24 de janeiro. Para o ingresso de médicos estrangeiros, entre os dias 30 e 31 de janeiro, o sistema estará disponível para optarem pelas localidades com vagas em aberto.

O Mais Médicos, por meio do Ministério da Saúde, recebeu 10.205 inscrições de profissionais brasileiros e estrangeiros formados no exterior (sem registro no Brasil) que desejam entrar para o Programa. O prazo para o envio da documentação dos profissionais encerrou em dezembro de 2018 e estão em análise pela pasta.

O edital

O Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES/MS) realizou um chamamento público de médicos formados no Brasil ou com diploma revalidado no país para adesão ao Programa de Provisão de Médicos do Ministério da Saúde – Projeto Mais Médicos para o Brasil. O objetivo é suprir as vagas no Sistema de Saúde Único (SUS) que ficaram ociosas por conta da saída do governo cubano do convênio (via Opas).

Resumo da saga do Programa Mais Médicos

MaisMedicos_MinisteriodaSaude

O Programa

O Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES/MS) realizou um chamamento público de médicos formados no Brasil ou com diploma revalidado no país para adesão ao Programa de Provisão de Médicos do Ministério da Saúde – Projeto Mais Médicos para o Brasil. O objetivo é suprir as vagas no Sistema de Saúde Único (SUS) que ficaram ociosas por conta da saída do governo cubano do convênio (via Opas). São oferecidas 8.517 vagas em 2.824 municípios e 34 distritos sanitários especiais indígenas. O salário bruto é de R$ 11.865,60.

Janeiro de 2019 – Chamada para Médicos com CRM

Desde o dia 07/01, médicos com registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) no Brasil que se inscreveram na segunda chamada do edital do Programa Mais Médicos, devem se apresentar até o dia 10 de janeiro, nos municípios e ocuparem os seus novos postos.

Segundo o Ministério da Saúde, a etapa contou com 2.549 vagas em 1.197 municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI). Ao todo, 1.707 profissionais com registro brasileiro escolheram localidades. Os médicos que não comparecerem nos municípios até esta data limite, perderão as vagas.

Dezembro de 2018 – Ataque cibernético

Infelizmente a maldade e a covardia andam soltas neste país! O Ministério da Saúde (MS) comunicou que houve ataques cibernéticos desde o momento da abertura do sistema para inscrições dos médicos. Mesmo sob ataques, o sistema conseguiu contabilizar 3.336 inscrições nas primeiras três horas da abertura do sistema. O Departamento de Informática do SUS (DATASUS/SE/MS) realiza uma série de ações para isolar a aplicação dos ataques, manter a estabilidade e perfomance do site do MS. A orientação é para que os interessados que não conseguem acessar o site (ou o sistema de inscrição) devem insistir na tentativa de acesso. Para produzir esta matéria, o Blog da Bárbara Fontes também teve dificuldades em acessar o site e ao sistema, e foram várias tentativas até conseguir.  Dias depois, o sistema se normalizou.

Novembro – Valeu médicos cubanos!

No final de novembro de 2018, os médicos cubanos do “Programa Mais Médicos” foram obrigados a se retirarem do país por ordem do governo de Cuba. Eles chegaram ao Brasil em 2013, e foram atuar em localidades onde médicos brasileiros se recusaram a ir. É inegável a contribuição que os médicos cubanos realizaram em nosso país, deixando em Cuba os seus entes queridos, e enfrentando dificuldades em um país de língua diferente, imenso e diversificado como o Brasil. A todos os médicos cubanos que atuaram no Brasil, a nossa gratidão!

É de se esperar que os médicos brasileiros aptos para substituir os médicos cubanos, façam jus ao bom salário que vão receber, a confiança que a população mais carente (e longínqua) do país vai depositar neles, e que se mantenham firme e forte na missão de salvar vidas.

Saiba mais:

Edital aqui.

Não fuja para a Bolívia

Conheça os três casos mais famosos de fugitivos que se deram mal em terras bolivianas.

 

1967 – La Higuera

 

Segundo relatos da época, um maltrapilho, raquítico, doente e de cabelos e barba compridos não reagiu à ordem de prisão, e de costas para os militares ergueu as duas mãos em rendição. Em vão. Foi alvejado com tiros, caiu morto, e teve as duas mãos decepadas. O homem que parecia Jesus Cristo, segundo os moradores do vilarejo de La Higuera, era o médico argentino, Ernesto Che Guevara, o braço direito e esquerdo de Fidel Castro durante a Revolução Cubana (1953-1959).

Somente em 1997, os restos mortais de uma das 100 personalidades mais importantes do século XX, segundo a revista Time, foram encontrados numa cova em Vallegrande, 50 km de La Higuera. Eu estava na Bolívia naquele épico momento, e havia jornalistas de várias partes do mundo, familiares de Che e representantes do governo cubano. Havia muita euforia. Um dos filhos de Che, ministrou uma palestra na Universidade de Cochabamba. Na ocasião, eu ganhei de presente uma réplica de um quadro pintado pelo irmão de Che, onde há um poema. Tenho até hoje. Atualmente, os restos mortais e as mãos de Che estão enterrados em um mausoléu em Santa Clara, em Cuba.

 

cheguevara_barbarafontes1997_assinatura
Este poster de Che, que ganhei de presente na Bolívia, me acompanha há 20 anos. Até para a Suécia, ele já foi!

 

Falar de Che sempre será polêmico e dividirá opiniões. Sempre haverá o famoso relatório da CIA que o apresenta como um assassino impiedoso e terrorista perigoso. Sempre haverá a história de um cara que viajou por todo o continente sul-americano e viu com os próprios olhos a dura vida de campesinos e trabalhadores. Ele viu a miséria e a opressão dos governos locais – servos das grandes potências mundiais. A luta armada, naquele cenário político em que se encontrava a América Latina, era a única solução para os que não aceitavam os governos ditatoriais. E sempre haverá um fato inquestionável: Che foi morto sem o direito de um julgamento justo. Ao matar Che pelas costas, no fatídico dia 8 de outubro de 1967 – um homem que já estava à beira da morte -, os militares bolivianos e a própria CIA, o tornaram imortal.

 

Em 2013, eu ministrava aulas de Espanhol e tive um aluno – um senhor que me contou uma história intrigante: ele conheceu Che Guevara em Cáceres, quando este seguia para a Bolívia na década de 1960. Também é de conhecimento público, o depoimento do professor Carlos Jorge Reiners (já falecido) sobre a passagem de Che em Mato Grosso. É bem provável que ele chegou à Bolívia por Mato Grosso.

 

 

1972 – Em algum lugar do Altiplano

Se havia algo mais odioso do que Hitler (já declarado morto), no final da Segunda Guerra Mundial, eram os nazistas que conseguiram escapar das tropas aliadas. Muitos vieram para a América Latina porque tinham muitos ‘fãs’ que ocupavam cargos importantes nos governos. Enquanto o ‘anjo da morte de Auschwitz’, Josef Mengele, vivia a sua liberdade no litoral de Bertioga, em São Paulo, Brasil; outro filho do capeta vivia nos trópicos bolivianos: Klaus ‘Barbie’ Altmann.

 

Os dias do oficial nazista na Bolívia começaram a ter um fim, a partir da publicação de uma série de reportagens do jornalista Ewaldo Dantas Ferreira, no Jornal  da Tarde (entre 1972/73).  O paradeiro do nazista conhecido como ‘o carrasco de Lyon’ (também tinha o ‘apelido carinhoso’ de ‘o açougueiro de Lyon’) finalmente havia sido confirmado. Para quem não faz a mínima ideia de quem era Barbie, é importante dizer que ele odiava crianças judias (Anne Frank foi para Holanda para fugir do nazista). Ah, ele também tinha um ódio mortal do líder da Resistência Francesa, Jean Moulin. Após a traição de um ‘amigo’, Moulin foi preso e torturado pessoalmente pelo chefe da Gestapo (polícia secreta alemã), e não resistiu aos ferimentos. O nazista considerava essa morte como um prêmio.

 

Ewaldo foi o primeiro jornalista a entrevistar Barbie na Bolívia por pura sorte do destino. Segundo uma entrevista do jornalista, na época com 81 anos, concedida à revista ‘Problemas Brasileiros’, de março de 2007, a série de reportagens sobre o ‘açougueiro de Lyon’ surgiu após o jornal francês “L’Aurore”, em 1972, publicou que que havia uma suspeita de que o nazista vivia na Bolívia como um comerciante abastado e de muitos contatos com membros do alto escalão do governo. A informação levou os maiores veículos de comunicação do mundo a enviarem os seus  jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas até o país sul-americano em busca de umas das maiores entrevistas do século XX.

 

Barbie, que até então vivia tranquilamente, foge do local porque tinha medo de ser assassinado ou sequestrado. É nessa fuga cinematográfica em que o jornalista brasileiro enviado por “O Estado de S. Paulo” encontra a grande chance da sua vida profissional: foge junto com o nazista num fusquinha pelo altiplano boliviano. Conversa vai e conversa vem, e entrevistas surgem: “Uma grande aventura, trabalhando à noite, fugindo de madrugada e ouvindo as revelações de um homem que matara milhares de pessoas, mas continuava convicto do trabalho que fizera”. (revista Problemas Brasileiros, março de 2007.)

Quando o jornalista brasileiro conseguiu entrevistá-lo, Klaus Barbie já estava condenado à morte (foi julgado e condenado à revelia) e foragido na Bolívia. Durante a entrevista, o nazista defende os seus atos na Segunda Guerra Mundial (para ele, não há nada de ilícito). No seu julgamento na França, ele se considerou ‘inocente’, e disse que não matou judeus, e sim, matou muitas pessoas que lutavam contra a ocupação nazista na França  (ele era o comandante da repressão à Resistência Francesa). Barbie era procurado por todo o mundo, e as reportagens de Ewaldo Dantas Ferreira deram um ponto final à caçada ao nazista. O jornalista também deu uma aula de jornalismo ao mundo quando se recusou a dizer como descobriu o paradeiro de Klaus, mantendo as suas fontes em segredo.

No dia seguinte à publicação do primeiro capítulo da série, o governo francês pediu a extradição do nazista ao governo boliviano (que negou a autenticidade da entrevista). O jornalista teve o cuidado de fazer com que Klaus Barbie assinasse todas as páginas datilografadas do depoimento. Em janeiro de 1983 (dez anos depois da publicação da entrevista), Barbie é preso na Bolívia e extraditado para a França onde foi julgado e condenado à prisão perpétua. Morreu de câncer na prisão em 1991.

 

klaus barbie_julgamento1987frança_reprodução
Em 1987, Klaus Barbie (algemado) é julgado e condenado num tribunal na França, por crimes contra a humanidade. Reprodução.

A série de reportagens foram reunidas no livro ‘Depoimento do SS Barbie=Altmann’. Eu era bem menina quando li esse livro pela primeira vez. Reli outras vezes e sempre me emociono. É um dos livros de não-ficção mais chocantes que já li.  A obra foi relançada em 2003. Bons tempos do jornalismo investigativo!

 

 

2019 – Santa Cruz de La Sierra

Ainda não havia anoitecido, quando um senhor de meia idade, de bigode, cavanhaque e cabelos pintados, caminhava tranquilamente por uma rua movimentada de Santa Cruz de La Sierra. Antes de chegar ao seu destino, esse senhor é abordado por policiais, e sem reagir, levanta as mãos e depois se ajoelha. Imediatamente é levado para dentro de uma van branca, seguida por outros carros com policiais que participavam da abordagem. A movimentação chama a atenção das pessoas que testemunham uma cena de filme hollywoodiano. E não era para menos, o senhor com a cara engraçada (disfarce) é Cesare Battisti, 64 anos – considerado terrorista para a polícia e o governo italianos -, condenado à prisão perpétua na década de 1970, por quatro assassinatos.

 

battisti_aviaoindopraroma.creditopoliciaitaliana
Cesare Battisti (sentado) durante a viagem Santa Cruz de la Sierra-Roma. Ele segue ao destino que tentou fugir por 38 anos: a prisão perpétua. Crédito: Polícia Italiana

Battisti era ex-membro do Proletários Armados pelo Comunismo PAC). Apesar de dizer que não era assassino e sim um perseguido político, há provas contundentes de que matou e também feriu pessoas. Os crimes aconteceram durante os assaltos para subsidiar as ações e a sobrevivência grupo. Antes de se tornar comunista, Battisti já tinha passagens pela polícia por bandidagem.

 

Em 2004, Battisti entra no Brasil depois que viver foragido na França e no México, Em 2010, ele recebe um presente do presidente Lula, que em seu último dia de mandato nega a sua extradição, o que permite ao italiano uma vida livre no litoral paulista. Em dezembro de 2018, o presidente Michel Temer, que também estava em final de mandato, autoriza a extradição. Battisti foge de casa e segue um roteiro ainda não esclarecido, e que tem como destino a Bolívia. Após uma ação conjunta entre as polícias do Brasil, da Bolívia e da Itália, Cesare Battisti dá adeus à liberdade e embarca para Roma – sem passar pelo espaço aéreo brasileiro. Da capital italiana, o prisioneiro seguiu para a temida prisão ‘Cárcere de Oristano’, onde terá como companhia os mafiosos mais perigosos do país. A penitenciária de Segurança Máxima fica na Sardenha, uma ilha circundada pelo mar Mediterrâneo, e região autônoma da Itália.

battisti_carcereoristano_creditoilmessaggero
Fachada do Cárcere Oristano, na Sardenha. O novo lar de Cesare Battisti. Crédito: Il Messaggero.

Cuiabania

Olha só,

Que reunião mais bacana

Neste casarão secular

No oratória tem São Benedito

Nas paredes, retratos antigos

 

Quem está nesta festa?

Cuiabanos de ‘tchapa e cruz’

Pau-rodado também veio

Encantado com o muxirum!

 

Que povo mais festeiro

Liu Arruda com ‘cumadre’ Nhara

Zé Bolo-Flor mais Maria Taquara

E Zé Petetá ‘tchora’ de tanto rir!

 

Julio Müller papeia com Dante de Oliveira

Dom Aquino com os imortais da Academia de Letras

Joaquim Murtinho olha tudo pela janela

Cadê a copa das árvores?

O passado não compreende o presente

 

Que sarau mais democrático

Tem Carlinhos Ferreira e Ivan Belém

Chico Amorim faz coro com o poeta Sodrezinho,

“O lado humano não acompanha o tecnológico”!

Névio Lotufo filmando tudo

Festa como esta não haverá igual

Tem de registrar para posteridade.

E ‘dizque’ depois vai bailar

Vai chamar Marília Beatriz pra dançar

Olha o Dr. Gervásio Leite: um olho na prosa e outro na filha!

 

Aline Figueiredo observa e ri

“Tem ‘aufa’ de artistas plásticos”

Gente boa reunida

Tudo pintado de tinta!
Bela e solícita anfitriã é dona Maria Müller

É o que dizem Marechal Rondon e Ramis Bucair

Um brinde lhe é feito por Rubens de Mendonça

E um poema, como sempre, vem de Silva Freire!
Entre serestas, poemas e francisquitos,

Quem escreve miudinho num pedaço de papel de pão?

É Manoel de Barros, cuiabano de ‘tchapa’, pantaneiro de coração

Enquanto isso, Dicke no “toc toc” da máquina de escrever

Chau, no meio do povo, tudo registra

Será que ele vai querer fotografar a Cuiabá de hoje?
Toda cuiabania reunida

Não dá pra citar todos, mas, todos estão aqui

No belo casarão dos Müller

Os políticos corruptos

Estão bem longe daqui!
Olha só

Adivinha quem não perde um festejo?

É Jejé! É Jejé!

Mas se alguém se espantar porque um filho de Rosário Oeste

Todo de bata e turbante está no meio da ‘cuiabanada’

Eu lhe digo, mesmo que prolongue este poema:

Liga não, Jejé já ‘cuiabanou’ como muitos que estão neste sarau

E Cuiabá é Jejé

Então, está tudo Digoreste!

 

(Bárbara Fontes in Projeto de Poetisa. Cuiabania). Republicação para o Blog da Bárbara Fontes.

 

*Foto de capa: Homenagem aos casarões do Centro Histórico, Orla do Porto. Crédito: Prefeitura de Cuiabá

trabalho de foto-art de Bárbara Fontes

O Amor!

 O AMOR é o BEM na sua essência. O AMOR não é destruidor. O AMOR não é o MAL.

 

Quem diz que ama alguém só será digno de dizê-lo, se desejar o bem para a pessoa amada. Desejar o bem não é quando está junto e naquele romance todo, onde os olhos veem tudo mais colorido e tolerável.
Você descobre que ama alguém de verdade é na separação. Mas não é quando você se encontra no estágio de negação do rompimento do relacionamento. Não…não…isso não é amor, é orgulho ferido.
Não é quando você se encontra no estágio de culpa e tentar fazer de tudo pra reparar as coisas, ou querer reconquistar a pessoa todo custo – dizendo (ou escrevendo) para ela  (e) que tudo vai ser diferente dessa vez. Não…não, isso não é amor, é obsessão.
Não é quando você se desespera ao saber que a pessoa está com outra e pelo jeito ‘vai bem e obrigada’, e vai tentar fazer de tudo para atrapalhar (porque colocou na sua cabeça que ‘só você’ poderá fazer a pessoa feliz, e que está no seu direito de lutar para ter seu amor de volta). Não…não isso não é amor, é desrespeito.
Amor não é quando você se revolta e fica com mágoa da pessoa (principalmente, se você acha que ela te dá falsas esperanças do tipo: ainda não se desligou completamente de você, mas não termina com a outra pessoa, entende?), e você diz (ou escreve) coisas idiotas, amargas e rancorosas (e se arrepende depois, claro!). Não…não isso não é amor, é egoísmo.

AMOR é…

Quando numa noite de céu com poucas nuvens escuras e, ainda sim estrelado, com uma linda e iluminada lua crescente querendo virar ‘cheia’, você decide conversar com DEUS. Conversa sincera, doída e chorosa, você começa o estágio do autoconhecimento: encara a situação – a verdade nua e crua.

 

Na teimosia, tão inerente aos mortais, imagina que ainda é possível elaborar um plano (dessa vez infalível) pra convencer a pessoa ‘amada’ de que ela é a sua ‘alma-gêmea’. Negocia com DEUS para lhe ajudar nessa tarefa, e fica inconformado (a) porque DEUS disse um belo NÃO bem na sua cara (e ainda acha que DEUS não te ouviu direito, afinal, você só tem boas intenções – que custa ajudar, pô!!!).

 

A resposta de DEUS é bem outra, aquela que você não quer ouvir, porém, é uma mensagem profunda e verdadeira, que toca o seu coração, e aí sim, você está no estágio de aceitação e como num ritual fúnebre, você se despede da pessoa ‘amada’ e a entrega nas mãos de DEUS, dizendo bem baixinho: Cuida dela, tá? Então, você a deixa partir, para que ela siga o caminho necessário para a sua evolução espiritual e físico. Agora, você se encontra no estágio do desapego. Você a liberta, e se liberta!

 

Finalmente, está pronto (a) para seguir adiante, com novos planos e sem rancor na alma. Tem prova maior de amor do que aceitar que o outro siga seu destino na paz e na felicidade? Isso é o BEM e sim..sim…isso é AMOR.

 

Nada como o TEMPO

O tempo passará, feridas se fecharão, novas experiências acontecerão, e o que tiver de ser, será. E, se realmente, essa pessoa, que você amou tanto, for o seu destino, ela voltará para que vivenciem um relacionamento mais amadurecido, saudável e equilibrado. Numa relação amorosa, as duas pessoas precisam estar conectadas, e ninguém deve amar demais ou amar de menos. É preciso amar por igual, porque o ato de amar não é competição.
(Bárbara Fontes in ‘O AMOR’ – Projeto de Poetisa – numa manhã de outono de 06 de abril de 2014). Republicação especial para o Blog da Bárbara Fontes.