Boas Vindas ao Blog!

Que alegria! Um novo desafio se apresentou para mim num momento bem interessante: o desejo de continuar no Jornalismo, porém, de uma forma independente. Assim, nasceu o Blog da Bárbara Fontes, que além da produção de matérias e artigos, também, contempla outros segmentos profissionais onde eu atuo há décadas como o Audiovisual/Cinema e a Fotografia. No campo da Literatura, aguardo a publicação do meu livro Projeto de Poetisa e há alguns anos, trabalho numa obra ficcional. Nas Artes Plásticas ainda sou aprendiz na técnica de Aquarela – mas um dia eu chego lá. O blog é um ótimo meio para unir todos essas áreas de interesse e também divulgar coisas bacanas que acontecem por aí, além de noticiar por meio de matérias jornalísticas, o que acontece no Brasil e no mundo.

 

 

 

O que é o bom jornalismo?

pexels-photo-877695.jpeg

É muito frustrante chegar a um certo tempo de carreira profissional e perceber que o trabalho do jornalista, que sempre foi árduo e com grande carga de responsabilidade, tem se tornado um “control C- control V” de matérias alheias (às vezes, muda uma vírgula, uma palavrinha aqui e ali… affss!). Eu vivenciei isso há um tempo atrás, antes desse Blog existir, e afirmo: é frustrante, é “broxante”! Absorver (“chupar” ou plagiar) o trabalho que outro jornalista se dedicou em fazer, conseguiu o “furo jornalístico” e publicou no veículo onde é pago para trabalhar é injusto! Se o furo publicado for realmente de interesse coletivo, a fonte precisa ser creditada. E o jornalista da concorrência que corra atrás do seu furo ou dos desdobramentos que a notícia possa levar.

 

 

Atuar no Jornalismo nesses tempos onde a busca insana é por acessos (cliques, likes, etc) – custe o que custar – é um desafio enorme porque não compete apenas ao jornalista, envolve, também, o veículo de comunicação! Fazer o bom jornalismo é escrever os fatos sem a intenção de prejudicar algo ou alguém. A boa notícia não vê o “bem” ou o “mal” – o fato existe e precisa ser relatado. O bom jornalista não perde tempo “colando” a matéria da concorrência, porque vai apurar, pesquisar, ouvir as partes envolvidas e produzir um texto com sustentação (e isso não é vício jornalístico!! É trabalho correto e ético!). Se o jornalista não é autor matéria (ou do furo) do qual assina, isso precisa estar bem claro. O leitor não pode ser enganado.

 

 

Babi_Selfie

 

Nesses meus 20 e poucos anos de carreira, eu vi de quase tudo (quase, porque eu sei que ainda verei muita coisa nesta vida!) que me trouxeram experiências, senso crítico, reflexões e, sobretudo, o que não fazer na minha profissão (e na vida cotidiana). A cada decepção vivenciada é mais combustível para continuar a fazer o que eu penso ser o correto. Não sou conivente com aquilo que está errado ou que eu considero antiético ou desonesto!

 

 

 

Fazer o bom jornalismo dá trabalho. Não nasce pronto. Cada matéria é um “parto”. Cada notícia publicada gera responsabilidade com a sociedade. Quando eu escrevo sobre alguém, um ser humano está ali, que tem família e uma história de vida! Precisamos ser responsáveis quando decidimos escrever sobre pessoas. Precisamos ter segurança ao escrever sobre fatos. O factual é importante, mas quando é feito com base em especulações e plágios de trabalho de outros jornalistas (que apuraram e foram atrás da notícia) é muito perigoso e um passe livre para a decadência e descrédito.

 

 

Eu desejo que Blog da Bárbara Fontes seja um meio para as pessoas buscarem informações, se divertirem e sentirem bem para prosseguir na labuta do dia-a-dia. E também tem a missão de fazer o bom jornalismo. E para mim, missão dada é missão cumprida!

 

Namastê!

 

Bárbara Fontes

Editora do Blog da Bárbara Fontes

 

*Texto publicado em 21 de março de 2018.

 

~BBF~~BBF~~BBF~~BBF~~BBF~~BBF~~BBF~~BBF~~BBF~~BBF~~BBF~

 

O BLOG DA BÁRBARA FONTES é um site independente e se mantém por meio de recursos próprios e doações dos leitores. Saiba mais:

Campanha “AMIGOS DO BLOG”, acesse aqui e colabore

 

 

BBF nas redes sociais:

Página no Facebook, acesse AQUI.

Grupo no Facebook, acesse AQUI.

Instagram: @barbarafontes2018

LinkedLn, acesse AQUI.

Twitter: @BarbaraFontesBR

Site do BBF: http://www.blogdabarbarafontes.com

Anúncios
vista aérea da Orla do Porto, Cuiabá, Mato Grosso.

Venha Turista: Cuiabá (Atualizado)

Dicas de lugares bacanas para visitar. É dedicado para turistas e mochileiros.

 

 

CUIABÁ ou Cuiabrasa!

Para mim não tem como começar essa série de postagens de dicas para passar um fim de semana em algum lugar do mundo, sem falar da cidade que eu tenho imensa gratidão! Sou de Mogi das Cruzes/SP, e faz muitos anos que vim com a família morar em Mato Grosso. O que tem de calor climático, tem de calor humano! Para saber sobre a história, costumes e tradições da minha amada Cuiabá, acesse aqui.

 

 

Como cineasta, também tive a honra de registrar Cuiabá e e vários locais de Mato Grosso (do meu Canal Bárbara Fontes: Inscreva lá!). Foram dezenas de documentários e vídeos institucionais e compartilho aqui duas obras cinematográficas:

 

 

“Canção Mato-grossense” (Hino de Mato Grosso):

 

“Descubra Mato Grosso”:

 

 

Hei turista, venha para Cuiabá!!!

O que se pode fazer num fim de semana na capital de Mato Grosso? Eu pedi ajuda a uma pessoinha muito querida, o produtor cultural e fotógrafo cuiabano, Manoel Vieira:

 

Manoel Vieira _creditoFredGustavos
Manoel fotografado por Fred Gustavos/Acervo Pessoal.
“Tomar um café no SESC Casa do Artesão, pra conferir a produção de artesanato de todo o estado. Depois, um almoço no São Gonçalo Beira-Rio.”

 

 

 

 

São Gonçalo Beira-Rio é a primeira região habitada pelos bandeirantes que descobriram Mato Grosso. Há muitas Peixarias e lojas de artesanatos, com lindas cerâmicas. O Sesc Casa do Artesão é um lugar muito bacana e está localizado em um dos bairros mais antigos de Cuiabá: o Porto.

 

Tem tanta coisa legal no Porto, que eu também vou dar algumas dicas:

 

 

Ponte com vista para OrlaPorto
Vista da Orla do Porto, da ponte sobre o rio Cuiabá. Crédito Bárbara Fontes
  • Tem a Orla do Porto (há restaurantes, museu, artesanato). Bom para caminhar, andar de patins, passear com os pets entre outras coisas. Dependendo da época tem muitos shows gratuitos e um parque de diversão.
  • Tem o Regionalíssimo – o restaurante de comida típica, premiado pela revista Veja Comer & Beber.
  • Tem o tradicional Mercado do Porto.

 

 

 

 

No bairro do Porto também tem o Sesc Arsenal (amooo!!!). É um dos lugares mais fantásticos de Cuiabá! Na quinta tem o ‘bulixo’ (expressão cuiabana) –  uma feirinha com comes, bebes e artesanatos. Tem Teatro, tem sala de cinema, tem brinquedoteca, tem um restaurante com preço acessível e música ao vivo. Também tem programações especiais durante o ano, como o Palco Giratório que aconteceu no mês de maio. Os eventos no Sesc podem ser cobrados (bem barato) ou de graça. Sempre tem algum evento bacana! Imperdível. Anota aí no seu roteiro de viagem!!!

 

Para fazer compras no Porto, tem o Shopping Popular (tem de tudo!). É  uma região que possui muitos atacadistas (diversos setores). Bem próximo está o Centro Esportivo Dom Aquino, ótimo para caminhadas e exercícios.

 

Para saber mais sobre as unidades do Sesc em Cuiabá, clique aqui.

 

 

Como chegar à Cuiabá?

Saindo do aeroporto internacional Marechal Rondon, que fica em Várzea Grande (nossa VG, cidade-irmã). Tem ponto de táxi no desembarque. Em frente ao aeroporto tem um ponto de ônibus. Para ir ao Porto, em Cuiabá, pegue a Linha 24. A corrida de Uber, de Várzea Grande para Cuiabá é mais barata do que saindo da capital para VG. Em Cuiabá tem uma grande Rodoviária e linhas de ônibus para o centro de Cuiabá (e VG).

 

Hoje em dia é muito fácil se programar para viajar, o google maps está aí para dar uma mão para quem quiser vir de carro ou de moto. É só colocar a origem da saída e o destino final (Cuiabá).

 

Cuiabá é uma cidade grande e muito quente (use roupas leves e protetor solar). Pode fazer frio? Pode sim. Então, pesquise direitinho a questão climática antes de vir. A tendência agora é esfriar no inverno, porém, nunca sabemos direito.

 

Há inúmeros lugares bacanas para visitar em Cuiabá, como lindos parques, o Cine Teatro Cuiabá (no centro). Chegando na cidade, visite o Centro de Atendimento ao Turista (CAT), com atendimento bilíngue. Pegue um mapa e dicas de passeios. Onde encontrar: CAT – Praça Rachid Jaudy, Av. Generoso Ponce, S/N – Centro Norte, Cuiabá/MT. Horário de Atendimento: das 09 às 17 horas.

 

 

Em Cuiabá se come muito bem! Temos pratos tradicionais como a Maria Izabel, a farofa de banana, peixadas e moquecas. Para um fim de semana, há muitas opções de café da manhã, além dos oferecidos pelos hotéis, você pode começar o seu dia no tradicional Dona Eulália e Família, no Sesc Casa do Artesão (dica do Manoel) e em muitas padarias charmosas. Cada dia, você visita um local diferente.

 

O almoço, depois de conhecer as Peixarias do São Gonçalo Beira-Rio, você pode ir ao centro da  cidade e almoçar num lugar que eu adoro: Gabinete Antes do Café (Rua 24 de Outubro, nº 566, Centro). Tem um restaurante de comida caseira, situado no Centro Histórico (anota aí no seu roteiro, merece uma visita), o Cheiro Verde (Rua Cândido Mariano, 101. Tel: 65- 3023.1331). Nessa região tem muita coisa bacana e muita arte! aguarde uma postagem especial sobre o Centro Histórico.

 

No meio da tarde, você pode experimentar o Chá c’ bolo – tão tradicional quanto a devoção a São Benedito! E por falar no santo, tem festança chegando aí! Também pode comer pastel na feirinha que fica entre a Catedral e o Palácio da Instrução (lindo prédio!).  A noite, há muitas opções como bares, restaurantes (para todos os gostos e bolsos) e o icônico Lucius do Caju (anota ai! O bar fica na Rua candido mariano 1371, conhecida como rua das óticas. Aberto de terça a sábado, a partir das 18h. Tel: 65-99281.5634). Imperdível também é comer um lanche que só tem em Cuiabá: o BAGUNCINHA!! Depois de uma baladinha (tem para todas as tribos),  você precisa tomar o escaldado cuiabano (no Choppão, claro!). Também há restaurantes de alta gastronomia. Conheça os lugares premiados pela revista Veja Comer & Beber 2019 aqui.

 

 

E a melhor dica de todas é: VENHA PARA CUIABÁ!!

*Foto de capa: vista aérea da Orla do Porto. Crédito: Prefeitura de Cuiabá/Facebook.

 

 

O BLOG DA BÁRBARA FONTES é um site independente e se mantém por meio de recursos próprios e doações dos leitores. Saiba mais:

Campanha “AMIGOS DO BLOG”, acesse aqui e colabore

 

 

 

ATENÇÃO

As matérias, reportagens e qualquer outro conteúdo produzido possuem direitos autorais, isto é, exclusivo do Blog da Bárbara Fontes e foi pesquisada, apurada, escrita e publicada por sua editora, Bárbara Fontes. Cada pauta tem um custo e exige muito trabalho para fazer! O plágio é uma atitude covarde e que não deve ser tolerada. Portanto a autora NÃO AUTORIZA a reprodução/veiculação em outros sites, blogs e plataformas (qualquer uso na internet). Também NÃO AUTORIZA a reprodução/veiculação em veículos de comunicação (TV, emissoras de rádio e qualquer meio impresso). Plágio é crime!

A MORTE

Tem gente que pede pra morrer e não morre. Tem gente que tenta morrer e não morre. Tem gente que odeia viver e não morre. Tem gente que ama viver e morre. Tem gente que tenta viver e morre. Tem gente que pede pra viver e morre. Tem gente que joga o carro num poste e não morre. Tem gente que se joga do penhasco e não morre. Tem gente que toma veneno e não morre. Tem gente que sem saber, morre. Tem gente que cai sem querer e morre. Tem gente que está numa calçada e morre. Tem gente que ridiculariza a vida e não morre. Tem gente que respeita a vida e morre. Tem gente que quase suicida, mas não morre. Tem gente lutando por cada segundo de vida e morre. Tem gente chama a morte e não morre. Tem gente que tem uma semana de vida e não morre. Tem gente covarde e que não morre. Tem gente que é herói e morre. Tem gente que mata e não morre. Tem gente que salva e morre. Tem gente que coloca fio no pescoço e não morre. Tem gente que está por um fio e morre. Tem gente que ri para a morte e não morre.Tem gente que acordou feliz depois de uma linda noite de amor e morre.

Se tem gente querendo morrer, por que ‘cargas d’água’ , a morte insiste levar quem só quer viver?

(Bárbara Fontes. Maio de 2016)

Cinema

Cineasta participa da “Sessão Realizadores de Mato Grosso”, no Cine Teatro Cuiabá

 

Os fãs de “Cinema Documentário” têm a oportunidade de assistir no Cine Teatro Cuiabá, no dia 21 de maio, às 19h30, duas obras cinematográficas da cineasta premiada e jornalista Bárbara Fontes: o curta “Sayonara” e o longa “Vila Bela: Terra de Colores”. Após as exibições, a cineasta que iniciou na carreira em 1994, vai conversar com o público.  As exibições fazem parte da programação do evento “Sessão Realizadores de Mato Grosso”, do Cine Clube Coxiponés, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

 

“Sayonara”:

Sayonara_doc
Bastidores do documentário “Sayonara”. Acervo Pessoal de Bárbara Fontes

Fruto do curso Cinema Documentário: da teoria à prática, ministrado por Bárbara Fontes em parceria com a UFMT, por meio da Escola de Artes, do Cine Clube Coxiponés e da TV Universidade. A obra cinematográfica resgata as memórias da lendária casa de shows ‘Sayonara’, em Cuiabá. A direção geral é de Bárbara Fontes com a participação dos alunos do curso. O documentário participou de Festivais, Mostras de Cinemas e de Sessões Especiais no Brasil e no exterior.

 

 

“Vila Bela: Terra de Colores”:

Babi_VilaBela
Bárbara Fonte filma em Vila Bela da Santíssima Trindade (MT).

Premiado pelo programa nacional de fomento ao Cinema Documentário, o DOCTV (2º Edição), e tornou Bárbara Fontes, a primeira cineasta mulher de Mato Grosso a vencer o concurso. O documentário conta quatro histórias que se entrelaçam sobre a primeira capital de Mato Grosso, Vila Bela da Santíssima Trindade – da sua idealização em Portugal até os dias atuais. A obra cinematográfica é resultado de anos de pesquisa histórica realizada em Mato Grosso, no Rio de Janeiro e acervos em Portugal.

 

 

Bárbara Fontes:

Babi_arne_doc
Bárbara Fontes nas filmagens com o cineasta Arne Sucksdorff, em Estocolmo/Suécia (2001).

 

Bárbara Fontes é jornalista, cineasta documentarista, roteirista, produtora, fotógrafa e poetisa. Em 25 anos de carreira, trabalhou em mais de 60 obras audiovisuais, seja como diretora, roteirista, produtora, co-produtora ou como consultora. Entre as principais estão “Arne Sucksdorff: uma vida documentando a vida”; “Canção Mato-Grossense (Hino de Mato Grosso)”. Em 2017, dirigiu o vídeo-poema “A Mangueira”, que fez parte da exposição de arte “Natureza: Substantivo Feminino”. Atualmente trabalha na pré-produção (Pesquisa e elaboração do Roteiro Cinematográfico) do documentário “Pantaneiras” (as pesquisas se iniciaram em 1999) e na pesquisa histórica sobre as origens indígenas da sua bisavó, que pertenceu à etnia Puri, do Rio de Janeiro. Bárbara Fontes é editora do blogdabarbarafontes.com.

 

Babi_Nambikwara
Bárbara filma com os Nambiquaras (MT), em 2006.

 

Serviço

Babi_CineTeatroCuiaba_cinema_Capa

Sessão Realizadores de Mato Grosso: Bárbara Fontes

Filmes exibidos:

Sayonara (Bárbara Fontes, 2008, 20’)

Vila Bela: terra de colores (Bárbara Fontes, 2005, 55’)

Dia: 21 de maio (terça-feira)

Horário: 19h30

Duração do evento: 01h30

Local: Cine Teatro Cuiabá

Ingressos: Será cobrada uma taxa de manutenção do Cine Teatro Cuiabá.

R$ 4,00

R$ 2,00

 

 

Saiba mais:

Programação completa do mês de maio, do Cine Teatro Cuiabá aqui.

Daquilo que eu sei

Quem sou eu?

 

Algumas décadas de vida

Duas e meia de profissão

Uma década e meia de maternidade

E uma alma milenar…

….

Eu já vi quase tudo

Ouvi muitas asneiras

E coisas sábias

Já senti coisa boa

E coisas não tão boas….

Já amei

Desamei

Quase desisti de amar

E Amei de novo

Quebrei a cara

Jurei que não amava mais

E amei de novo…

….

Na verdade,

Eu sou aprendiz da vida

Sobrevivente de tormentas e furacões

Testemunha da bonança que vem depois da tempestade

Sou colecionadora de pôr-do-sol

E de arco-íris

No fundo de meu “eu”

Sempre há uma luzinha acesa

Mesmo quando há cegueira

E tudo é tão escuro e frio

O jeito é respirar fundo

Enfrentar o luto

E ir à luta

Chorar é bom

Mas, bom mesmo

É ser feliz!

(Bárbara Fontes, Projeto de Poetisa/Dezembro de 2018)

 

♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣

Querido leitor (a) do Blog da Bárbara Fontes,

 

Sabe quando mudamos para melhor?

Quando decidimos mudar!

O medo de nada der certo (de novo) faz parte dos temores de quem quer mudar para melhor. Enfrente esse medo feroz que povoa a mente! Se chegamos até o século XXI é porque os nossos ancestrais enfrentaram feras, fome, frio, solidão, perseguição, decepção e a morte. Então, nós conseguiremos também!

 

Decidir mudar para melhor significa abdicar do que nos fez mal.

As pessoas mudam?

Acredito que sim, mas nós não precisamos pagar pra ver (de novo). Então, cabeça erguida e olhe para frente – mesmo que a tentação de olhar para trás seja grande. Assumir que a tentação existe é uma passo importante para enfrentá-la. Se o que deu errado no passado pode dar certo no futuro, só o PRESENTE dirá, mas não vamos pagar pra ver.

 

Flor_biancafontes

 

Vamos trabalhar em todos os sentidos da vida para pagar pra ver e ter uma vida melhor e feliz. Vamos pagar as dívidas dos boletos que aparecem todos os meses; vamos pagar para se divertir com os amigos; pagar aquela viagem tão sonhada; pagar aquele vinho delicioso e….quem sabe ao lado de uma companhia que não precisou pagar pra ver.

 

É muito, muito fácil alguém estar conosco nos momentos de fartura; difícil é continuar nos momentos de dificuldades. Difícil é receber o colo que necessitamos num momento crucial. Então, o primeiro passo para mudarmos para melhor é escolher quem estará em nossas vidas. Não precisamos de repetir erros. Não precisamos de mendigar amor e atenção. Não precisamos pagar pra ver o que não dá mais certo!

 

Esta é a última semana de 2018. Que ano difícil!!! Que ano mais triste, mais intolerante, mais tempestuoso.

2018 pode ser o ano em que as “máscaras caíram” e que saímos machucados e aterrorizados pelas verdades da vida.

2018 foi o grande ano também! Cheio de ensinamentos, cheio de “puxões de orelhas”. Foi o ano das verdadeiras amizades também – daquelas que nascem quando você menos imagina!!!

 

Gratidão 2018!!! Pelas lições que me ensinastes!

 

 

 

Poeminhas

Palavras verdadeiras
Tocam a alma da gente
Fazendo-nos chorar
Feito criança de berço.
(Bárbara Fontes in Projeto de Poetisa, 12/04/2018, 4h40 A.M.)
***********&&&&&&&***********&&&&&&&***********&&&&&&&

 

Como é que pode, um ser como eu,
tão pequenina diante da grandiosidade divina,
de tantos poetas benzedores de alma e de mente,
querer ser poeta também?

Na minha santa ignorância,
Diante da sabedoria dos poetas,
Eu, também, querer poetizar o sol, a água, a lama e a larva
que insistem derramar sobre o velho PantanaR?’

(Para Manoel de Barros, Poema II. Bábara Fontes in Projeto de Poetisa, abril/2013)
***********&&&&&&&***********&&&&&&&***********&&&&&&&