conta de energia

Tarifa Social

Quem tem direito ao benefício?

 

Segundo dados do projeto Nossa Energia, realizado pela Energisa Mato Grosso, nos primeiros quatro meses de 2018, mais de 12 mil famílias são beneficiadas com a Tarifa Social de Energia Elétrica que possibilita desconto na conta mensal. No total, são mais de 137 mil clientes recebendo o benefício em todo Estado.

 

Como o benefício é concedido?

65% de desconto para clientes que consomem até 30kWh/mês;

40% de desconto para clientes que consomem acima de 30kWh/mês até 100 kWh/mês;

10% de desconto para clientes que consomem acima de 100 kWh/mês até 220 kWh/mês.

ATENÇÃO: Acima de 220 kWh/mês não tem desconto.

 

Como obter o benefício?

É necessário se cadastrar na Tarifa Social e estar adimplente, isto é, com a última fatura de energia quitada. Deve possuir cadastro no NIS em Mato Grosso e ter renda per capita de até meio salário mínimo. Todos estes pré-requisitos são definidos pelo Governo Federal e passam por uma análise antes da confirmação do benefício.

Para solicitar o benefício, o cliente pode procurar uma das agências da Energisa Mato Grosso ou uma das unidades móveis do projeto Nossa Energia (que circula por todo Estado), com documento pessoal com foto e conta de luz em mãos.

Saiba mais sobre a TARIFA SOCIAL aqui.

Anúncios
Jantar da Energisa para imprensa

Energisa

A Energisa anuncia: Vem reajuste aí! Saiba o porquê.

Riberto José Barbanera, Diretor-presidente da Energisa Mato Grosso, anunciou ontem, 28 de março, que a partir do dia 8 de abril, haverá um reajuste na tarifa da conta de energia. Mais um aumento na ‘conta de luz’, dirão muitos consumidores. O Blog da Bárbara Fontes acompanhou o anuncio, fez algumas perguntas, e abaixo segue alguns pontos importantes:

* Por que reajustar a tarifa?  

Riberto José Barbanera, diretor-presidente da Energisa Mato Grosso
Foto: Bárbara Fontes

Segundo Riberto Barbanera, o reajuste é, na verdade, uma revisão tarifária, isto é, ocorre a cada cinco anos. Não é uma decisão da Energisa, e sim, por força da Legislação do setor elétrico, que estabelece que o poder concedente (a Federação que reúne o setor) vai olhar para todos os investimentos realizados pela empresa (no caso de Mato Grosso, é a Energia que tem a concessão para distribuir energia elétrica), no período (5 anos) e remunerá-la. Essa revisão tarifária, permite a empresa atender novos clientes (sim, há muitas famílias sem energia elétrica em Mato Grosso e no Brasil!), e melhorar a qualidade dos serviços prestados. As distribuidoras/concessionárias são a ponte entre os produtores/geradores de energia com a sociedade, possibilitando que todos nós possamos acender as luzes de nossas casas; as indústrias operarem máquinas, enfim, tudo que precisa de energia elétrica para o conforto, necessidade e desenvolvimento de nossa vida cotidiana.

 

* Como é composta essa revisão tarifária?

Para remunerar as distribuidoras/concessionárias que investiram no período de cinco anos, são considerados: valores de compra de energia; ações de combate à perdas que estão associadas dentro da distribuidora; os investimentos realizados; e todos os encargos setoriais que a empresa têm de arcar todos os anos.

 

* O que são ações de combate à perdas?

'Gatos' na eletricidade
Foto: Robson Fernandjes/AE

Sabe aquele ‘gato’ que muita gente faz para obter energia sem pagar? Além de ser crime, o gato traz prejuízos a todos brasileiros e brasileiras de bem, e que dão duro na vida honestamente. As concessionárias, também, são prejudicadas porque compraram a energia de um produtor/gerador, e precisam repassar ao consumidor (que todo mês, recebe a conta). A pessoa que faz o ‘gato’ está roubando energia que poderia estar sendo usada nas indústrias que empregam milhares de trabalhadores; nos hospitais, nas escolas, e nos lares. Já pensou, você chegar em casa, depois de um dia cansativo, querer tomar um banho gostoso, esquentar a comida no micro-ondas e ver TV, na santa paz, e descobrir que está sem energia porque algum vizinho fez um ‘gato’ ou outra gambiarra que deu errado e comprometeu todo fornecimento da vizinhança. Então, tenhamos a consciência de que fazer ou apoiar o ‘gato’ não é legal (em todos os sentidos da palavra).

A inadimplência, até um determinado limite de valor, também, faz parte dessas perdas que a distribuidora de energia terá ressarcimento com a revisão tarifária. A inadimplência de alguns, onera todos os consumidores, por isso, é importante quitar as dívidas. A dica é: chegou a conta e está muito cara, procure imediatamente a concessionária de energia de seu Estado. Negocie! Outra forma de não levar susto com a conta do mês, é economizar! Se o ventilador e a geladeira não podem ser desligados, poupe em outras coisas, como o chuveiro elétrico, o ferro de passar e nas lâmpadas acessas. Utilize o essencial! Em Mato Grosso, o uso de ar-condicionado é essencial, mantenha o filtro sempre limpo e o ligue somente quando for necessário.

 

* Qual é a porcentagem dessa revisão tarifária?

O reajuste previsto (será anunciado no dia 3 de abril), é em média de 8,4%. Para clientes industriais, está em torno de 2,5%, e para clientes residenciais e pequenos comércios, é de 10%. Por que essa diferença de valores? O investimento que a concessionária faz para que as indústrias possam ter energia, é menor do que o investimento para o fornecimento para as residências e comércios menores (ambas unidades consumidoras). Mais um motivo para ninguém aceitar o ‘gato’ na vizinhança!

 

* Como virá esse reajuste na conta?

Será a partir do dia 8 de abril, porém, como todos os dias têm faturas chegando aos consumidores – pode variar o período dela. As faturas de 1 de abril até o dia 30 de abril: os sete primeiros dias serão com a tarifa antiga e os 23 dias serão pela tarifa nova. É proporcional, a partir do dia 8 de abril.

 

* Por que a data de 8 de abril?

O reajuste  não é um presente de aniversário para Cuiabá. Esse data se refere à compra da antiga Rede Cemat pelo grupo Energisa. E segundo a legislação, a cada cinco anos, a revisão tarifária deve ser efetivada na mesma data da aquisição da concessionária.

 

* E os reajustes que acontecem nesse intervalo de cinco anos?

O que existe é o reajuste anual de tarifa, baseado na inflação. Por isso que a conta de energia, em todo Brasil, sobe.   

 

* Por que a energia é tão cara em Mato Grosso?

Segundo o ranking das tarifas de energia, da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a tarifa (sem impostos e outros encargos) cobrada pela Energisa, é a 43º mais cara do país. Ao contrário do que muitos imaginam, a energia de Mato Grosso não é a mais cara do Brasil. O que encarece, são os quase 40% de tributos (impostos federal, estadual e municipal). Atualmente, não há nenhum interesse dos governos em diminuir o valor dos tributos, se isso ocorresse, diminuiria consideravelmente o valor apresentado na conta de energia.

Apresentação EnergisaMT/Foto: Bárbara Fontes

Para melhor compreender como funciona esses repasses (em porcentagem), vamos supor que você recebeu a sua conta de energia no valor de R$ 100,00. Veja como é distribuído esse valor:

– 21,58% do valor arrecadado na conta de energia, vai para a distribuidora (Energisa MT), para pagar folha de pagamento; contratação de serviço; comprar material; investir no setor elétrico; melhorar a qualidade do serviço prestado; fazer o atendimento ao cliente; e realizar todas as operações da empresa.

  – 39,19% do valor, a concessionária compra energia dos produtores/geradores (via leilão), pagam aos transmissores (os linhões) para a energia chegar até Cuiabá.

– 39,23 % do valor, são tributos: PIS e Confins (Federal); ICMS (Estadual); CIP (Municipal). A respeito da Contribuição de Iluminação Pública (CIP), a rua que vive escura ou com o poste sem lâmpada, não é da responsabilidade da concessionária de energia, e sim, da prefeitura!!

Diante do que foi exposto, fica claro que os tributos encarecem a conta de energia e, é um dinheiro certo na conta dos governos que deveriam ser investidos, imediatamente, para a melhoria de vida população.

Acesse o ranking da ANEEL aqui.