300 anos de Cuiabá

Série ‘Saudades de Cuiabá’: cuiabanos contam sobre suas vidas em outros lugares

Viviane Spinelli

Eu sempre admirei a arquiteta e produtora de cinema Viviane Bressane Spinelli. A sua trajetória de vida me inspira.

 

Vivi_familiainfância
Álbum de família: da esquerda para direita: Rodrigo, Bia, Viviane, Tom e Marina. Acervo Familiar/Facebook.

 

 

 

Nascida em Cuiabá em março de 1969, a sua família é pioneira na capital de Mato Grosso. Seus pais, Tom e Bia Spinelli pessoas conhecidas, assim como os seus irmãos Rodrigo e Marina.

Viviane poderia muito bem viver em Cuiabá onde teria todas as condições para seguir em qualquer carreira e uma vida financeira estável, porém, ela sempre quis mais e desbravar o mundo fazia parte dos planos.

 

 

Vivi_irmãos
Rodrigo, Marina e Viviane. Acervo Familiar/Facebook

 

 

Sempre que é possível, Viviane vem para a Cuiabá, como aconteceu em março deste ano onde comemorou com a família e amigos de infância e adolescência, o seu aniversário de 50 anos.

 

Vivi_Tanira1
Tanira e Viviane na comemoração de aniversário de 50 anos, em Chapada dos Guimarães/MT.

 

Atualmente mora em Miami (Flórida/EUA), com a médica brasileira, Tanira Belloc, também radicada nos país. Este ano, Viviane completa 26 anos em que vive nos Estados Unidos.

 

Ordem de Rio Branco

Em agosto de 2018, ela recebeu a Comenda da Ordem de Rio Branco das mãos do embaixador Adanio S. Ganen, pela a sua contribuição à Cultura brasileira em Miami.  O evento, realizado pelo governo brasileiro e o IItamaraty/ Ministério das Relações Exteriores, aconteceu no Consulado Geral do Brasil, em Miami. A medalha é a maior condecoração oferecida fora do país. Segundo o Itamaraty, há uma frase em latim gravada: “Ubique Patriae memor”, que significa “Em qualquer lugar, terei sempre a Pátria em minha lembrança”. Numa entrevista concedida para a revista Brazil/USA – South Florida, Viviane Spinelli disse:

Trabalhamos incansavelmente pela divulgação e comercialização de nossa cultura no Brasil, mas principalmente no exterior, com a realização do Circuito Inffinito de Festivais, que produz festivais de cinema exclusivamente brasileiro em várias cidades do mundo.”

 

Vivi_folder1
Viviane ministrou uma palestra sobre o Brazilian Film Festival, num evento internacional de negócios, nos Estados Unidos. Acervo Pessoal.

 

Viviane é formada em Arquitetura, na Universidade Santa Úrsula, no Rio de Janeiro, em 1991. “Eu morava com a minha avó”, disse. Depois de formada, retorna para Cuiabá onde montou com primo Newton Spinelli Palma a empresa Ayra Arquitetura e Construção.
Em 1994, após conseguir juntar dinheiro, viajou para a Califórnia para estudar inglês. Em 1997, já morava em Miami, e ao lado da produtora de cinema, Adriana  Dutra e da irmã Cláudia Dutra fundam a produtora de cinema, Inffinito. Entre as realizações da empresa está o Brazilian Film Festival, que este ano segue para a sua 23º edição.

 

22FestivalBrazilianFilmFestival_CacáDiegues
O cineasta Cacá Diegues recebeu homenagem no 22º Brazilian Film Festival (2018), em Miami/EUA. Acervo Familiar/Facebook

O Blog da Bárbara Fontes bateu um papo com Viviane Spinelli em dois momentos. O mais recente aconteceu esta semana, durante as suas férias em Punta Cana.

Blog da Bárbara Fontes: Viviane, por que realizar um festival brasileiro de cinema nos EUA?

Viviane Spinelli: A gente queria mostrar para os Estados Unidos que o Brasil não era só samba e futebol. Também tem Cultura e Cinema, e essas coisas não eram vistas lá. A ideia era exibir filmes brasileiros e músicas. Foi uma forma de mostrar a Cultura brasileira.

BBF: Em março, você esteve em Cuiabá onde comemorou o seu aniversário de 50 anos. Como foi esse momento de reencontro com a família e amigos?

Viviane Spinelli: Meu aniversário foi um momento especial na minha vida e celebrar com a minha família foi mágico e muito importante! Nós não só celebramos meus 50, como também a recuperação da saúde de minha irmã. Então foi um evento bem privado, com a família e amigos mais próximos meus e dela.

BBF: A respeito de Cuiabá, o que você mais tem saudades ou sente falta?

Viviane Spinelli:  Sinto saudades das coisas mais simples, como os almoços barulhentos com toda família e da minha infância onde comíamos fruta do pé, como manga, jaboticaba e goiaba (que tínhamos em casa) e também uma fruta vermelha ácida, que chamávamos de jacote e agora acho que chamam seriguela e caju fruta típica de MT que tinham na chácara do meu padrinho tio Vasquinho, onde varias famílias se reuniam todo domingo. Aliás esses amigos de infância da chácara e que em parte ainda fazem parte da minha vida e de meus irmãos, e que estiveram presentes na minha celebração de 50 anos.

BBF: Quais são os seus planos para o decorrer deste ano?

Viviane Spinelli: Meu plano pra 2019 é produzir o 23 Brazilian Film Festival of Miami em setembro. Também quero expandir a minha produção audiovisual em Miami em 2019.
E já estou trabalhando com dois amigos, Jade Matarazzo e Mauricio Ferrazza para isso. Ano passado realizei 2 projetos: direção de produção de uma série de tv, Opção América, direção da Adriana Dutra minha sócia. Foi filmado em maio de 2018 e conta a história da imigração latino americana pra Miami nos último 20 anos. Abordando a situação política de Argentina, Colômbia, Bolívia, Haiti, Cuba, Venezuela e também Brasil, e o porque dos 7 personagens terem optado por Miami. Serão episódios distintos de casa um deles. A série está em fase de pós produção e será veiculada no Canal Brasil no segundo semestre desse ano. Também fiz a direção e edição, no fim do ano passado, de um documentário em Tributo a Miguel Perrotti. Um querido amigo, investidor e filantropo, que faleceu e teve como último legado o apoio a um mural do artista Kobra.

Saiba mais:

Site da Inffinito aqui:

Foto de capa: Viviane Spinelli recebe a Comenda da Ordem de Rio Branco das mãos do embaixador Adanio S. Ganen.

 

 

Anúncios

Centenário do IHGMT

A instituição que guarda a memória de Mato Grosso completa 100 anos hoje.

O Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso tem em seu acervo de valor incalculável, documentos que registram os passos da região do Centro-Oeste mais bem documentada do país.

Quando os bandeirantes adentraram na selva já possuíam informações sobre os bravos e fortes guerreiros indígenas que reinavam essas paragens que hoje abriga o celeiro do Brasil – eles eram mercadoria de grande valor na época.

E o ouro? As monções paulistanas não vieram atrás de ouro – Mato Grosso jamais seria descoberto se os bandeirantes não tivessem a certeza de que a região fosse ‘rica’ em…índios!

Depois da fundação do primeiro povoado de São Gonçalo – aí sim por causa do ouro -, os bandeirantes lutavam contra os índios (a dizimação continuou) para a ocupação de novos territórios auríferos. Assim sugiram os povoados do Coxipó do Ouro, do Sutil, a ocupação do que é hoje o Centro Histórico de Cuiabá, entre outros locais importantes para a lenta urbanização da cidade.

Em 17 de agosto de 1818, Cuiabá recebeu o status de cidade. Em 28 de agosto de 1835, Cuiabá “passa a perna” em Vila Bela da Santíssima Trindade (que foi arquitetada em Lisboa para ser o centro do poder), e se torna a capital do estado de Mato Grosso.

Muitas “águas rolaram” e uma Guerra terrível marcou a vida dos moradores de Mato Grosso: A Guerra da Tríplice Aliança ou a Guerra do Paraguai. Tudo sobre essa carnificina surgida da loucura do presidente paraguaio Solano Lópes está documentada (inclusive há fotografias!!). Atualmente, essa parte da história do Brasil passa por uma revisão por um grupo de historiadores.

Os registros históricos acima são uma pequena parcela da magnitude do acervo do IHGMT, criado em 01 de janeiro de 1920, porém, as atividades de seus primeiros membros começaram em 8 de abril, quando Cuiabá completou 200 anos. A instituição é presidida pela historiadora e professora, Elizabeth Madureira Siqueira.

O IHGMT tem importante papel também nas pesquisas relacionadas à História, Geografia, Literatura e Cultura Popular. Por meio de sua revista, tudo o que era descoberto – seja um documento antigo encontrado ou o resultado de uma viagem científica ao interior do estado – era publicado na íntegra. É maravilhoso ler essas publicações até hoje!

 

Cuiabá 300 anos

Segundo informações obtidas no site do IHGMT:

Para comemorar condignamente o centenário da Instituição, o IHGMT projetou diversas ações, como a confecção de um Álbum Histórico, de uma Cápsula do Tempo, na qual será depositada uma amostragem da instituição nos seus primeiros 100 anos, a outorga de um Troféu para agraciar os colaboradores, organização da um Curso de História e Geografia de Mato Grosso, a ser desenvolvido no primeiro semestre de 2019, e a instituição de um Colar Centenário.”

Site novo

Qualquer pessoa pode ter acesso às revistas e tomar conhecimento das atividades do IHGMT. Não precisa se deslocar até à sua sede, na Casa Barão de Melgaço, no Centro Histórico de Cuiabá, basta acessar o site e se preparar para uma viagem incrível!

 

Saiba mais:

Acesse o site IHGMT aqui.

IHGMT está com novo site

Fundado em 01 de janeiro de 1919 – ano do bicentenário de Cuiabá – numa solenidade no Palácio da Instrução, o Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso (IHGMT) guarda relíquias da memória do Estado.

A instituição que completa 100 anos é presidida pela historiadora e professora, Elizabeth Madureira Siqueira, e possui um acervo de valor incalculável que está disponível para pesquisas na sede ou em qualquer lugar do mundo. Documentos, registros, atas, livros, fotos vídeos podem ser acessados pelo novo site do IHGMT, lançado na manhã do dia 19 de novembro, na Casa Barão de Melgaço, no Centro Histórico de Cuiabá.

O site possui um layout bonito e de fácil acesso. É uma ferramenta preciosa para historiadores, pesquisadores, alunos e interessados na história de Mato Grosso – que desde a sua descoberta pelos bandeirantes foi toda documentada. Muitas famílias de intelectuais falecidos têm doado acervos para o IHGMT.

 

IHGMT_site2

IHGMT recebe novos sócios

O Instituto conta agora com mais seis Sócios Efetivos, selecionados por Edital em dois certames: avaliação curricular e entrevista. A solenidade de posse ocorreu no dia 16 de dezembro, na Casa Barão de Melgaço.

novos_socios_01_IHGMT
O Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso recebe os novos sócios efetivos. Reprodução/site IHGMT

Os selecionados são referências importantes nas áreas em que atuam. Também possuem uma rica produção literária, e muitos contribuem no jornalismo por meio de artigos. Confira abaixo os novos Sócios Efetivos:

 

Área da Geografia:

Flávio Gatti – doutor em Geografia Humana, professor universitário e escritor.

 

Área da História:

Neila Maria de Souza Barreto – Mestre em História, jornalista e escritora.

Renilson Rosa Ribeiro – Doutor em História, escritor.

Francisco Ildefondo da Silva Campos – Mestre em Agricultura Tropical e escritor.

 

Área da Cultural e Literária:

Eduardo Mahon – advogado e escritor.

 

Área do Turismo e Meio Ambiente:

Oriana Paes de Barros – Procuradora Federal aposentada e escreve artigos para a imprensa de Cuiabá.

 

Saiba mais:

Conheça o site IHGMT aqui.