Sistema financeiro

Proteção que evita ataques a caixas eletrônicos cresce no país e assaltos diminuem

Dispositivos com tinta especial colorida que inutilizam cédulas nos casos de ataques a caixas eletrônicos (ATMs) já foram instalados pelos bancos, até o último mês de maio, em 75,6% dos ATMs instalados em municípios brasileiros com até 50 mil habitantes. Nas cidades entre 50 mil e 500 mil habitantes, 30% dos ATMs já têm a tecnologia do entintamento.

A medida faz parte do compromisso dos bancos de combater a esse tipo de crime, e adequar-se à nova legislação. A lei 13.654, de abril de 2018, introduziu importantes alterações no Código Penal, com o objetivo de reprimir furto de caixas eletrônicos, ao criar novas qualificações no caso de emprego de explosivo, além de alterar a Lei nº 7.102, de 20 de junho de 1983, determinando que as instituições financeiras instalem equipamentos capazes de inutilizar cédulas de moeda corrente.

O número de ataques a caixas eletrônicos no país teve uma queda de 43% de no período entre janeiro e maio deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo informou Walter Faria, diretor-adjunto de Operações da FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos, em audiência na Câmara dos Deputados, realizada no final de junho. Para o executivo, parte desta redução é decorrente da instalação dos dispositivos de entintamento das notas pela rede bancária, e parte se deu em função de ações empreendidas pelos órgãos de segurança Estaduais e Federais e Exército.

De acordo com a legislação, para municípios com até 50 mil habitantes, os bancos teriam, a partir da promulgação da lei, 9 meses para implantar a tecnologia em 50% dos ATMs, e 18 meses para instalação em 100% dos caixas eletrônicos, prazo que se encerra em novembro deste ano. Atualmente, o parque de caixas eletrônicos no país conta com aproximadamente 168 mil unidades.

 

IMG_05150_BCNotasManchadaseditB_Febraban
Reprodução: Febraban

 

Nas cidades entre 50 mil e 500 mil habitantes, 30% dos ATMs já têm a tecnologia do entintamento. Neste caso, o prazo previsto na lei é de até 24 meses para a total instalação (abril de 2020). Já, nos munícipios com mais de 500 mil habitantes, 29% do parque de caixas eletrônicos contam atualmente com os dispositivos de tinta especial. Os bancos têm até 36 meses, em abril de 2021, após a publicação da lei, para atingir 100% dos ATMs dessas cidades.

“O sistema financeiro está priorizando a instalação de tinta especial nos ATMs em locais onde ocorrem as maiores incidências de ataques a caixas eletrônicos, para trazer a segurança necessária a estas cidades e sua população”, afirma Pedro Oscar Viotto, diretor setorial de Segurança Bancária da FEBRABAN, durante a audiência pública na Câmara dos Deputados. “Nossa expectativa é ter a tecnologia do entintamento instalada em todo o parque de ATMs do país antes mesmo do prazo final.”

De acordo com legislação, as instituições financeiras que oferecem ATMs para seus clientes poderiam optar por tinta especial colorida, pó químico, ácidos insolventes, pirotecnia, ou qualquer outra substância, desde que não pusessem em perigo os usuários dos caixas eletrônicos. Walter Faria explica que, por questões de segurança, os bancos optaram pela tinta especial, a mesma usada pela Casa da Moeda para a fabricação de cédulas, que é um produto indelével – a tinta fixa no papel e não é possível apagá-la nem eliminá-la.

“Os bancos já tinham experiência e bons resultados com o entintamento de cédulas em caixas eletrônicos antes mesmo da promulgação da lei, porque sempre estão investindo em recursos e novas tecnologias para coibir ataques aos ATMs”, diz Faria. “Nada impede que num futuro próximo, as instituições migrem para outras tecnologias mais eficazes para inutilizar as cédulas”, acrescenta. Os outros dispositivos autorizados na legislação, segundo Faria, poderiam trazer riscos de segurança  para os clientes e para os funcionários do banco ou da transportadora de valores que manuseassem o ATM. Faria explica que no caso de eventual recebimento de cédula que esteja manchada com tinta, mesmo em pequena quantidade, o cliente deve entregar o dinheiro para sua instituição financeira, que irá enviar o numerário para análise no Banco Central.

 

 

Queda nos assaltos

Um levantamento com 17 instituições financeiras que respondem por mais de 90% do mercado bancário, entre elas os principais bancos de varejo do País, mostra que, ao longo de 2018, foram realizados cerca de 171 assaltos e tentativas de assaltos a agências bancárias no Brasil. O total é 21% menor do que o registrado em 2017 (217), quase metade do que em 2016 (339) e menos de um décimo do registrado no ano 2000, quando houve 1.903 ocorrências.

 

auto automobile blur buildings
Foto por Pixabay.

A queda no número de assaltos e tentativas de assaltos no Brasil se deve ao aprimoramento do processo de combate a esse tipo de crime devido às ações da polícia na prisão de quadrilhas de criminosos e a medidas que incluem  desde o melhor uso dos recursos de segurança a melhorias de procedimentos e gerenciamento de risco. O trabalho de inteligência é determinante nessas prisões, com a contribuição dos bancos, ao fornecer informações aos órgãos policiais.

 

Os dispositivos de entintamento estão incluídos nos investimentos feitos pelos bancos anualmente, de aproximadamente R$ 9 bilhões, na segurança física da sua rede de agências, que se estendem também a sistema de capturas de imagens, câmeras de visão noturna, câmeras analíticas de análise facial, sensores, câmeras externas e reforço físico dos ATMs. Os grandes bancos também contam com centrais que monitoram as agências em tempo real, no esquema 24/7 (24 horas por dia, 7 dias da semana), e, no caso de alguma ocorrência, a Polícia Militar é acionada.

 

 

Dinheiro eletrônico

As instituições financeiras também reduziram o volume de dinheiro disponível nas agências e incentivam a população a usar os canais eletrônicos para realizar operações bancárias. Para que o cliente evite fazer saque de somas elevadas nas agências, os bancos acabaram com o limite da TED (transferência eletrônica cujo crédito cai no mesmo dia).

top view of man holding android smartphone near macbook and newspaper
Foto por rawpixel.com.

As instituições financeiras também investem maciçamente em tecnologia. No ano passado foram R$ 19,6 bilhões, um aumento de 3% em relação a 2017. Foram quase 79 bilhões de transações realizadas, sendo 31 bilhões pelo mobile banking, e 16,2 bilhões pelo internet banking. Ainda foram abertas 2,5 milhões de contas pelos smartphones, e 434 mil contas por internet banking.

 

O cliente também está usando cada vez canais digitais para pagar contas e fazer transferências. No ano passado, os aplicativos dos bancos tornaram-se o canal preferido dos brasileiros para estas operações, foram realizadas por este canal 2,5 bilhões de pagamentos de contas e transferências, incluindo DOC e TED. “Isso reduz a necessidade de saques e manuseio de dinheiro nas agências”, afirma Faria.

 

Fonte: FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos (diretoria de Comunicaçao: Arthur Chioramital)

 

Campanha “AMIGOS DO BLOG”, acesse aqui e colabore

Anúncios

6º Semana ENEF

Acontece entre os dias 20 a 26 de maio, a 6º Semana de Educação Financeira.

O evento concentra as principais ações de educação financeira de entidades públicas e privadas. Em 2018, aconteceram quase 7.000 ações, de 280 instituições, alcançando mais de 4 milhões de pessoas em 1.134 cidades, em 26 estados e o Distrito Federal.

A Semana Nacional de Educação Financeira (Semana ENEF) é uma iniciativa do Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef) para promover a ações de educação financeira no país.

 

Concurso Cultural Quem Sonha, Poupa!

A programação da 6ª Semana Nacional de Educação Financeira (Semana ENEF) também conta com a ação educacional “Quem sonha poupa”, da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN) integrada com Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú, Santander e Votorantim, que irá premiar cinco jovens entre 18 e 24 anos com cursos de inglês no exterior, no valor total de R$ 100 mil.

 

Segundo a FEBRABAN, o objetivo, que tem o apoio do Banco Central, é reforçar o conceito de educação financeira com foco no ato de poupar, para ampliar a compreensão sobre os produtos de investimento e ressaltar a importância da reserva financeira de médio e longo prazos como forma de realizar sonhos e metas. A ação também tem o apoio do CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola).

 

Serão 5 bolsas, uma para cada região do país, no valor de R$ 20 mil cada. Para isso, o participante terá de responder a um questionário de 20 questões, com respostas múltiplas. O material didático no site (link no final da matéria) servirá de base para a formulação das perguntas do questionário.

 

No dia 27 de maio, os organizadores divulgarão o ranking com os 50 mais bem colocados, divididos em grupos de 10 pessoas por região do Brasil. O resultado levará em conta o maior número de respostas corretas no menor tempo.  Até 31 de maio, os selecionados deverão enviar um vídeo inédito com depoimento pessoal, de, no máximo, dois minutos, onde relatarão o aprendizado com a ação educacional e como pretendem colocar em prática os conhecimentos adquiridos. A divulgação dos resultados ocorrerá em 1º de julho. Os cinco ganhadores terão 18 meses para agendar a viagem e o curso de um mês, que deverá ser feito em países de língua inglesa.

 

Saiba mais:

Site “Quem sonha poupa” acesse aqui.

Agenda oficial da 6º Semana ENEF acesse aqui.

*Matéria produzida com informações da Assessoria de Comunicação da FEBRABAN.