Observatórios sociais

Saiba o que é e como funciona as organizações que fiscalizam e denunciam a corrupção e o desperdício de dinheiro no poder público.

 

Matéria publicada em 16/02:

Para que serve um observatório social?

Segundo informações do Observatório Social do Brasil, é um espaço democrático e apartidário para o exercício da cidadania. É formado por entidades representativas da sociedade civil, que também é responsável pela sua criação e manutenção, inclusive financeira. O objetivo é contribuir para a melhoria da gestão pública. A essência de um observatório social é transformar o direito do cidadão e da cidadã de indignar-se em atitude, sempre a favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos.

O observatório social pode ser formado por empresários, profissionais, professores, estudantes, funcionários públicos e outros cidadãos que por meio do trabalho voluntário se dedicam à causa da justiça social. A implantação de um observatório é o bom caminho para a evolução da sociedade brasileira. Quando as pessoas ficam indignadas com o que está errado e se organizam para lutar contra isso, há reflexos na imprensa, no Ministério Público, nas Defensorias e na política como um todo.

 

Observatório Social de São José (SC)

Reconhecida internacionalmente como uma das organizações mais combativas contra o desperdício de dinheiro público, o Observatório Social de São José (OSSJ), situado na Grande Florianópolis, denunciou em 2012, um erro administrativo na compra de papel higiênico pela prefeitura de São José: invés de rolos foram comprados mais de seis mil fardos. Até nos dias de hoje há papel higiênico estocado – algo em torno de mil fardos. Em 2014, a prefeitura fez mais uma licitação para comprar mais papel higiênico! Jaime Klein, então vice-presidente da OSSJ, disse na imprensa que por meio das denúncias do observatório social, uma licitação para comprar mais papel higiênico em 2016 foi cancelada.

 

JaimeLuizKlein_BBCBrasil_acervopessoal
Jaime Klein durante entrevista para BBC Brasil. Acervo Pessoal.

Outro caso da OSSJ que ganhou notoriedade na imprensa foi a denúncia de um serviço de obra pública malfeita: a espessura da camada asfáltica de uma rua era menor do que a contratada. A prefeitura negou as irregularidades no caso do asfalto e da compra de papel higiênico, porém, reconheceu que a gestão anterior cometeu um erro administrativo que gerou o acúmulo gigantesco de papel higiênico e desperdício de dinheiro que sai dos bolsos dos contribuintes.

 

Se com um observatório social a luta é grande, imagine sem essa organização nos municípios brasileiros? A mudança por um país melhor e mais justo precisa da ajuda de cada um de nós. Participe de um observatório social em sua cidade, se não houver ainda, procure entidades que lutam contra a corrupção e o desperdício de dinheiro público. Faça a sua parte. O Brasil agradece!

 

 

137 Observatórios sociais no Brasil

Dezesseis estados brasileiros possuem observatórios sociais: Bahia (6 unidades); Distrito Federal (1); Goiás (1); Minas Gerais (8); Mato Grosso (4); Mato Grosso do Sul (1); Pará (3), Piauí (1); Rio de Janeiro (9); Rio Grande do Norte (1); Rio Grande do Sul (15); Rondônia (1); Santa Catarina (27); São Paulo (23); Tocantins (2). O estado do Paraná possui o maior número de organizações, totalizando 32 unidades.

 

Saiba mais:

Acesse o site do Observatório Social de São José aqui.

Consulte as cidades que possuem observatórios sociais aqui.

Site do Observatório Social do Brasil aqui.

Anúncios

Fiscalizar é preciso!

Acontece nesta quinta-feira, 16, das 8h às 18h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores, no Tribunal de Contas de Mato Grosso (SINTTCONTAS), o 1º Seminário de Controle Social dos Atos Públicos de Mato Grosso.

 

O evento também visa a criação do Observatório Social de Mato Grosso (OSMT). O convidado palestrante é Jaime Luiz Klein, auditor público interno e presidente do Observatório Social de São José (SC), e também é coordenador do ‘Movimento Cidadão Fiscal – Indo Além de Contribuinte e Eleitor. O evento é gratuito, porém, são 200 vagas disponíveis. As inscrições podem ser feitas no local. Os participantes receberão certificados.

 

O 1º Seminário de Controle Social dos Atos Públicos de Mato Grosso é organizado pelos sindicatos SINPAIG/ADUEMAT/SINPOL/SINDSPEN/AUDICON/ONGMORAL, com apoio do Fórum Sindical de MT e do SINTTCONTAS.

 

 

Serviço

O que é: 1º Seminário de Controle Social dos Atos Públicos de Mato Grosso

Data: 16 de fevereiro de 2019

Horário: das 8h às 18h

Local: Sede do Sindicato dos Trabalhadores no Tribunal de Contas de MT / SINTTCONTAS

Endereço: Rua Alenquer, s/n. Bairro Centro Político Administrativo. Atrás do Hospital do Câncer de Cuiabá

Evento Gratuito