Cinema

Cineasta participa da “Sessão Realizadores de Mato Grosso”, no Cine Teatro Cuiabá

 

Os fãs de “Cinema Documentário” têm a oportunidade de assistir no Cine Teatro Cuiabá, no dia 21 de maio, às 19h30, duas obras cinematográficas da cineasta premiada e jornalista Bárbara Fontes: o curta “Sayonara” e o longa “Vila Bela: Terra de Colores”. Após as exibições, a cineasta que iniciou na carreira em 1994, vai conversar com o público.  As exibições fazem parte da programação do evento “Sessão Realizadores de Mato Grosso”, do Cine Clube Coxiponés, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

 

“Sayonara”:

Sayonara_doc
Bastidores do documentário “Sayonara”. Acervo Pessoal de Bárbara Fontes

Fruto do curso Cinema Documentário: da teoria à prática, ministrado por Bárbara Fontes em parceria com a UFMT, por meio da Escola de Artes, do Cine Clube Coxiponés e da TV Universidade. A obra cinematográfica resgata as memórias da lendária casa de shows ‘Sayonara’, em Cuiabá. A direção geral é de Bárbara Fontes com a participação dos alunos do curso. O documentário participou de Festivais, Mostras de Cinemas e de Sessões Especiais no Brasil e no exterior.

 

 

“Vila Bela: Terra de Colores”:

Babi_VilaBela
Bárbara Fonte filma em Vila Bela da Santíssima Trindade (MT).

Premiado pelo programa nacional de fomento ao Cinema Documentário, o DOCTV (2º Edição), e tornou Bárbara Fontes, a primeira cineasta mulher de Mato Grosso a vencer o concurso. O documentário conta quatro histórias que se entrelaçam sobre a primeira capital de Mato Grosso, Vila Bela da Santíssima Trindade – da sua idealização em Portugal até os dias atuais. A obra cinematográfica é resultado de anos de pesquisa histórica realizada em Mato Grosso, no Rio de Janeiro e acervos em Portugal.

 

 

Bárbara Fontes:

Babi_arne_doc
Bárbara Fontes nas filmagens com o cineasta Arne Sucksdorff, em Estocolmo/Suécia (2001).

 

Bárbara Fontes é jornalista, cineasta documentarista, roteirista, produtora, fotógrafa e poetisa. Em 25 anos de carreira, trabalhou em mais de 60 obras audiovisuais, seja como diretora, roteirista, produtora, co-produtora ou como consultora. Entre as principais estão “Arne Sucksdorff: uma vida documentando a vida”; “Canção Mato-Grossense (Hino de Mato Grosso)”. Em 2017, dirigiu o vídeo-poema “A Mangueira”, que fez parte da exposição de arte “Natureza: Substantivo Feminino”. Atualmente trabalha na pré-produção (Pesquisa e elaboração do Roteiro Cinematográfico) do documentário “Pantaneiras” (as pesquisas se iniciaram em 1999) e na pesquisa histórica sobre as origens indígenas da sua bisavó, que pertenceu à etnia Puri, do Rio de Janeiro. Bárbara Fontes é editora do blogdabarbarafontes.com.

 

Babi_Nambikwara
Bárbara filma com os Nambiquaras (MT), em 2006.

 

Serviço

Babi_CineTeatroCuiaba_cinema_Capa

Sessão Realizadores de Mato Grosso: Bárbara Fontes

Filmes exibidos:

Sayonara (Bárbara Fontes, 2008, 20’)

Vila Bela: terra de colores (Bárbara Fontes, 2005, 55’)

Dia: 21 de maio (terça-feira)

Horário: 19h30

Duração do evento: 01h30

Local: Cine Teatro Cuiabá

Ingressos: Será cobrada uma taxa de manutenção do Cine Teatro Cuiabá.

R$ 4,00

R$ 2,00

 

 

Saiba mais:

Programação completa do mês de maio, do Cine Teatro Cuiabá aqui.

Anúncios

Audiovisual

Inscrições abertas até 3 de junho para a 18° Mostra de Audiovisual Universitário e Independente da Latino Americana do Cineclube Coxiponés da UFMT.

 

A MAUAL já faz parte do calendário das importantes Mostras Audiovisuais do país. O evento incentiva, exibe produções independentes latino-americanas de curtas durações e promove diálogos salutares entre os realizadores convidados e o público que cresce a cada edição.

 

Mostra Competitiva

Há duas categorias para a Mostra Competitiva da MAUAL 2019:

1º – realizadores universitários (estudantes, professores e técnicos administrativos);

2º – realizadores  independentes (autônomos ou ligados a produtoras independentes)

 

Desde que tenham lançado curtas audiovisuais entre os anos de 2018 e 2019, e que não tenham sido inscritos ou exibidos em edições anteriores da MAUAL.

Podem concorrer na Mostra Competitiva curtas de até 26 minutos de duração nas seguintes modalidades:

*Universitária (categorias Documentário, Ficção e Experimental)

*Independente (categorias Documentário, Ficção e Experimental)

IMPORTANTE:

Cada realizador poderá se inscrever em uma única modalidade (Universitária ou Independente) e participar do processo de seleção da MAUAL com até dois curtas.

 

18º MAUAL

As exibições da MAUAL deste ano acontecem no Teatro da UFMT, entre os dias 30 de setembro e 04 de outubro. A 18º edição conta com uma novidade: nas categorias de votação pelo Júri Popular está a de Melhor Curta Curtíssimo (de até 5 minutos de duração), e o Melhor Curta Estrangeiro. O voto popular continua a eleger o melhor curta nas três categorias das modalidades Universitária e Independente.

 

Inscrições

De 25 de abril a 03 de junho de 2019.

Uma comissão de seleção avaliará os curtas inscritos a partir de critérios relacionados à adequação às normas do edital, à originalidade e criatividade das produções.

 

Divulgação

Os selecionados para a Mostra Competitiva serão divulgados a partir de 29 de agosto.

 

Realização

Cineclube Coxiponés da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) por meio da Pró-Reitoria de Cultura, Extensão e Vivência da UFMT.

Parceiros: a 18ª MAUAL conta com a parceria dos cursos de Radialismo e de Cinema & Audiovisual da UFMT, do Projeto ComunicArte UFMT, da Associação Mato-grossense de Audiovisual (MTCINE) e da Rede Cineclubista de Mato Grosso (REC-MT). As atividades relacionadas à MAUAL integram a Temporada Cultural e Artística UFMT 2019 e a Agenda Itinerante da PROCEV/UFMT.

 

Memória afetiva

Eu tive a oportunidade de participar de muitas edições da Mostra Audiovisual do Cineclube Coxiponés, seja como voluntária na organização, como concorrente, como juri ou como público. Foram experiências gratificantes. Eu perdi a conta de quantos trabalhos audiovisuais foram exibidos (são 25 anos de carreira e muitos trabalhos em parcerias!), mas seguem alguns links de trabalhos meus (a obra cinematográfica ‘Canção Mato-grossense foi premiada) que já participaram em edições passadas:

*Arne Sucksdorff: Uma Vida Documentando a Vida (2004), acesse aqui.

*Canção Mato-grossense (2007), acesse aqui.

*Sayonara (2008), acesse aqui.

 

Saiba mais:

Edital 18º MAUAL aqui.

*Esta matéria tem informações da Assessoria de Comunicação da UFMT.

Dias-Pino vive!

Acontece nesta terça, 26, às 14h, no Museu de Arte e de Cultura Popular (MACP/UFMT), um bate papo sobre Intensivismo e Contemporaneidade. O evento faz parte da exposição “O olhar cria esquinas para o azul” de Wlademir Dias-Pino, aberta em dezembro de 2018.

VladimirDiasPino2

Mato Grosso na vanguarda literária

Surgido na década de 1940, o Intensivismo é um movimento literário de vanguarda que nasceu em Mato Grosso e tem como fundador Wlademir Dias-Pino, autor do primeiro livro-poema (feito artesanalmente por ele) do país (A Ave, 1948). O carioca nascido em 02 de fevereiro de 1927, no bairro da Tijuca, morou com a família em Cuiabá entre os anos de 1936 a 1952. O poeta e artista gráfico e visual faleceu em 30 de agosto de 2018, aos 91 anos, no Rio de Janeiro.

VladimirDiasPino3
Divulgação/Casa Silva Freire

 

Em 2015, Dias-Pino esteve em Cuiabá onde foi homenageado no evento Circuito Cultural Setembro Freire, realizado pela Casa Silva Freire (organização cultural criada em memória do advogado e poeta cuiabano Benedito Silva Freire). Os dois poetas ajudaram a fundar a Universidade Federal de Mato Grosso. A logomarca e a escultura da UFMT são de autorias de Dias-Pino, que também colaborava nas artes dos catálogos e outros materiais visuais da instituição.

 

UFMT e Dias-Pino: amor maior

VladimirDiasPino4

No dia de sua morte, a UFMT emitiu a seguinte nota de pesar (trechos):

O artista plástico, designer gráfico e poeta, que tinha 91 anos, considerado por Antonio Houaiss “um dos mais perspicazes pesquisadores visuais no Brasil”, é o responsável pela criação da logomarca da Universidade, cuja imagem constitui uma representação de uma gota d’água em expansão, representando, simbolicamente, a difusão do conhecimento.
Dias-Pino não só faz parte da história quase cinquentenária da UFMT, como também a ilustrou em cartilhas e livros publicados pela Editora da universidade, época na qual desenvolveu a logomarca que define e identifica a instituição. Um dos mais respeitados nomes da poesia visual brasileira, o artista participou do movimento concretista.

Em 10 de dezembro de 2013, Wlademir Dias-Pino recebeu o título de doutor honoris causa da UFMT, “pela inegável e notória importância do conjunto de sua obra, que se insere em movimentos culturais de vanguarda em níveis local, nacional e internacional, em trajetória que leva consigo o nome da UFMT”, conforme parecer da comissão de análise do Conselho Universitário (Consuni) que lhe outorgou o título.

“A contribuição de Wlademir Dias-Pino é imensurável, tanto para a cultura mato-grossense quanto para a UFMT. Ele foi um estimulador, incentivador, ativista de primeira linha. Suas obras, especialmente na poesia, são marcantes. Foi ele quem estabeleceu agendas importantes, tanto na esfera literária quanto na cultural de um modo geral. A parceria com o poeta Benedito da Silva Freire foi um grande marco para o Estado. Criou o movimento denominado ‘Intensivismo’, e obteve reconhecimento nacional e internacional. Promoveu e contribuiu com 365 exposições na Universidade. Uma de suas principais contribuições foi receber o semioticista tcheco Ivan Bystrina para a UFMT, e as obras expostas naquela ocasião foram inclusive levadas para a Tchecoslováquia”, recorda a professora da UFMT e integrante da Academia Mato-grossense de Letras (AML), Marília Beatriz de Figueiredo Leite.”

 

Serviço

Bate papo sobre Intensivismo e Contemporaneidade

Dia: 26/02 (terça-feira)

Horário: 14h

Local: Museu de Arte e de Cultura Popular (MACP/UFMT